Pular para conteúdo

Pular para sumário

Precisamos assistir às reuniões congregacionais?

Precisamos assistir às reuniões congregacionais?

 O Conceito da Bíblia

Precisamos assistir às reuniões congregacionais?

“ANTES eu ia à igreja, mas agora não vou mais.” “Na minha opinião, pode-se adorar a Deus em qualquer lugar, não só na igreja.” “Acredito em Deus e na Bíblia, mas não acho que seja necessário ir à igreja.” Já ouviu comentários assim? Muitas pessoas se expressam desse modo, principalmente nos países ocidentais. Os que iam à igreja, hoje acham que não é mais necessário. Como a Bíblia vê essa questão?

Na versão Almeida revista e atualizada, as palavras “igreja” e “igrejas” ocorrem mais de 100 vezes. Outras traduções também usam essas palavras. A palavra grega para “igreja” significa “chamado para fora”, ou, em outras palavras, um ajuntamento de pessoas. Por exemplo, Atos 7:38, na Bíblia Sagrada (Edição Brasileira), diz que Moisés estava “na igreja no deserto”, isto é, entre a congregação da nação de Israel. As Escrituras também mencionam que “desencadeou-se uma grande perseguição contra a Igreja”, referindo-se à comunidade cristã em Jerusalém. (Atos 8:1, A Bíblia de Jerusalém) Em uma de suas cartas, Paulo cumprimenta a “Igreja que está em tua casa [de Filêmon]”, em outras palavras, a congregação que se reunia ali. — Filêmon 2, Matos Soares.

Está bem claro que a Bíblia usa a palavra “igreja” para referir-se a um grupo de adoradores e não a um local de adoração. Clemente de Alexandria, teólogo do segundo século, era dessa opinião: “Não o local, mas a congregação dos eleitos, chamo de Igreja.” Mas, voltando à questão inicial, será que os cristãos  precisam ir a um local específico para adorar a Deus de um modo que Lhe agrada?

Adoração na nação de Israel

A Lei de Moisés exigia que todos os homens judeus estivessem presentes em um local específico por ocasião de três festividades anuais. Muitas mulheres e crianças também iam. (Deuteronômio 16:16; Lucas 2:41-44) Em certas ocasiões, os sacerdotes e os levitas ensinavam o povo congregado por meio da leitura da Lei de Deus. Eles ‘forneciam esclarecimento, davam o sentido dela e tornavam a leitura compreensível’. (Neemias 8:8) No caso dos anos sabáticos, a ordem de Jeová era: “Congrega o povo, os homens e as mulheres, e os pequeninos, e teu residente forasteiro que está dentro dos teus portões, para que escutem e para que aprendam, visto que têm de temer a Jeová, vosso Deus, e cuidar em cumprir todas as palavras desta lei.” — Deuteronômio 31:12.

Quando as pessoas queriam oferecer sacrifícios a Deus e ser instruídas pelos sacerdotes, elas tinham de ir ao templo em Jerusalém. (Deuteronômio 12:5-7; 2 Crônicas 7:12) Com o tempo, foram estabelecidas outras casas de adoração em Israel — as sinagogas, onde se liam as Escrituras e se orava. Mesmo assim, o templo em Jerusalém era o principal local de adoração. Lucas, escritor da Bíblia, evidencia isso ao mencionar o caso de Ana, uma mulher de idade, que “nunca estava ausente do templo, prestando noite e dia serviço sagrado, com jejuns e súplicas”. (Lucas 2:36, 37) Prestar adoração verdadeira junto com outras pessoas dedicadas era tudo para Ana, era a sua vida. Outros judeus tementes a Deus também pensavam assim.

A adoração verdadeira após a morte de Cristo

Com a morte de Jesus, os seus seguidores não mais estavam sob a Lei mosaica, nem eram mais obrigados a prestar adoração no templo. (Gálatas 3:23-25) Mesmo assim eles se reuniam para orar e estudar a Palavra de Deus. Não havia edifícios suntuosos para isso, mas eles se congregavam em casas e em lugares públicos. (Atos 2:1, 2; 12:12; 19:9; Romanos 16:4, 5) Essas reuniões cristãs do primeiro século não tinham rituais nem pompa, mas atraíam pela simplicidade.

Os princípios bíblicos, puros, ensinados nessas reuniões brilhavam como diamantes em meio à decadência moral do Império Romano. Pessoas que assistiam a essas reuniões pela primeira vez não podiam deixar de exclamar “Deus está realmente entre vós”. (1 Coríntios 14:24, 25) Elas tinham razão. Deus realmente estava entre eles. “Portanto, as congregações [“as igrejas”, Bíblia Pastoral; BJ] continuavam deveras a ser firmadas na fé e a aumentar em número, dia a dia.” — Atos 16:5.

Se um cristão daquela época prestasse adoração em templos pagãos ou em casa, sozinho, teria a aprovação de Deus? A Bíblia é bem clara sobre este assunto. Para ter a aprovação de Deus, a pessoa tinha de pertencer à verdadeira igreja ou congregação, o “um só corpo” de adoradores genuínos. E estes eram os discípulos de Jesus, os cristãos. — Efésios 4:4, 5; Atos 11:26.

E hoje?

A Bíblia, em vez de nos animar a adorar em uma igreja, nos anima a adorar com a igreja, “a congregação do Deus vivente”, o povo que ‘adora a Deus com espírito e verdade’. (1 Timóteo 3:15; João 4:24) As reuniões religiosas, para terem a aprovação de Deus, precisam instruir as pessoas “em atos santos de conduta e em ações de devoção piedosa”. (2 Pedro 3:11) Elas devem ajudar os presentes a se tornar cristãos maduros, sabendo “distinguir tanto o certo como o errado”. — Hebreus 5:14.

As Testemunhas de Jeová se esforçam para imitar os cristãos do primeiro século. Há mais de 91.400 congregações no mundo que se reúnem regularmente em Salões do Reino, nas casas de concrentes e em outros locais para estudar a Bíblia, para encorajar e ser encorajadas. Isso está em harmonia com as palavras do apóstolo Paulo: “Consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos ao amor e a obras excelentes, não deixando de nos ajuntar.” — Hebreus 10:24, 25.