Pular para conteúdo

Pular para sumário

Qual é o conceito cristão sobre o feng shui?

Qual é o conceito cristão sobre o feng shui?

 O Conceito da Bíblia

Qual é o conceito cristão sobre o feng shui?

NA ÁSIA, ele é usado ao se escolher o lugar das sepulturas. Prédios são construídos e decorados segundo seus princípios. Vendem-se e compram-se propriedades com base nele. Em chinês, é conhecido como feng shui, uma forma de geomancia ou augúrio. Na Ásia, o feng shui é conhecido há séculos, mas em anos recentes começou a se popularizar no Ocidente. Alguns arquitetos o usam para projetar arranha-céus, escritórios e casas. Donas-de-casa usam-no para decorar a casa. Dezenas de livros e sites na Internet o promovem e o ensinam.

Por que é cada vez mais popular? Segundo um de seus defensores, o feng shui pode trazer “vida melhor, saúde, casamentos ou parcerias melhores, mais riqueza e paz mental pessoal”. Tudo isso parece muito atraente. Mas exatamente o que é essa prática e como os cristãos devem encará-la?

O que é?

As palavras chinesas feng shui significam literalmente “vento—água”. As origens dessa prática remontam a milhares de anos, quando se desenvolveram muitas das filosofias orientais. Entre essas, estava a crença no chamado equilíbrio entre yin e yang (escuridão e luz, quente e frio, negativo e positivo). O conceito de yin e yang foi combinado com a idéia do ch’i, que literalmente significa “ar” ou “fôlego”. O yin, o yang e o ch’i, bem como os chamados cinco elementos (madeira, terra, água, fogo e metal), são partes integrantes da teoria do feng shui. Os defensores dessa prática acreditam que poderosas linhas de energia percorrem todos os lugares. O objetivo deles é determinar os locais em que as energias, ou ch’i, da terra e do céu se encontram em equilíbrio. Consegue-se isso alterando a própria paisagem ou fazendo mudanças dentro de um prédio situado em determinado lugar. Supõe-se que esse equilíbrio traga boa sorte para os que trabalham ou vivem ali.

Em geral, os mestres de feng shui consultam uma bússola geomântica. * Trata-se de uma pequena bússola magnética colocada no meio do que é basicamente uma carta astrológica. Na bússola há círculos concêntricos atravessados por linhas. A bússola geomântica contém dados sobre constelações, estações e períodos dos ciclos solares. Durante a análise de um lugar ou prédio, fazem-se várias leituras com a bússola. O mestre de feng shui observa onde a agulha da bússola intercepta pontos nas linhas ou círculos externos e, com base nisso, determina o que é necessário para “curar” um lugar.

A topografia da região, cursos de água, encanamentos de esgoto e até a localização das janelas e portas do prédio, entre outras coisas, são levadas em conta ao decidir como deixar o lugar em equilíbrio. Por exemplo, no Canadá, a dona de uma loja pendurou um espelho na porta dos fundos do estabelecimento para “corrigir” o posicionamento das portas. O praticante de geomancia talvez recomende que se mude plantas ou mobília de lugar, que se troque uma foto, acrescentem-se sinos de vento, ou se compre um aquário para trazer equilíbrio a um prédio ou aposento.

 O conceito cristão

O interessante é que no catálogo da maioria das bibliotecas os livros sobre feng shui são incluídos na seção de astrologia e adivinhação. De fato, o dicionário Michaelis descreve a geomancia como “pretensa adivinhação por figuras e linhas, que resultam de pontos feitos ao acaso e de círculos traçados sobre a terra”. (O grifo é nosso.) Assim, muitos concordam que o feng shui e outros tipos de geomancia são formas de adivinhação. Envolvem práticas adivinhatórias e espíritas, que não são nenhuma novidade.

Quando os israelitas deixaram o Egito e por fim entraram na terra de Canaã no século 15 AEC, diversas formas de adivinhação eram muito comuns em ambos os países. Por meio de Moisés, Deus disse o que está registrado em Deuteronômio 18:14: “Estas nações que estás desapossando costumavam escutar os que praticam a magia e os que adivinham; mas, quanto a ti, Jeová, teu Deus, não te deu nada disso.” As muitas formas de adivinhação do Egito e de Canaã se originaram na Babilônia antiga. Quando Jeová confundiu a língua das pessoas em Babilônia, elas se espalharam para outros lugares, levando consigo práticas ligadas à adivinhação e ao espiritismo babilônicos. — Gênesis 11:1-9.

Repetidas vezes, Jeová Deus advertiu a Israel com firmeza que não adotasse as práticas adivinhatórias de outras nações, dizendo: “Não se deve achar em ti alguém que . . . empregue adivinhação, algum praticante de magia ou quem procure presságios, . . . Pois, todo aquele que faz tais coisas é algo detestável para Jeová, e é por causa destas coisas detestáveis que Jeová, teu Deus, as expulsa de diante de ti.” (Deuteronômio 18:9-12; Levítico 19:26, 31) Quem praticasse adivinhação deveria ser morto, sem falta. — Êxodo 22:18; Levítico 20:27.

Por que a adivinhação era condenada tão veementemente? Atos 16:16-19 fala de uma mulher que tinha “um demônio de adivinhação”. De fato, a adivinhação está intimamente ligada ao demonismo. Assim, praticar qualquer forma de adivinhação coloca a pessoa em contato com Satanás e seus demônios. Isso pode ser desastroso em sentido espiritual. — 2 Coríntios 4:4.

Alguns estilos populares de decoração e paisagismo, orientais ou ocidentais, talvez tenham sido originalmente influenciados por práticas religiosas falsas como o feng shui. Mas em muitos casos esses estilos perderam totalmente o significado religioso. Por outro lado, usar o feng shui para adivinhar o futuro ou trazer boa sorte ou saúde seria uma clara violação da lei de Deus. Iria de encontro à ordem clara da Bíblia de não tocar em nada ‘impuro’. — 2 Coríntios 6:14-18.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 7 No Ocidente, os praticantes tentaram dar ao feng shui uma aparência mais científica. Alguns até usam computadores para ajudar a analisar lugares geográficos.

[Foto na página 23]

Bússola geomântica

[Crédito]

Páginas 2 e 23: Hong Kong Tourism Board