Pular para conteúdo

Pular para sumário

Como livrar-se da agressividade?

Como livrar-se da agressividade?

 Como livrar-se da agressividade?

‘Ser agressivo é um comportamento aprendido, e tudo o que foi aprendido pode ser desaprendido.’ — Dra. C. Sally Murphy.

TANTO o indivíduo agressivo como sua vítima precisam de ajuda. O agressivo precisa aprender a relacionar-se com outros sem abuso de força ou de poder. E a vítima precisa de alguns artifícios práticos para lidar com o problema.

Em muitos casos, o agressivo não sabe se relacionar com outros, nem entende os sentimentos daqueles a quem intimida. Ele precisa ser monitorado e ensinado a comunicar-se corretamente. O livro Take Action Against Bullying (Tome Medidas contra a Intimidação) diz: “A menos que se aprenda e se adote novos comportamentos, os indivíduos agressivos continuam a agredir durante a vida inteira. Agridem o cônjuge, os filhos e, possivelmente, seus subordinados no trabalho.”

Como combater a agressividade

Ensinar os filhos desde pequenos a mostrar empatia pode impedir que se tornem agressivos. Em alguns países, educadores estão trabalhando com um novo estilo de educação chamado de aprendizado de empatia. O objetivo é ensinar os alunos, mesmo que só tenham 5 anos de idade, a entender os sentimentos dos outros e a tratar as pessoas com bondade. Embora ainda sejam poucos os dados estatísticos sobre  o impacto a longo prazo, os primeiros resultados indicam que aqueles que receberam o treinamento são menos agressivos do que os que não receberam.

Como pai, ou mãe, você não deve deixar esse treinamento inteiramente a cargo de algum programa escolar. Se não deseja que seu filho se torne agressivo é preciso ensiná-lo, por meio de palavras e de exemplo, a tratar os outros com respeito e dignidade. O que pode ser de ajuda? Provavelmente, você tem à disposição uma excelente, porém subestimada fonte de treinamento — a Palavra de Deus, a Bíblia. Como ela pode ajudar?

Por um lado, ela mostra claramente o que Deus acha da agressividade. Ele a condena! A Bíblia diz a Seu respeito: “Sua alma certamente odeia a quem ama a violência.” (Salmo 11:5) E Deus não fecha os olhos ao que acontece. A Bíblia registra Seus sentimentos de lamento, ou tristeza, com relação ao sofrimento dos israelitas “por causa dos seus opressores e dos que os empurravam”. (Juízes 2:18) Em muitas ocasiões, Deus puniu os que abusavam do poder e agrediam os fracos e indefesos. — Êxodo 22:22-24.

Além disso, a Bíblia contém o que talvez seja a mais famosa instrução já dada a respeito de como mostrar empatia. Jesus disse: “Todas as coisas, portanto, que quereis que os homens vos façam, vós também tendes de fazer do mesmo modo a eles.” (Mateus 7:12) Ensinar os filhos a aceitar essa Regra Áurea — amá-la e viver de acordo com ela — não é fácil; exige bom exemplo, persistência e trabalho árduo, especialmente porque as criancinhas são por natureza egocêntricas. Mas vale a pena o esforço. Se os seus filhos aprenderem a ser bondosos e solidários, acharão repulsiva a idéia de agredir os outros.

Ajuda para as vítimas

As vítimas da agressividade, em especial os jovens, enfrentam um desafio difícil — manter o equilíbrio sob pressão. Quando você é intimidado ou agredido, o agressor provavelmente anseia que você perca o equilíbrio emocional. Ele espera que você fique furioso ou aterrorizado. Se você explodir de raiva, chorar ou expressar mágoa ou medo, o agressor terá conseguido seu intento. De modo que ele tentará provocar repetidas vezes a mesma reação.

O que você poderá fazer? Veja as seguintes sugestões, escritas primariamente para os jovens, mas cujos princípios se aplicam também a adultos que enfrentam indivíduos agressivos.

Mantenha-se calmo; não se enfureça. A Bíblia aconselha sabiamente: “Larga a ira e abandona o furor.” (Salmo 37:8) Se você se  descontrolar, estará fazendo o jogo do agressor e provavelmente fará coisas que depois vai lamentar. — Provérbios 25:28.

Procure tirar da mente idéias de desforra. A vingança muitas vezes sai pela culatra. Seja como for, a desforra não é realmente satisfatória. Certa moça que aos 16 anos de idade foi espancada por cinco moças, se recorda: “Eu decidi no meu íntimo: ‘Vou me vingar delas.’ Pedi ajuda a umas amigas e me vinguei de duas das agressoras.” O resultado? “Fiquei com um sentimento de vazio”, diz ela. E sua própria conduta piorou depois disso. Lembre-se das sábias palavras da Bíblia: “Não retribuais a ninguém mal por mal.” — Romanos 12:17.

