Pular para conteúdo

Pular para sumário

Observando o Mundo

Observando o Mundo

 Observando o Mundo

Diversidade surpreendente nos oceanos

“Biólogos marinhos em todo o mundo vêm descobrindo mais de 30 novas espécies por semana”, diz o jornal alemão Leipziger Volkszeitung. Esse anúncio faz parte do primeiro relatório sobre o Censo da Vida Marinha, um projeto com duração de dez anos que começou em 2000, envolvendo uns 300 cientistas de 53 países. Os pesquisadores acreditam que “provavelmente haja mais de dois milhões de espécies animais e vegetais nos oceanos”, diz o jornal. “Mais de 95% das espécies de animais marinhos talvez ainda não sejam conhecidas.”

 Perdidos, mas geralmente achados

Segundo o The New York Times, em 2002 o Centro de Achados e Perdidos da Polícia Metropolitana de Tóquio, Japão, recebeu mais de 23 milhões de dólares — 72% desse dinheiro perdido e achado foi devolvido aos donos. O grande centro de achados e perdidos também recolhe centenas de milhares de outros itens, incluindo telefones celulares, chaves, óculos, brinquedos, equipamentos esportivos e — o mais comum — guarda-chuvas, 330 mil apenas em 2002. “Desde criança, todos são ensinados a entregar à polícia qualquer coisa que encontrem”, declara o The Times. Cerca de 200 a 300 pessoas se dirigem ao centro diariamente para retirar seus pertences. Alguns itens despertam a curiosidade, como no caso de muletas e cadeiras de rodas. “Fico pensando o que aconteceu com os donos”, diz Hitoshi Shitara, funcionário veterano do centro.

Pontualidade em alta

O Equador lançou a campanha nacional de pontualidade. Segundo a revista The Economist, calcula-se que, além das inconveniências, a falta de pontualidade custa ao Equador 742 milhões de dólares por ano — 4,3% do produto interno bruto. “Mais da metade dos eventos públicos começam atrasados”, menciona a reportagem. Parece que a campanha de pontualidade está tendo certo êxito. “Nas reuniões, os retardatários são barrados na entrada”, diz The Economist, e “um jornal local está publicando uma lista diária dos funcionários públicos que chegam atrasados aos eventos”.

Jovens e o computador

Segundo um relatório do Ministério da Educação dos EUA, “cerca de 90% dos americanos de 5 a 17 anos usam computadores e 59%, a internet — índices mais altos do que os dos adultos”, explica o The Wall Street Journal. O uso do computador começa bem cedo. Esse relatório mostra que “cerca de 75% das crianças já fazem uso de computadores aos 5 anos e a maioria usa a internet aos 9”. Ao passo que mais da metade dos jovens acessam a internet para comunicar-se com amigos ou para jogar games, “de cada 4, quase 3 a usam nas tarefas escolares”, comenta o Journal. “As meninas, que até pouco tempo usavam o computador e a internet menos que os meninos, hoje usam-nos quase tanto quanto eles.”

Dieta grega saudável

“Cientistas das Escolas de Medicina de Harvard e de Atenas pesquisaram os hábitos alimentares de 22.043 gregos durante quase quatro anos. Descobriu-se que a dieta mediterrânea diminuiu 25% ou mais o risco de morte por câncer e doenças cardíacas”, relata a Readers Digest. “Os gregos comem bastante nozes, frutas, verduras, legumes, cereais e azeite de oliva, muito peixe, quantidades moderadas de laticínios e álcool, e pouca carne vermelha.” Há tempos observam-se os benefícios da dieta mediterrânea tradicional para a saúde.

Meninos de rua em desespero

A pobreza levou mais de um milhão de crianças polonesas a viver nas ruas, segundo a revista Wprost. Elas têm geralmente de 8 a 15 anos e “já são arrimos de família”, pois pagam o aluguel e sustentam seus irmãos famintos — até dão dinheiro aos pais alcoólatras. Embora de início talvez trabalhem pelo sustento, a maioria acaba recorrendo “ao roubo, ao tráfico de drogas e de álcool, à extorsão de colegas e à prostituição”. Segundo Marek Liciński, da Fundação Social Powiślańska, “a violência e o crime não são os maiores problemas que essas crianças têm de enfrentar, mas sim a falta de um lar ou de alguém em quem confiar”.

Alimentos no tratamento da pele

Os alimentos estão se tornando ingredientes cada vez mais populares em cosméticos e tratamentos para o bem-estar. Além do chocolate, são usados gêneros alimentícios básicos, como o azeite de oliva. Alguns acreditam que “um relaxante banho de espuma de cacau, à luz de vela, seguido de uma massagem com emulsão de chocolate quente e depois uma compressa de fondue de chocolate no corpo” ajuda a prevenir o envelhecimento da pele, relata o jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung. Será que ajuda mesmo? “Embora seja teoricamente plausível que o extrato de cacau em creme consiga retardar o envelhecimento, isso ainda não tem base científica”, diz o professor Volker Steinkraus, do Instituto de Dermatologia de Hamburgo.

Mulheres procuram a pornografia

“A internet tornou a pornografia inegavelmente atrativa para milhões de mulheres nos últimos anos, visto que o acesso é fácil, de baixo custo e mantido no anonimato”, diz o jornal The Plain Dealer, de Cleveland, Ohio, EUA. “Cerca de uma em cada três pessoas que acessam sites para adultos é mulher.” Uma mãe de 42 anos começou a ver pornografia “com a intenção de entender o que atraía tanto seu ex-marido. Não demorou muito e ela estava gastando até 30 horas por semana navegando na rede em busca de excitação sexual”.

A natureza enganosa do débito de sono

“As pessoas que conseguem passar com um débito de sono moderado muitas vezes não percebem que sua capacidade de raciocinar diminui, e não se sentem particularmente sonolentas”, relata a revista Science News. Uma pesquisa de duas semanas, envolvendo 48 voluntários de 21 a 38 anos mostrou que, em poucos dias, a constante falta de sono diminuiu suas habilidades mentais, incluindo a percepção e o tempo de reação. A média de todos era anteriormente entre sete e oito horas de sono por noite, mas agora, para a pesquisa, eles foram divididos em quatro grupos. Os membros de três grupos tiveram permissão para dormir oito, seis ou quatro horas por noite. O outro grupo não pôde dormir nada por um período de três dias. Os testes mostraram que, para os grupos que dormiram seis e quatro horas, houve perdas crescentes em habilidades, mas não houve perdas para os que dormiram oito horas.