Pular para conteúdo

Pular para sumário

Tribulação numa família testa sua fé

Tribulação numa família testa sua fé

 Tribulação numa família testa sua fé

INDIA, uma encantadora menina de 9 anos, no Estado de Wisconsin, EUA, não desconhece o que é ser doente. Na verdade, ela já fez três cirurgias grandes e passou por incontáveis procedimentos menores. “Durante seis anos”, diz Lori, a mãe, “a vida de India girava em torno de salas de emergência, internações em hospitais e consultas médicas”.

Tudo isso teve início quando India tinha um ano e meio. Ela começou a apresentar sintomas incomuns, incluindo diarréia crônica, febre alta, barriga inchada e perda anormal de peso. Tinha também dores abdominais. Por dois anos, a pequena India acordava diversas vezes toda noite chorando, gemendo e às vezes até gritando de dor.

Enquanto os médicos tentavam descobrir a causa do problema, India continuava a sofrer terrivelmente. “Nosso bebê estava basicamente morrendo de inanição”, diz Lori. “Por mais de um ano”, acrescenta Mark, o pai de India, “observamos nossa filhinha definhar, sem saber como ajudá-la. Lembro que certa noite eu me sentia totalmente desamparado quando eu e Lori falamos sobre o funeral de India, que a essa altura achávamos inevitável”.

Por fim, descobriu-se que India tinha colite ulcerativa — uma doença que ataca o revestimento do intestino grosso. Ela tinha também colangite esclerosante inicial, que afeta as vias biliares do fígado. Existia tratamento para essas doenças. Mas era preciso fazer cirurgia e, para a colite ulcerativa, tratamento com medicamentos. Ambas as doenças exigem monitoramento e cuidados constantes durante a convalescença.

Já faz mais de sete anos desde que India ficou doente. Graças aos médicos conscienciosos, ela está tendo boa recuperação. Mark e Lori, como Testemunhas de Jeová, sentem que sua fé na Palavra de Deus — em especial no que ela diz sobre doença, morte e esperança de uma futura ressurreição — os tem ajudado a perseverar. O mesmo se dá com  India. “Ela sempre fala sem constrangimento sobre a esperança da ressurreição, segundo descrita na Bíblia”, diz Lori. “Essa esperança é muito real para ela.”

Certa vez, quando India estava na sala de recreação de um hospital, conheceu uma menina cuja irmã tinha leucemia. Lori relata o que se deu: “A menina disse para India que achava que sua irmã ia morrer. Então India lhe explicou o que é a morte segundo a Bíblia e falou que ela não tinha medo de morrer. No dia seguinte, a mãe da menina me procurou fazendo perguntas. Ela estava surpresa de que India podia falar tão francamente e com tanto destemor sobre coisas assim.”

Mark e Lori acham que as orações de concrentes têm dado um enorme apoio. “No passado”, diz Mark, “quando eu dizia às pessoas que me lembraria delas em minhas orações ou quando eu orava com elas, achava que estava fazendo pouco. Agora compreendo como são importantes essas orações junto com outros e a favor deles. A oração era a coisa mais importante que se podia fazer para nós em nossos momentos difíceis. Que fraternidade amorosa nós temos!”

Mark acha também que a enfermidade de India os ajudou a fazer uma análise de suas prioridades. “Nosso conceito sobre as coisas materiais definitivamente mudou”, diz ele. “Como elas parecem sem valor para quem tem um filho doente! As coisas de valor na vida eram, e são, nossa relação com Jeová Deus e nossa amorosa fraternidade.”

Mark e Lori, assim como India e seus irmãos, aguardam o tempo predito pelo profeta Isaías, em que “nenhum residente dirá: ‘Estou doente.’” — Isaías 33:24; Revelação (Apocalipse) 21:4.

[Foto na página 22]

India Erickson

[Foto na página 23]

Hospital Infantil de San Diego

[Foto na página 23]

India com a família