Pular para conteúdo

Pular para sumário

O que há de mais em colar?

O que há de mais em colar?

 Os Jovens Perguntam . . .

O que há de mais em colar?

“Todo mundo sabe que é errado colar, mas é tão fácil!” — Jimmy, 17 anos.

AO FAZER um exame, já se sentiu tentado a dar uma olhadinha na prova de algum colega? Em caso afirmativo, você não é o único. Jenna, que está na última série do ensino médio, diz que muitos de seus colegas colam com a maior naturalidade. “E ainda ficam se gabando de como conseguem fazer isso”, diz. “O anormal é não colar!”

Numa pesquisa americana, 80% dos adolescentes considerados os melhores alunos da classe admitiram colar, e 95% deles nunca foram apanhados. Depois de conduzir um estudo com mais de 20 mil alunos do ensino fundamental e médio, o Instituto de Ética Josephson concluiu: “Em termos de honestidade e integridade, as coisas estão indo de mal a pior.” Os educadores estão alarmados com essa tendência. “Os que não colam são a minoria”, disse Gary J. Niels, diretor de uma escola.

A maioria dos pais espera que os filhos sejam alunos exemplares. Mas, infelizmente, quando se trata de colar, muitos jovens não estão nem aí para a honestidade. Vejamos que novos métodos eles estão usando, o que os leva a colar e, o mais importante, por que você deve evitar seguir esse exemplo.

Métodos sofisticados

Hoje em dia, empregam-se os mais diversos artifícios de cola. Trazer uma cola ou a lista de respostas não é nada em comparação com os atuais métodos sofisticados. Estes incluem o uso de pagers para consultar alguém que está em outro lugar; calculadoras pré-programadas com informações “extras”; microcâmeras escondidas na roupa para enviar perguntas a alguém em outro lugar; aparelhos para transmitir mensagens infravermelhas a colegas de classe que sentam perto; e até sites da internet que trazem o gabarito de respostas de provas de praticamente qualquer matéria.

Os educadores estão tentando reverter essa tendência alarmante, mas não é fácil. Para começar, não há consenso entre alunos — nem entre professores — sobre o que se entende por colar. Quando os alunos fazem um trabalho em grupo, por exemplo, nem sempre é fácil traçar uma linha demarcatória entre colaboração e conluio. E há os que deixam que outros façam todo o trabalho. “Alguns são  muito folgados — não fazem absolutamente nada!”, diz Yuji, que está fazendo faculdade. “E tiram a mesma nota que a gente. Pra mim, isso equivale a colar!”

Por que eles colam?

Certo estudo mostrou que muitos colam porque não estão preparados para a prova. Outros, pressionados pelo clima de competição na escola ou pelas expectativas elevadas dos pais, acham que não têm escolha. “Meus pais só se importam com notas”, diz Sam, de 13 anos. “Eles me perguntam: ‘Quanto você tirou em matemática? Quanto tirou na prova de inglês?’ Eu odeio essas cobranças!”

Alguns colam devido à constante pressão para tirar boas notas. O livro The Private Life of the American Teenager (A Vida Particular do Adolescente Americano) diz: “Algo está errado num sistema em que a pressão é tão intensa que tirar notas boas — mesmo que de forma desonesta — é mais importante do que a satisfação de aprender.” Muitos estudantes concordam com isso. Afinal de contas, ninguém quer ir mal numa prova, muito menos ser reprovado. “Alguns morrem de medo de não passar”, diz Jimmy, aluno do ensino médio. “Mesmo que saibam a resposta, eles colam, só para garantir.”

Visto que colar é uma prática tão comum, a pessoa talvez ache que não há nada de mais nisso. E às vezes parece que quem cola leva vantagem. “Ontem vi um colega de classe colando na prova”, diz Greg, de 17 anos. “Hoje, quando recebemos a prova, ele tirou uma nota melhor do que a minha.” Muitos acabam sendo influenciados porque um grande número de colegas cola. “Alguns acham que ‘têm de colar para não ficar para trás’”, diz Yuji. Mas trata-se de um conceito correto?

