Pular para conteúdo

Pular para sumário

De Nossos Leitores

De Nossos Leitores

 De Nossos Leitores

Fibrose cística. Obrigada pelo artigo “Eu tenho fibrose cística”. (22 de outubro de 1999) Embora eu tenha apenas 17 anos e não sofra de nenhum problema grave de saúde, a história de Jimmy Garatziotis me deixou impressionada. Ajudou-me a pensar em muitas coisas, como, por exemplo, que precisamos estar contentes com o que temos. Apesar de sua doença terrível, Jimmy continua feliz e tem forte fé nas promessas de Jeová. Oro para que Jimmy e Deanne continuem a ter forças para lidar com suas provações.

E. Z., Rússia

Superstição. Não sou Testemunha de Jeová, mas já leio suas publicações há dois anos. Gostaria de agradecer pelas séries “É a sua vida controlada pelo destino?” (8 de agosto de 1999) e “Superstições: por que são tão perigosas?”. (22 de outubro de 1999) Devido à minha criação, eu era fatalista e supersticiosa. Mas agora acho que vocês falam a verdade sobre o cristianismo verdadeiro.

N. D., França

Fiquei ofendida com os artigos sobre superstição. Sou católica-romana devota e um dos artigos fala que, quando passageiros fazem o “sinal da cruz”, isso é uma superstição. Os católicos fazem isso quando rezam por uma viagem segura. É um preceito fundamental da nossa fé e não pode ser considerado uma superstição.

S. W., Estados Unidos

Não se pode negar que muitos fazem o sinal da cruz sem pensar muito em seu sentido religioso. Quando perguntaram a um jogador australiano por que ele fizera o sinal da cruz no campo de futebol, ele admitiu: “Acho que é um tipo de superstição.” Não admira que esse costume tenha conotações supersticiosas desde o início. “The Catholic Encyclopedia” diz: “Desde o período mais remoto, ele tem sido usado em todos os exorcismos e nas conjurações como arma contra os espíritos da escuridão.” — RED.

Drogas. Gostaria de agradecer pela série “Estão as drogas tomando conta do mundo?”. (8 de novembro de 1999) Levado pela influência dos amigos, meu pai foi escravizado pelas drogas e pelo álcool. Minha casa não é um lugar de refúgio, mas um lugar onde freqüentemente sou ameaçada. Apesar de tudo, nunca vou deixar de incentivar os meus pais a provar a alegria de adorar a Deus.

M. L., Itália

Tortura. Gostaria de agradecer de coração pelo artigo “Ajuda para as vítimas de tortura”. (8 de janeiro de 2000) Visto que sofri graves abusos durante a infância e a adolescência, me identifiquei imediatamente com os sentimentos expressos nos primeiros parágrafos. Apesar do tempo que passou e do meu esforço, não é fácil esquecer o que aconteceu. Sem dúvida, o artigo ajudará minha família e amigos a serem mais compreensivos.

B. R., Brasil

Criança deficiente. Fiquei profundamente comovida com a história de Rosie Major, “As adversidades fortaleceram nossa confiança em Deus”. (22 de novembro de 1999) Morávamos na cidade, mas eu não gostava da influência daquele ambiente sobre a minha filha mais velha. Assim, nos mudamos para uma zona rural. Tudo ia bem até que perdi meu emprego e um salário de 56.000 dólares por ano. Agora moramos no campo, com três crianças e uma hipoteca para pagar. Isso é que é estresse! Mas depois de ler a história de Rosie Major, meus problemas econômicos pareceram tão insignificantes que fiquei envergonhada. Há tantas pessoas que realmente precisam da ajuda de Deus! Posso obter assinaturas de A Sentinela e Despertai!?

M. F., Estados Unidos

Ficamos contentes de atender ao pedido da leitora. — RED.