Pular para conteúdo

Pular para sumário

De Nossos Leitores

De Nossos Leitores

 De Nossos Leitores

Diabetes. Muito obrigada, de coração, pela série de artigos “Aprenda a viver com o diabetes” (8 de maio de 2003). Venho lutando com o diabetes desde os quatro anos de idade. Sempre pensei que o casamento e o ministério de tempo integral não eram para mim, mas esses artigos me deram esperança. Agora estou com 17 anos e tenho por alvo o ministério de tempo integral, e darei o meu melhor para alcançá-lo.

T. A., Japão

Achei extremamente úteis as sugestões para a família e amigos não incentivarem os diabéticos a consumir alimentos impróprios. É uma dificuldade cozinhar para toda a família e não poder comer a comida que preparei. Para qualquer um que não tenha diabetes, essa situação pode ser irrelevante, mas posso garantir que não é nada disso!

V. N., Itália

Sou enfermeira e professora. No início do próximo semestre começarei a dar aulas sobre diabetes aos meus alunos. A gravura das páginas 8 e 9 é fácil de entender e a utilizarei em minhas aulas. Muito obrigada por publicarem artigos simplificados sobre assuntos médicos.

C. B., França

Obrigada pelos artigos sobre o diabetes. Eu não tenho essa doença, mas minha irmã de 14 anos tem. Agora sei o que ela enfrenta. É verdade que tenho de fazer sacrifícios por ela, mas isso não é tão difícil quanto viver com diabetes!

E. D. M., Itália

Minha mãe tem diabetes já por cinco anos. Vivo constantemente preocupada por causa da saúde dela, visto que moro bem longe. Vou enviar-lhe um exemplar dessa revista. Poderá ser útil para ela quando eu não estiver presente.

R. W., Indonésia

Acidente. Gostei de ler o artigo “Como um acidente mudou minha vida” (22 de abril de 2003). Esse artigo está me ajudando a lidar com uma lesão dorsal que já tenho há mais de 30 anos. Passei por muitas coisas que o irmão Stanley Ombeva passou. É consolador saber que a Palavra de Deus ajuda-nos a confiar em Jeová.

G. G., Estados Unidos

Fiquei muito comovida pelo relato tão sincero da reação do irmão Ombeva às dificuldades físicas. Passei a me dar conta de como os meus problemas são insignificantes comparados aos que ele tem de enfrentar. Esse artigo ajudou a me concentrar nos aspectos positivos da vida.

S. C., Canadá

Excepcional! É a palavra certa para descrever esse artigo. Não conseguia parar de ler. Fez-me pensar no fato de as Escrituras terem assumido um significado totalmente diferente para o irmão Ombeva quando ele mais precisou delas. Isso me ajudará a demonstrar mais empatia ao prestar ajuda a outros.

R. G., Estados Unidos

Senti-me encorajada de saber que até um ancião congregacional sente certo tipo de raiva e reconhece que leva tempo para aprender a lidar com uma situação como essa. O irmão Ombeva comentou que, mesmo quando estava no auge de sua aflição, ele nunca ficou irregular em seu ministério. Resolvi fazer o mesmo.

M. K., Japão

Caí tantas vezes quando era mais jovem que agora estou sofrendo por causa disso. Tenho dores constantes, dificuldade de andar e falta de energia. Minhas limitações no ministério fazem-me sentir muito triste, porém, saber como o irmão Ombeva lidou com esse problema me ajudou bastante. Muito obrigada!

E. E., Estados Unidos