Não engane a si mesmo

Compare colar com roubar. Será que o fato de muitos roubarem torna essa prática aceitável? ‘É claro que não’, talvez diga, principalmente quando se trata do seu dinheiro. A pessoa que cola recebe o crédito por algo que não merece, e isso muitas vezes à custa de quem age honestamente. (Efésios 4:28) “Não acho certo”, diz Tommy, que terminou o ensino médio recentemente. “A pessoa está dizendo que sabe uma matéria quando na verdade não sabe. Isso é o mesmo que mentir.” O conceito da Bíblia sobre esse assunto é apresentado de forma clara em Colossenses 3:9: “Não estejais mentindo uns aos outros.”

Colar pode se tornar como um vício difícil de largar. “Quem cola sabe que não precisa estudar para passar”, diz Jenna, “porque confia na cola. E quando não tem como colar, se dá mal”.

O princípio registrado em Gálatas 6:7 é algo que faz refletir: “O que o homem semear, isso também ceifará.” Quem cola pode acabar ficando com a consciência pesada, perder a confiança dos amigos e não progredir nos estudos, porque se esquiva do processo de aprendizagem. Como um tumor maligno, esse costume de enganar a si mesmo pode se espalhar para outras áreas da vida e afetar os relacionamentos que você mais preza. Com certeza, afetará sua relação com Deus, que não se agrada da desonestidade. — Provérbios 11:1.

A pessoa que cola está enganando a si mesma. (Provérbios 12:19) Ela age como os governantes corruptos da Jerusalém antiga: “Fizemos da mentira o nosso refúgio e nos escondemos na falsidade.” (Isaías 28:15) Mas a  verdade é que quem cola não pode esconder suas ações de Deus. — Hebreus 4:13.

Não cole!

É comum os jovens investirem bastante esforço e criatividade em colar — que seriam melhor empregados no empenho de melhorar nos estudos. Abby, de 18 anos, diz: “Se eles se esforçassem tanto em aprender quanto em colar, é bem provável que tirariam notas boas.”

Não há dúvida de que a tentação de colar pode ser grande. Evite cair nessa armadilha! (Provérbios 2:10-15) Como? Em primeiro lugar, lembre-se de que você está na escola para aprender. É verdade que talvez não veja nenhum benefício em acumular fatos que talvez nunca use. Mas se você se esquivar do processo de aprendizagem recorrendo à cola, isso prejudicará sua habilidade de aprender coisas novas e de fazer uso prático das informações assimiladas. O conhecimento nunca vem automaticamente; é algo que exige esforço. A Bíblia diz: “Compra a própria verdade e não a vendas — sabedoria, e disciplina, e compreensão.” (Provérbios 23:23) O fato é que você precisa levar a sério o estudo e a preparação. “Você tem de se esforçar”, recomenda Jimmy. “Isso vai lhe dar confiança e tranqüilidade na hora da prova.”

É verdade que às vezes você pode tirar uma nota mais baixa porque não sabe todas as respostas. Mesmo assim, se você se apegar aos seus princípios, saberá onde precisa melhorar. — Provérbios 21:5.

Yuji é Testemunha de Jeová e não se deixa pressionar pelos colegas que querem colar dele. “Primeira coisa: digo a eles que sou Testemunha de Jeová”, explica ele. “Isso ajuda muito, porque eles sabem que as Testemunhas de Jeová são pessoas honestas. Se alguém pede para deixar colar durante uma prova, simplesmente digo que não. Depois eu explico por quê.”

Yuji concorda com a declaração do apóstolo Paulo em Hebreus: “Queremos comportar-nos honestamente em todas as coisas.” (Hebreus 13:18) A nota só tem valor real quando você se apega aos padrões de honestidade e não cola. Nesse caso, você traz para casa o melhor presente para os seus pais — um registro de integridade cristã. (3 João 4) Além do mais, você mantém uma consciência limpa e sente a alegria de saber que está alegrando a Jeová Deus. — Provérbios 27:11.

Assim sendo, evite colar, não importa que a maioria o faça. Deste modo, conservará uma boa relação com outros e, mais importante, com Jeová, o Deus da verdade. — Salmo 11:7; 31:5.

[Destaque na página 14]

Quem cola com freqüência não se dá conta de que na verdade está roubando

[Destaque na página 14]

A pessoa que cola pode acabar cometendo outros atos mais graves de desonestidade

[Destaque na página 15]

Quem cola não pode esconder suas ações de Deus

[Foto na página 15]

Estudar antes da prova lhe dará confiança