Pular para conteúdo

Pular para sumário

Fraude — um problema mundial

Fraude — um problema mundial

 Fraude — um problema mundial

CARISMÁTICO e dono de uma voz suave, Wayne era tudo o que Karen procurava em um marido. “Eu esperava e rezava por um homem assim”, disse Karen. “Quem nos via dizia que tínhamos sido feitos um para o outro. Parecia que ele era capaz de beijar o chão onde eu pisava.”

Havia, porém, um problema. Wayne disse a Karen que ele era o terceiro homem mais importante na Agência Australiana de Inteligência Secreta. Wayne até queria se demitir, mas eles não permitiam, porque ele sabia demais. Eles o matariam. Assim, o casal arquitetou um plano. Eles se casariam, juntariam seus bens e deixariam a Austrália, partindo para o Canadá. Karen vendeu sua casa e tudo o que possuía, e confiou o dinheiro a Wayne.

O casamento aconteceu conforme planejado. Wayne fugiu do país, mas deixou Karen para trás, abandonada e com menos de seis dólares no banco. Não demorou muito para ela descobrir que havia sido vítima de uma cilada construída com muitas mentiras, cujo único objetivo era lesá-la. Exatamente como um ator, Wayne estava desempenhando um papel: o de sedutor. Seu passado, interesses, personalidade e suposto amor por ela eram tudo invenção para ganhar a confiança dela — confiança essa que lhe custou mais de 200 mil dólares. Um policial declarou: “Ela foi estuprada emocionalmente. É incrível como alguém pode causar tanta mágoa — isso sem falar no dinheiro.”

“Fiquei desnorteada”, disse Karen. “O homem que conheci não existia.”

Karen é apenas uma das inúmeras vítimas de fraude no mundo inteiro. Não se sabe ao certo quanto dinheiro é extorquido de outros, mas estima-se que a quantia chegue a centenas de bilhões de dólares e aumenta a cada ano. Além da perda financeira, vítimas como Karen ficam muito magoadas por saber que uma pessoa — geralmente alguém em quem confiavam — tirou vantagem delas.

 É melhor prevenir do que remediar

Define-se fraude como “qualquer ato ardiloso, enganoso, de má-fé, com o intuito de lesar ou ludibriar outrem, ou de não cumprir determinado dever; logro”. (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa) Infelizmente, a maioria das fraudes fica impune, visto que é difícil conseguir provar que o ato foi intencional. Além do mais, muitos estelionatários conhecem e exploram brechas na lei, ou seja, eles sabem praticar golpes de uma maneira em que é difícil ou impossível processá-los. Além disso, gasta-se muito tempo e dinheiro para mover uma ação judicial contra um estelionatário. Em geral, os que são condenados por seus crimes são os que roubaram milhões ou fizeram algo que merecesse a atenção da mídia. Mesmo quando é pego e punido, o fraudador provavelmente já escondeu ou gastou o dinheiro. Como conseqüência, as vítimas não raro ficam sem receber nenhuma indenização pelas perdas.

Em resumo, se você for vítima de um golpe, é pouco provável que consiga reaver o que perdeu. Com certeza, é muito melhor evitar ser vítima de fraude do que tentar conseguir o dinheiro de volta, depois de tê-lo perdido. Conforme disse um sábio há muito tempo: “Argucioso é aquele que tem visto a calamidade e passa a esconder-se, mas os inexperientes passaram adiante e terão de sofrer a penalidade.” (Provérbios 22:3) O próximo artigo explicará maneiras de se proteger contra fraudes.