Pular para conteúdo

Pular para sumário

A crise dos agricultores

A crise dos agricultores

 A crise dos agricultores

RICHARD cultiva as mesmas terras que seu bisavô cultivava uns 100 anos atrás. No entanto, em 2001 esse agricultor canadense foi o primeiro, em quatro gerações da família, que não produziu nenhuma safra. As plantações foram assoladas pela seca. Os preços baixos dos produtos nos anos anteriores e o aumento dos custos de produção agravaram suas dificuldades. Ele lamenta: “O rombo é cada vez maior, e não há solução.”

No Cinturão do Milho, nos Estados Unidos, Larry era dono de uma fazenda que há 115 anos pertencia à sua família. “Eu achava que era meu dever manter a fazenda funcionando, torná-la lucrativa . . . , mas não consegui”, diz ele. Larry e sua esposa perderam a fazenda.

Larry e Richard não são os únicos. Na Grã-Bretanha, o surto da febre aftosa no gado cobrou um enorme preço financeiro e emocional dos fazendeiros. Disse certa notícia: “O cotidiano numa fazenda britânica — mesmo onde a doença não chegou — é marcado por ansiedade, retraimento e uma luta desesperada para afastar os credores.” Em certos países em desenvolvimento, a guerra, a seca, o rápido crescimento populacional e muitos outros fatores têm frustrado os esforços dos agricultores. Os governos são obrigados a importar alimentos — que muitas famílias não podem pagar.

 De modo que o impacto dos problemas que muitos agricultores no mundo enfrentam é amplo. Mesmo assim, poucos citadinos dão importância aos desafios da agricultura. Quase 50 anos atrás, o então presidente americano Dwight D. Eisenhower declarou: “A agricultura parece muito fácil quando seu arado é um lápis e você está a milhares de quilômetros do campo.” Muitos agricultores hoje também acham que grande parte do mundo desconhece o que se passa na agricultura e o papel importante dos homens do campo. “Pouco nos interessa saber de onde vem o nosso alimento”, lamentou um agricultor canadense. “Antes de ser embalado e colocado na prateleira do supermercado ele já passou por muitas mãos.”

Visto que todos nós dependemos da indústria agrícola, não podemos ignorar os problemas que muitos agricultores enfrentam. Os sociólogos Don A. Dillman e Daryl J. Hobbs alertam: “Na nossa sociedade altamente interdependente, os problemas rurais rapidamente se tornam problemas urbanos e vice-versa. Na nossa sociedade, nem o segmento urbano nem o rural podem prosperar por muito tempo se o outro se definha.” Além disso, na atual aldeia global, a queda na economia de um país pode afetar drasticamente a venda de produtos agrícolas e os custos de produção em outros países.

Não surpreende, portanto, a declaração do Centro de Medicina e Saúde Agrícola de Nova York: “A agricultura é uma das 10 ocupações mais estressantes nos Estados Unidos.” Quais são alguns dos fatores da crise? Como os agricultores podem enfrentá-la? Há motivo para se crer que a crise pode ser resolvida?

[Destaque na página 4]

“A agricultura parece muito fácil quando seu arado é um lápis e você está a milhares de quilômetros do campo”