Pular para conteúdo

Pular para sumário

De Nossos Leitores

De Nossos Leitores

 De Nossos Leitores

Prostituição infantil. Nem tenho palavras para agradecer-lhes pela série de capa “Prostituição infantil — uma trágica realidade” (8 de fevereiro de 2003). A série expôs sem rodeios a dura realidade do problema. Acho que a matéria devia ser reimpressa em publicações seculares para que mais pessoas pudessem se conscientizar da existência desse tipo de escravidão.

M. K., República Tcheca

Síria. Muito obrigada pelo artigo “Síria — vestígios de um passado histórico” (8 de fevereiro de 2003). Para ser sincera, nunca me interessei por História. Contudo, esse artigo me ajudou a visualizar as diferentes estradas e cidades que foram visitadas pelo apóstolo Paulo. Matérias como essa nos ajudam a ampliar nosso conhecimento e a entender o que os servos de Deus no passado tiveram de enfrentar.

T. S., Estados Unidos

Manter-se em forma. Agradeço-lhes pelas sugestões sobre exercícios e perda de peso publicadas na seção “Observando o Mundo”. Gostei especialmente do item “Boa saúde e boa forma” (8 de fevereiro de 2003). Fiquei animada de saber que até mesmo um pouco de exercício faz bem para a saúde. Devido a um medicamento que tomo, não posso fazer exercícios prolongados, porque me canso com facilidade. Muito obrigada por essa dica de saúde e boa forma!

G. P., Estados Unidos

Palavras Cruzadas. Em poucas palavras, gostaria de agradecer por publicarem as palavras cruzadas. Sou fã incondicional delas. Acho-as divertidas e educativas, além de serem uma boa maneira de relaxar no fim do dia.

J. G., Estados Unidos

Sempre gostei de palavras cruzadas. Quando começaram a ser publicadas na Despertai!, ficava ansiosa para fazê-las! No começo, tinha de procurar a maioria dos textos, mas agora consigo solucionar muitas cruzadas sem consultar as referências. O resultado foi que consegui gravar muitos textos e personagens da Bíblia.

E. G., Estados Unidos

Sorriso. Minha família e meus amigos me apelidaram de Sorriso. Cheguei até a receber uma foto minha com os dizeres: “Se encontrar alguém triste, contagie-o com o seu sorriso.” Mas algumas tragédias que sobrevieram à minha família recentemente me deixaram muito deprimida. O artigo “O poder de um sorriso” (22 de janeiro de 2003) me ajudou muito. Consegui voltar a sorrir e alegrar as pessoas com isso. Agradeço a Jeová por usar esse artigo para reajustar minha atitude.

O. F., Nigéria

Lixo. Na série “Seremos soterrados pelo lixo?” (22 de agosto de 2002) cita-se a estimativa de uma associação ambiental italiana sobre o tempo de decomposição de diversos tipos de material em contato com a água do mar. A meu ver, é totalmente equivocada a estimativa fornecida de 500 anos para a degradação das latas. Nas águas salgadas do Refúgio Nacional da Vida Selvagem da Ilha do Pelicano, na Flórida, tenho visto muitas latas de alumínio e de estanho se desintegrarem só de eu tocar nelas com a bota. Essas latas não podem estar lá por mais de dez anos — talvez até menos. Como qualquer pessoa que possui um barco de alumínio sabe muito bem, a água salgada corrói o alumínio.

S. S., Estados Unidos

“Despertai!” responde: É verdade que outras fontes fornecem estimativas bem mais conservadoras. Contudo, a publicação “Elements of Marine Ecology”, de R. V. Tait e F. A. Dipper, sugere que talvez leve de 80 a 100 anos para a desintegração de latas de alumínio e de 50 a 100 anos para a decomposição de latas de estanho. Latas que foram expostas ao ar podem se decompor mais rapidamente do que as que foram expostas apenas à água.