Pular para conteúdo

Pular para sumário

Dê mais vida à sua casa

Dê mais vida à sua casa

 Dê mais vida à sua casa

UMA pintura nova na casa tem um efeito muito agradável. Se um ambiente está com cara de antigo e desbotado, umas pinceladas de cor podem fazer toda a diferença. Gostaria de renovar um ou dois cômodos de sua casa? Se você não tem nenhuma experiência de pintura, poderá descobrir que é mais fácil do que imagina!

Fernando, sua esposa Dilma e Vanessa, a filha de oito anos do casal, resolveram pintar algumas áreas de sua casa. Vamos observá-los e aprender como se faz o serviço. Mas antes de colocarmos as roupas de trabalho, é preciso ter certa noção de cores.

Como escolher as cores

É muito importante saber escolher as cores. Elas não servem só para embelezar um ambiente; influem até no seu humor.  As cores vivas e brilhantes são mais alegres, ao passo que os tons pastel, foscos, conferem uma sensação de tranqüilidade. A mesma cor pode escurecer um ambiente interno e parecer mais clara numa área externa. Fernando e Dilma escolheram amarelo-acácia e branco-fosco. Mais tarde veremos o que exatamente pretendem pintar.

Observe o círculo das cores acima. As cores opostas são chamadas de complementares. Elas parecem mais intensas quando colocadas lado a lado. Se você quer um padrão de cores mais conservador e não arrojado, escolha vários tons de uma mesma cor. É o que chamamos de padrão monocromático.

Mas antes de iniciarem o trabalho, os nossos amigos têm algumas perguntas. Fernando gostaria de saber que tipos de tinta vão precisar e Vanessa quer saber como as tintas são fabricadas. Assim sendo, parece ser uma boa idéia visitar uma fábrica de tintas da localidade e ver o que podemos descobrir.

Como se fabricam tintas

Gerard, o dono da fábrica, concordou em ser o nosso guia. Uma das primeiras coisas que vemos ao entrar na fábrica de tintas é um enorme misturador batendo uma pasta num recipiente com capacidade para 800 litros. Devido ao barulho das máquinas, Gerard fala bem alto: “Fazer tinta é como fazer um bolo — todos os ingredientes precisam ser pesados e misturados.”

“E qual é a receita para fazer tinta?”, perguntamos.

“Usamos quatro ingredientes básicos”, explica. “Pigmentos, veículo, líquidos e aditivos especiais. O pigmento base usado na ‘batelada’ que vocês estão vendo no misturador é o dióxido de titânio. Este pigmento branco é tirado do solo e é usado atualmente no lugar do chumbo.” A mistura parece farinha usada para fazer bolo.

Gerard continua: “A mistura é batida com uma pequena quantidade de veículo (no caso, resina acrílica) até se transformar numa pasta bem fina. Quando o fabricante fica satisfeito com a consistência, ele acrescenta a resina restante, depois líquidos como água ou espírito mineral e por fim quaisquer aditivos especiais.”

Queremos saber que tipo de tinta devemos usar para pintar a casa. O guia explica: “Há dois tipos básicos de tinta para residências. As tintas à base de óleo (que tem como veículo o óleo de linhaça ou óleo de soja modificado) e tintas à base de água (em que se empregam resinas de vinil ou de acrílico como veículo). As tintas à base de óleo são bem resistentes, de modo que são apropriadas para áreas que sofrem mais desgaste, como portas e batentes. Mas essas tintas também tendem a amarelar e a descascar com o tempo. Por outro lado, quando se usam tintas de vinil e acrílicas de boa qualidade, a cor dura por mais tempo e o cheiro não é tão forte. Também, tintas de exterior que são 100% acrílicas resistem muito melhor às típicas temperaturas de um escaldante verão australiano ou de um rigoroso inverno canadense.”

Esperamos nos lembrar do que Gerard nos ensinou. Mas ele ainda tem algumas recomendações: “Há quatro níveis básicos de brilho nos dois tipos de tinta: brilhante, acetinado, semibrilho e fosco. O brilhante é ideal para as áreas que sofrem mais  desgaste. O acetinado é indicado para banheiros e corredores. O semibrilho é apropriado para salas de estar e outros cômodos e o fosco é o mais prático para tetos.” Agradecemos a Gerard pelos esclarecimentos e voltamos para casa para fazer a parte mais difícil do nosso trabalho — a preparação da superfície a ser pintada.

A preparação cabal é essencial

Uma pintura bonita e durável depende em grande parte do preparo da superfície a ser pintada. Então, está na hora de arregaçar as mangas e se preparar para um trabalho duro. Talvez aprendamos mais algumas dicas. Fernando pretende pintar a sala de jantar e a cerca da frente. Vamos começar primeiro pelo interior.

Depois de retirar os móveis, forramos o chão com lençóis velhos. Primeiro, precisamos raspar a pintura velha, que está descascando dos batentes da janela e da porta, e do teto. Vamos ajudar Fernando. Note que ele coloca a escada numa superfície plana do piso. E ele cuida para não ficar em pé no último degrau da escada, pois correria o risco de sofrer uma queda. O reboco das paredes está em excelente estado, mas precisa ser lavado com água e detergente antes de receber a pintura.

A seguir usamos um raspador para limpar fissuras, que precisarão ser restauradas. Usaremos o vedante acrílico nas fissuras em torno da janela e do rodapé porque esse produto, devido a sua permanente elasticidade, acompanha a dilatação dos materiais. Mais tarde, enquanto Vanessa estiver lavando as ferramentas usadas, os demais de nós lixaremos vigorosamente a superfície dos madeiramentos e das paredes, usando uma lixa de papel meia fina. Isso serve para remover eventuais bolhas e também para tornar a superfície mais áspera a fim de que as demãos de tinta da nova pintura possam ter mais aderência.

