Pular para conteúdo

Pular para sumário

A gravata no passado e no presente

A gravata no passado e no presente

 A gravata no passado e no presente

HÁ MILÊNIOS os homens adornam a garganta e o pescoço. Por exemplo, por volta de 1737 AEC, o Faraó do Egito deu a José um colar de ouro. — Gênesis 41:42.

Hoje em muitas partes do mundo, os homens usam o que chamamos de gravata. Segundo várias fontes, os primeiros tipos de gravata surgiram na Inglaterra e na França, na parte final do século 16. Os homens usavam um casaco chamado gibão e, como enfeite, um rufo no pescoço. Em geral, o rufo, que podia ter vários centímetros de espessura, era um disco grande e chato que circundava o pescoço. Era feito de tecido branco e engomado para manter a forma.

Com o tempo, o rufo foi substituído pelo chamado cabeção de linho: uma gola branca que cobria os ombros e caía sobre a parte de cima dos braços. Era também chamado de gola ou cabeção à Van Dyck. Os puritanos, entre outros, o usavam.

No século 17, estava na moda o colete, usado por baixo da sobrecasaca. Usava-se uma espécie de cachecol (a cravat), que era enrolado no pescoço mais de uma vez e cujas pontas soltas ficavam pendendo sobre a camisa. Pinturas do fim do século 17 mostram que esse tipo de adorno era muito popular naquela época.

As cravats eram feitas de musselina, batista ou renda. As de renda eram muito caras. Diz-se que Jaime II, da Inglaterra, pagou 36 libras e 10 xelins por uma cravat para sua coroação, o que era muito dinheiro na época. Algumas cravats de renda eram grandes. Carlos II tinha uma com 15 centímetros de largura e 86 centímetros de comprimento, como mostra sua efígie na Abadia de Westminster.

Usavam-se muitos tipos de nó. Em alguns casos, colocava-se uma fita de seda sobre a cravat para mantê-la na posição e ela era então amarrada num grande laço sob o queixo. Esse estilo era chamado de solitário. O laço parecia uma gravata-borboleta moderna. Havia pelo menos cem maneiras de dar o nó numa cravat. Dizem que Beau Brummell, um inglês que influenciou os estilos de roupas masculinas, gastou uma manhã inteira dando o nó numa cravat para que ele ficasse certinho.

Por volta de 1860, a cravat com extremidades compridas começou a ficar parecida com as versões modernas de gravata e passou a ser chamada por esse nome. Também foi chamada de gravata de nó escorregadio. As camisas com colarinho estavam na moda. A gravata era amarrada sob o queixo e as pontas compridas ficavam pendendo sobre a camisa. Foi assim que surgiu a gravata moderna. Outro tipo, a gravata-borboleta, se tornou popular nos anos 1890.

Hoje, muitos consideram a gravata uma parte importante do vestuário masculino. Algumas pessoas até julgam estranhos com base no tipo de gravata que usam. De modo que é bom usar gravatas limpas e com padronagens e cores que combinem com a camisa, as calças e o paletó.

O nó escolhido deve ser bem feito. Um dos tipos mais populares é o nó escorregadio (ou corredio).  (Veja o diagrama na página 14.) É elegante, simples e amplamente aceito em ocasiões formais. Outro nó popular é o nó inglês (Windsor), um pouco mais largo. Em geral, se faz uma depressão na gravata logo abaixo do nó.

Muitos homens se sentem desconfortáveis quando usam gravata. Não gostam da pressão no pescoço. Alguns que tiveram esse problema, porém, descobriram que o desconforto tem mais que ver com o tamanho da camisa. Se esse for o seu problema, verifique se o colarinho da camisa não é muito apertado. Se for do tamanho adequado, você talvez nem note que está de gravata.

Em muitos países, a gravata é considerada peça essencial da roupa usada em ocasiões formais ou nos negócios. Por isso, muitos homens cristãos usam gravata ao participar em aspectos formais do ministério. De fato, um pedaço de tecido ao redor do pescoço do homem pode dar-lhe dignidade e fazê-lo parecer respeitável.

[Diagrama na página 14]

(Para o texto formatado, veja a publicação)

Como fazer um nó escorregadio *

1 Deixe a ponta larga cerca de 30 centímetros abaixo da estreita. Passe a ponta larga sobre a estreita e traga-a de volta por trás da ponta estreita.

2 Passe a ponta larga por cima novamente e puxe-a em direção ao queixo e entre os dois lados da gravata.

3 Segure a frente do nó com o dedo indicador sem apertar muito. Puxe a ponta larga através do laço na frente.

4 Aperte o nó lentamente, segurando a ponta estreita e deslizando o nó até o colarinho.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 15 Do livro Shirt and Tie (Camisa e Gravata).

[Fotos na página 15]

Estilos de gravata desde o século 17 até hoje