Pular para conteúdo

Pular para sumário

O homem contra a natureza

O homem contra a natureza

 O homem contra a natureza

“Hoje, são os humanos que têm de aceitar a responsabilidade pelo aumento no índice de extinção de espécies.” — Jane Goodall, Conservacionista.

A VIDA na Terra é dinâmica e interdependente. Nós, humanos, somos parte intrínseca disso. Dependemos de outros organismos vivos para obter alimento, remédios, o oxigênio que respiramos e os elementos que compõem nosso corpo. Ao longo de um dia normal, a população humana do planeta se utiliza de mais de 40.000 outras espécies de organismos vivos. Todas as espécies da Terra formam uma cadeia biológica complexa, surpreendente e intrincada.

Contudo, muitos especialistas que estudam essa cadeia complexa chegam à conclusão de que ela está sob ataque. Talvez você já tenha ouvido falar que rinocerontes, tigres, pandas e baleias estão ameaçados de extinção. Alguns cientistas afirmam que 50% das espécies de plantas e animais podem desaparecer da Terra nos próximos 75 anos. Os pesquisadores temem que algumas espécies desapareçam 10.000 vezes mais rápido do que aquilo que os cientistas chamam de índice natural de extinção. Um especialista calcula que, em média, uma espécie desapareça a cada 10 a 20 minutos.

Os cientistas acham que, no passado distante, a extinção de espécies era desencadeada principalmente por causas naturais. Mas, dizem, a causa principal da crise atual é outra. Evidentemente, as extinções modernas são causadas pela ação humana. Um cientista se referiu aos humanos como a “espécie exterminadora”.

Será que as atividades humanas são a causa real dessa perda drástica de diversidade biológica? Em caso afirmativo, como isso se dá? Poderemos sobreviver sem a maravilhosa variedade de vida na Terra? Algo está sendo feito para frear a onda de extinções que, segundo alguns, ameaça os ecossistemas do planeta?

[Créditos das fotos na página 3]

OMS

NOAA