Pular para conteúdo

Pular para sumário

De Nossos Leitores

De Nossos Leitores

 De Nossos Leitores

Oceanos. Hoje li a série “Segredos das profundezas dos oceanos”. (22 de novembro de 2000) Sou apaixonado pela natureza, mas os abismos oceânicos eram um mundo desconhecido para mim. De fato, quanto mais se aprende sobre a Terra e suas maravilhas, mais se deve respeitar esse planeta dinâmico e seu Criador infinitamente sábio.

C. F., Itália

Obrigado por essa série fascinante. Eu não entendia por que Jeová havia criado organismos como o verme tubular, quando a grande maioria da humanidade nem sabe da existência dessas criaturas. Gostei de saber que o fato de elas existirem revela a preocupação de Jeová com a limpeza da Terra — uma preocupação digna de ser imitada.

H. S., Grã-Bretanha

Ler essa série foi como fazer uma visita ao leito oceânico e observar as maravilhas das profundezas recebendo uma explicação detalhada. A matéria me ajudou a perceber de forma mais clara as qualidades de Deus reveladas nas coisas que ele criou.

J. M. M., Zâmbia

Pais ausentes. Meu pai saiu de casa quando eu tinha 6 anos. Agora tenho 20 e nunca mais o vi. Sempre me culpava por ele ter ido embora e achava que ele não me amava. O artigo “Os Jovens Perguntam . . . Por que meu pai foi embora?” (22 de novembro de 2000) esclareceu muito bem essas questões. Agradeço muito por compreenderem como se sentem os filhos sem pai.

K. M., Japão

Faz mais de dois anos que eu e meu marido nos divorciamos. Fiz de tudo para que meu filho conversasse comigo sobre como se sentia a respeito, mas nada funcionou. Agora, pela primeira vez, meu filho admitiu que o divórcio o afetou. Foi um enorme progresso. Gradativamente, ele está se abrindo. Não tenho palavras para expressar quanto sou grata a vocês pelas muitas ajudas que dão aos jovens ao enfrentarem diversos tipos de problemas.

D. H., Estados Unidos

Exceto por uma breve declaração, o artigo dizia que o pai abandona o lar devido a um deslize na sua própria conduta. Mas parece estar havendo um crescente número de mulheres que abandonam o marido. Depois de 18 anos de casamento, minha mulher começou a ter um estilo de vida promíscuo. Tive de sair da minha própria casa. Achei que tinha de mencionar esse outro lado do problema.

L. G., Estados Unidos

Como o próprio leitor mencionou, reconhecemos que alguns pais deixam o lar devido à conduta errada da esposa. Muitos dos princípios considerados no artigo também se aplicam a essa situação. — RED.

Anestesia. No artigo “Da agonia à anestesia” (22 de novembro de 2000), vocês afirmaram que não existiam anestésicos antes da década de 1840. No Japão, Seishu Hanaoka realizava cirurgias com sucesso bem antes da década de 1840.

S. A., Japão

A classe médica de um modo geral não usava a anestesia antes da década de 1840. Mas a “Kodansha Encyclopedia of Japan” diz que Seishu Hanaoka (1760-1835) preparava um anestésico chamado “mafutsusan” misturando “seis ervas naturais”. Ele “o usou com sucesso numa cirurgia de câncer de mama em 1805, cerca de 40 anos antes de o éter ser empregado pela primeira vez no Hospital Geral de Massachusetts, em Boston”. Posteriormente, Seishu usou seu anestésico em diversas outras cirurgias. — RED.

Salvar o casamento. Após 17 anos de casamento, meu marido queria a separação. Orei a Jeová pedindo sabedoria e discernimento para lidar com tal situação, porque não queria me separar. Daí, recebi a Despertai! de 8 de janeiro de 2001, com a série “Pode salvar seu casamento?”. Ela tem sido a minha companheira desde então. Estou procurando praticar todos os conselhos apresentados na revista. Sempre que os problemas ameaçam surgir, leio-a novamente e me sinto melhor. Agradeço de coração por essas maravilhosas revistas que sempre chegam na hora certa.

H. G. P., Brasil