Pular para conteúdo

Pular para sumário

O mistério das marés de Euripo

O mistério das marés de Euripo

 O mistério das marés de Euripo

DO REDATOR DE DESPERTAI! NA GRÉCIA

NO LADO oriental da Grécia, próximo à cidade de Cálcis, um apertado estreito separa o continente da ilha de Eubéia. É o canal de Euripo, com 8 quilômetros de extensão, e largura que varia entre cerca de 1,5 quilômetro a apenas 40 metros. No seu ponto mais raso, tem apenas 6 metros de profundidade. O nome Euripo, que significa “corrente rápida”, descreve muito bem o fluxo às vezes bem agitado das águas no canal, que chegam a atingir quase 20 quilômetros por hora. Curiosamente, porém, há dias em que a corrente parece ir e voltar, chegando a parar por completo! Muitos turistas em Cálcis vão até a pequena ponte sobre o canal para observar esse intrigante fenômeno das marés.

As marés são causadas pela atração do Sol e da Lua sobre os mares e os oceanos. Assim sendo, as marés mudam de acordo com a posição da Terra em relação ao Sol e à Lua. Na época da lua nova, o Sol e a Lua ficam em conjunção, ou seja, alinhados com a Terra. Na lua cheia, eles ficam em lados opostos, com a Terra no meio. Em ambos os casos, a atração do Sol somada à da Lua produz as marés mais altas.

No canal de Euripo ocorrem em geral duas marés altas e duas baixas, aproximadamente a cada 24 horas. A corrente flui numa direção por 6 horas e 13 minutos, dá uma paradinha e depois flui em sentido contrário. Esse padrão regular se repete por 23 ou 24 dias do mês lunar. No entanto, nos últimos quatro ou cinco dias do mês, ocorre um fenômeno estranho. Há dias em que a corrente só se move em uma direção, ao passo que, em outros, ela talvez mude de direção até 14 vezes!

Explicações sugeridas

O fenômeno de Euripo tem intrigado observadores por milhares de anos. A tradição popular diz que Aristóteles (que viveu no quarto século AEC) se jogou no canal e se afogou, desesperado por não conseguir resolver o enigma das marés. A verdade é que ele não se afogou, mas aventou uma explicação  sobre as marés. Na sua obra Meteorologica, escreveu: “Pelo visto, o mar flui pelo estreito devido ao terreno circundante. A oscilação da terra é que faz com que a corrente flua de um corpo de água menor para outro maior.” Aristóteles presumiu erroneamente que o próprio chão oscilava devido às ondas do mar e aos tremores de terra comuns na região. Cerca de um século depois, o astrônomo grego Erastóstenes reconheceu que “em cada lado [do canal], o mar tem níveis diferentes”. Ele achava que as correntes eram causadas pela diferença de nível nas duas margens do estreito.

Mesmo hoje, não se entende plenamente a irregularidade das marés de Euripo. Mas parece não haver dúvida de que a corrente regular é causada por uma diferença no nível de água nas duas extremidades do canal. Isso faz com que a água flua do ponto mais alto para o mais baixo. A diferença pode ser de até 40 centímetros, e é observável da ponte em Cálcis.

Por que a diferença?

Qual a explicação da diferença no nível de água? A corrente marítima procedente do lado oriental do Mediterrâneo se divide em duas ao atingir a ilha de Eubéia. A ramificação ocidental flui para a extremidade sul do canal, ao passo que a oriental contorna a ilha antes de entrar no canal pelo norte. Essa rota mais longa retarda a chegada da corrente oriental a Euripo por cerca de uma hora e quinze minutos. Desse modo, o nível do mar e a conseqüente pressão da água em uma extremidade do canal pode ser muito maior do que na outra. Essa pressão adicional aumenta a força das correntes marítimas regulares que fluem por Euripo.

Mas e as correntes irregulares? Na lua nova e na minguante, a gravidade do Sol, em vez de se somar à atração exercida pela Lua, atua em sentido contrário. Enquanto a Lua produz uma maré baixa, a atração do Sol atua no sentido de produzir um efeito contrário. O resultado é que nessa época a diferença entre os níveis de água nas extremidades norte e sul do canal é menor. Conseqüentemente, a força da corrente também é menor. Às vezes, quando está ventando, a corrente perde toda a força, chegando a parar.

É claro que esta é apenas uma explicação básica, havendo muitos outros fatores envolvidos nesse fenômeno intrigante. Se você um dia visitar a Grécia, venha até Eubéia observar esse fascinante fenômeno das marés de Euripo!

[Mapas nas páginas 12, 13]

(Para o texto formatado, veja a publicação)

MAR MEDITERRÂNEO

MAR EGEU

EUBÉIA

Cálcis

Estreito de Euripo

GRÉCIA

ATENAS

[Crédito]

Mountain High Maps® Copyright © 1997 Digital Wisdom, Inc.

[Foto na página 13]

Foto aérea do estreito de Euripo