Pular para conteúdo

Pular para sumário

“O tambor de mil faces”

“O tambor de mil faces”

 “O tambor de mil faces”

DO REDATOR DE DESPERTAI! NO SENEGAL

“ELE BRAME, chia, chora e estrepita. Ele sibila e estridula . . . É o tambor com escala infinita, o tambor de mil faces”, escreveu uma pessoa com muita imaginação ao descrever os sons do djembe, tambor africano de percussão manual.

Em algumas tribos da África Ocidental, o djembe exerce um papel fundamental na tradição do batuque. Geralmente, são batucadas específicas para cada evento cultural da tribo desde casamentos, serviços fúnebres e nascimentos até festividades, colheitas e mesmo para celebrar a compra de roupa nova.

Existem djembes em diversos formatos e tamanhos. Países como Burkina Fasso, Guiné, Mali e Senegal têm modelos exclusivos desse tambor. Para fabricar o instrumento, usa-se um tronco maciço que é vazado e entalhado para formar o corpo do tambor. Alguns djembes são simples, mas outros são ricamente entalhados.

Uma vez pronto o corpo do tambor, o próximo passo é transformá-lo em um instrumento original. O artesão cinzela, desbasta e lixa a madeira deixando-o na medida exata para produzir o som desejado. Às vezes ele aplica azeite de dendê na parte interna do tambor levando-o em seguida para secar ao sol. Isso ajuda a preservar a madeira.

A membrana do tambor é de couro de cabra. Ela é presa a um anel metálico colocado na parte de cima do tambor. Para fixá-la, usam-se cordas entrelaçadas e presas a dois outros anéis metálicos. Mas até que ponto o artesão retesa as cordas? Tudo depende do som que ele quer produzir. À medida que afina o tambor, ele verifica o resultado tocando sua batucada favorita.

Tanto os africanos como os turistas vibram com o ritmo do djembe. Depois que a pessoa assiste a uma batucada improvisada por músicos experientes, nunca mais se esquece do “tambor de mil faces”.