Pular para conteúdo

Pular para sumário

“Ano da Bíblia”

“Ano da Bíblia”

 “Ano da Bíblia”

O ano 2003 foi nomeado o “Ano da Bíblia” na Alemanha, Áustria, França e Suíça. O diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung declarou: “Como se deu em 1992 — primeira e única vez em que se dedicou um ano para a Bíblia —, o objetivo [das Igrejas] é conscientizar as pessoas da importância desse ‘livro da vida’ e destacar o valor cultural das Escrituras Sagradas.”

Segundo a Bibelreport de junho de 2002, a Bíblia já foi traduzida, completa ou parcialmente, em 2.287 idiomas. Até o momento, calcula-se também que tenham sido distribuídos cerca de cinco bilhões de Bíblias. Esses esforços maciços são evidência clara da alta estima que as pessoas têm pela Bíblia.

Hoje, grande parte das pessoas pode não estar convencida da praticidade da Bíblia. Encaram os padrões bíblicos como antiquados, não condizendo com a realidade atual. Com o Ano da Bíblia, as Igrejas na Alemanha esperam conseguir duas coisas: encorajar as pessoas a seguir mais de perto as normas bíblicas e criar interesse pela Bíblia entre os que se afastaram da Igreja.

Não é fácil ler a Bíblia do começo ao fim, mas certamente é uma boa maneira de se ter noção dos pontos principais das Escrituras. Por outro lado, a pessoa que deseja tirar o máximo proveito da Bíblia deve ter em mente a declaração em 2 Timóteo 3:16, 17: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente competente, completamente equipado para toda boa obra.”

O poeta alemão Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) disse: “Estou convencido de que, quanto mais se entende a Bíblia, mais bela ela se torna.” É verdade. Somente na Palavra de Deus encontramos explicação sólida sobre de onde viemos, por que estamos aqui e o que o futuro nos reserva. — Isaías 46:9, 10.

[Crédito da foto na página 31]

Do livro Bildersaal deutscher Geschichte