Para que servem essas máscaras engraçadas? Como medida de segurança, a fim de que a poeira da tinta e do reboco não irrite a garganta. Os óculos de segurança podem não ser bonitos, mas quando fazemos serviços no alto, eles protegem os olhos dos detritos que caem. A remoção de tintas à base de chumbo exige  cuidado especial. (Veja o quadro “A ameaça do chumbo”, nesta página.)

Finalmente, tiramos a poeira de toda a superfície com uma vassoura de pêlo. Antes de começar a pintura propriamente dita, é preciso aplicar um fundo sobre a madeira lixada e sobre manchas no reboco. Isso impede que as últimas demãos de tinta, ao serem aplicadas, escorram para as manchas causadas pelo lixamento ou pela pintura anterior, proporcionando um acabamento mais uniforme à superfície. Feito isso, a sala de jantar está pronta e preparada para receber a pintura.

Notamos que a cerca é de madeira crua. Depois de fazer uma boa limpeza, precisaremos passar um anticorrosivo apropriado em todas as cabeças de prego. Isso vai impedir que a pintura depois fique manchada com pontos de ferrugem. Visto que a cerca ficará exposta às intempéries, aplicaremos duas ou três demãos de tinta acrílica para cercas.

Bem, já chega por um dia. Tendo terminado todos os preparativos, amanhã vamos começar a pintar.

A hora dos pincéis

Hoje vamos ver os resultados do árduo trabalho preparatório de ontem. Primeiro, é preciso mexer bem a tinta. Já a diluímos com um pouquinho de água (uns 5% do volume) para facilitar a aplicação. Mas precisamos ter bastante cuidado para não colocar muita água. A tinta, quando muito diluída, pode não cobrir a cor anterior da parede. Para as beiradas das paredes e o teto, planejamos usar um pincel grosso. Depois usaremos rolos para pintar superfícies grandes, agilizando o trabalho. *

É preciso lembrar de remover o excesso de tinta do pincel em apenas um lado da lata de tinta e descansar o cabo do lado limpo para que o cabo do pincel e as mãos não fiquem cobertos de tinta. Finalmente, precisamos aplicar a seguinte regra: “Trabalhar de cima para baixo.” Isso significa que primeiro terminaremos de pintar o teto, antes de passar para as paredes. Daí, tudo o que precisamos fazer é limpar quaisquer manchas de tinta nos batentes com um pano úmido e pintá-los com a tinta brilhante à base de óleo que tenhamos escolhido. Bom trabalho, pessoal! As paredes amarelo-claras e os batentes branco-foscos ficaram lindos.

Agora vamos pintar a cerca. Usaremos um pincel grande para aplicar a tinta à base de água nas estacas. É necessário aplicar três demãos, com um intervalo de uma hora ou mais entre uma demão e outra para que sequem bem. Assim, esperamos terminar o serviço ao anoitecer. Então, mãos à obra!

Primeiro, molhamos as cerdas dos pincéis e sacudimos o excesso de água. Isso faz com que o pincel absorva melhor a tinta e impede que a tinta seque no pincel. Molhamos bem o pincel na tinta e damos pinceladas fortes e compridas. Em vez de dar pinceladas leves, procuramos fazer com que a tinta penetre na madeira.

Que maravilha! Terminamos de aplicar a terceira demão bem na hora do pôr-do-sol. A cerca parece novinha em folha! Examinamos o nosso trabalho. Valeram a pena os dois dias de trabalho árduo. Que mudança! Dá uma sensação muito boa ver a casa com mais vida!

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 24 Muitos usam fita crepe para delinear batentes de portas e janelas e outros cantos e arestas.

[Quadro/Foto na página 26]

Como contornar problemas comuns

MOFO: Lave a superfície com uma solução preparada com uma parte de alvejante misturada com quatro partes de água. Use luvas e óculos de segurança. Aplique uma boa tinta acrílica, visto que o mofo cresce com mais facilidade sobre tintas à base de óleo. Se disponível, use um aditivo com fungicida.

MANCHAS DE ÁGUA E DE OUTRAS ORIGENS: Conserte vazamentos ou elimine a causa das manchas. Lave a superfície com detergente e água. Aplique um produto antimanchas ou shellac (goma-laca), depois uma base de fundo.

SUPERFÍCIES COM MUITA POEIRA: Limpe bem toda a poeira da superfície. Aplique uma camada de selador de secagem lenta. Os produtos à base de óleo tendem a impregnar-se melhor do que os seladores à base de água.

[Quadro na página 27]

A ameaça do chumbo

A Agência de Proteção Ambiental da Austrália dá os seguintes alertas no seu folheto Lead Alert—Painting Your Home? (Vai Pintar a Casa? Cuidado com o Chumbo!):

▪ Mesmo níveis relativamente baixos de chumbo na corrente sanguínea podem prejudicar o desenvolvimento intelectual e o comportamento de crianças pequenas.

▪ Crianças com menos de cinco anos correm maior risco, visto que o sistema nervoso ainda está em estágio de desenvolvimento. Crianças pequenas absorvem até 50% do chumbo que entra no organismo, ao passo que os adultos absorvem cerca de 10%.

▪ Se uma criança comer uma lasca de tinta (do tamanho da unha do polegar) que contém chumbo, o nível desse metal no sangue permanecerá elevado por várias semanas.

[Foto na página 25]

Círculo das cores

[Foto na página 25]

“Cozinha” de um fabricante de tintas

[Foto na página 26]

Para a sua proteção, use equipamentos de segurança