Quando os ânimos parecem se acirrar, afaste-se rapidamente. A Bíblia diz: “Retira-te antes de estourar a altercação.” (Provérbios 17:14) Via de regra, mantenha-se longe de agressores em potencial. Diz Provérbios 22:3: “Argucioso é aquele que tem visto a calamidade e passa a esconder-se, mas os inexperientes passaram adiante e terão de sofrer a penalidade.”

Se as intimidações ou os maus-tratos persistirem, você talvez tenha de encarar a situação. Escolha um momento em que você esteja tranqüilo, olhe o indivíduo nos olhos e fale de modo firme e calmo. Diga a ele que você não gosta do que ele faz — que não é divertido e que magoa. Não recorra a insultos ou desafios. — Provérbios 15:1.

Fale a respeito das intimidações ou agressões com um adulto responsável e prestimoso. Seja específico  a respeito do problema e peça ajuda para lidar com ele. Faça o mesmo nas suas orações a Deus, e isso pode ser uma fonte maravilhosa de ajuda e consolo. — 1 Tessalonicenses 5:17.

Lembre-se de que você tem valor como pessoa. O agressor talvez queira que você pense que você não vale nada, que merece ser maltratado. Mas ele não é seu juiz. Seu juiz é Deus, e ele procura o que há de bom em cada um de nós. O agressor é quem perde valor, por recorrer a tal conduta.

Pais — protejam seus filhos

Os pais devem desde cedo preparar os filhos para lidar sabiamente com pessoas agressivas. Podem, por exemplo, fazer breves encenações com os filhos para demonstrar como projetar um senso de confiança.

Até mesmo a postura física — aprumada — pode enviar uma mensagem sutil que dissuade alguns agressores. O contato olho-no-olho, mãos e braços descontraídos e falar de modo firme e seguro também podem ser de ajuda. Exorta-se aos pais que ensinem seus filhos a se afastarem dos agressores, a evitá-los e a pedirem ajuda a um adulto de confiança, como um professor.

Eliminar o comportamento agressivo começa com a educação da família. Os pais que se colocam à disposição dos filhos, que ouvem com paciência e empatia suas ansiedades, instilam neles o sentimento de que são desejados, apoiados e amados. Muitos profissionais no campo da educação de filhos e de problemas com colegas exortam os pais a criar nos filhos um conceito positivo sobre si mesmos. Tal conceito sadio reduz seu atrativo como alvos aos olhos de agressores.

No entanto, não é mera questão de falar. Todo membro da família deve aprender a tratar os outros com respeito e dignidade e a cultivar empatia. Portanto, não tolere nenhuma agressividade na sua casa. Faça de seu lar um porto seguro, onde prevaleçam o respeito e o amor.

O fim da agressividade

“Homem tem dominado homem para seu prejuízo.” (Eclesiastes 8:9) É assim que a Bíblia resume a história humana. De fato, a agressividade aflige a humanidade há milhares de anos. Um escritor bíblico disse: “Eu mesmo retornei, a fim de ver todos os atos de opressão que se praticam debaixo do sol, e eis as lágrimas dos oprimidos, mas eles não tinham consolador; e do lado dos seus opressores havia poder, de modo que não tinham consolador.” — Eclesiastes 4:1.

Deus, porém, com certeza observa toda agressividade que acontece no mundo e se compadece dos oprimidos. Mas fará algo a respeito? Sim! Veja esta promessa, em Miquéias 4:4: “Realmente sentar-se-ão, cada um debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os faça tremer; porque a própria boca de Jeová dos exércitos falou isso.”

Imagine como será o mundo quando essa promessa se cumprir. Não haverá ninguém para fazer os outros tremerem de medo — nenhuma pessoa agressiva! Não é uma excelente perspectiva? Mas Deus tem feito mais do que prometer tal futuro. Já funciona no mundo inteiro um programa de educação bíblica altamente eficaz. Está colhendo bons resultados. Seus participantes aprendem a mudar seus traços de personalidade mais agressivos, a viver em paz com os outros e a tratá-los com respeito e dignidade. (Efésios 4:22-24) Muito em breve os efeitos dessa instrução superlativa se farão sentir em toda a Terra, acabando com o problema da agressividade. As promessas de Deus, registradas na Bíblia, serão uma realidade. Todos os viventes desfrutarão de um mundo livre de pessoas agressivas.

[Foto na página 8]

Não é vergonhoso afastar-se de uma pessoa agressiva

[Foto na página 9]

Num ambiente familiar sadio, as crianças aprendem a lidar com todos os tipos de agressividade

[Fotos na página 10]

Ensine seus filhos a falar em defesa própria de modo firme, porém respeitoso