Pular para conteúdo

Pular para sumário

Observando o Mundo

Observando o Mundo

 Observando o Mundo

Companhia de cigarros admite que fumar causa câncer

Após contestar por décadas as descobertas de diversas autoridades médicas, a Philip Morris, maior companhia de cigarro nos Estados Unidos, agora admite que fumar provoca câncer do pulmão e outras doenças mortíferas. Num comunicado à imprensa, ela declara: “Existe forte consenso médico e científico de que fumar cigarros causa câncer do pulmão, doenças cardíacas, enfisema e outras doenças graves nos fumantes.” Segundo o The New York Times, ‘antes, a companhia dizia que fumar era um “fator de risco” ou “um fator relacionado com” doenças como câncer pulmonar, e não que provocasse tais doenças’. No entanto, apesar dessa admissão, a companhia diz: “Temos muito orgulho de nossas marcas de cigarro e das campanhas publicitárias que as têm promovido no decorrer dos anos.”

Marcos que desaparecem

Aos poucos, os silos estão desaparecendo das pradarias ocidentais do Canadá. O maior número de silos foi alcançado em 1933, quando havia 5.758 espalhados pelo interior do país. Desde então, seu número caiu drasticamente, para 1.052. Qual o motivo disso? Certa pessoa que viu um silo ser demolido lamentou: “Os tempos mudaram muito. A agricultura agora virou agronegócio. As pequenas propriedades rurais estão acabando. E com elas se vão os silos.” “Pradarias sem os silos seriam mais ou menos como Veneza sem os canais, Nova York sem os arranha-céus, ou a Grã-Bretanha sem os pubs”, diz a revista Harrowsmith Country Life. Grupos de interesse especial estão se empenhando para preservar o que é considerado um símbolo arquitetônico das planícies canadenses. Um silo foi convertido em museu e outro em restaurante.

O tempo nunca é suficiente

Em toda a Europa, cada vez mais pessoas estão correndo atrás do relógio, diz o jornal alemão Gießener Allgemeine. Isso acontece não importa se a pessoa trabalha fora, em casa, faz serviço doméstico ou se dedica a alguma atividade de lazer. “As pessoas dormem menos, comem mais rápido e em seu trabalho sentem-se mais pressionadas pelo tempo do que há 40 anos”, diz o sociólogo Manfred Garhammer, da Universidade de Bamberg. Ele constatou que o dia-a-dia ficou mais acelerado em todas as nações européias que estudou. Eletrodomésticos que poupam trabalho e a redução da jornada de trabalho não produziram uma “sociedade com mais tempo para o lazer” nem “tempo de sobra”. Muito pelo contrário: o tempo para as refeições foi reduzido, em média, 20 minutos e, as horas de sono, em 40 minutos.

Jogatina na Austrália

“A jogatina é agora um sério problema de saúde na Austrália, afetando diretamente pelo menos 330.000 jogadores compulsivos”, diz o jornal The Australian. Segundo o jornal, mais de 1 de cada 5 caça-níqueis fica na Austrália, onde 82% da população adulta joga. Uma comissão que investiga a indústria da jogatina na Austrália descobriu que 2,3% dos adultos australianos têm sério problema com jogatina. Destes, 37% haviam pensado em suicidar-se, mais de 11% haviam tentado o suicídio e 90% disseram que estavam com depressão profunda por causa da jogatina. A comissão convocou uma revisão das operações de jogatina e sugeriu que se coloquem letreiros de alerta nos salões de jogos.

Combater o estresse

Sente-se estressado? Segundo o jornal El Universal, o Instituto Mexicano de Seguridade Social sugere seguir os seguintes princípios para ajudar a combater a tensão. Durma tanto quanto o organismo exige — entre seis a dez horas por dia —, tome um café da manhã completo e balanceado, faça uma refeição moderada no almoço e leve no jantar. Também, os especialistas recomendam reduzir o consumo de alimentos ricos em gorduras, limitar a quantidade de sal e, depois dos 40, reduzir o consumo de leite e açúcar. Procure achar tempo para uma meditação tranqüila. Reduza ainda mais o estresse por manter contato com a natureza.

 Beleza tóxica

Um procedimento cosmético que envolve injetar uma bactéria produtora de botulina (toxina letal) está sendo agora usado para eliminar rugas faciais, diz o jornal The Toronto Star. A toxina paralisa músculos faciais selecionados, que em questão de dias perdem o tônus, fazendo com que as rugas se achatem. O tratamento dura cerca de quatro meses e proporciona uma aparência mais jovem e descansada. Há uma desvantagem, porém. A reportagem acautela que ‘a pessoa perde não só as rugas, mas também a mobilidade facial: não consegue levantar a sobrancelha para expressar surpresa, dar um largo sorriso ou franzir as sobrancelhas’. É uma questão de se estar preparado para “paralisar partes da face em favor da beleza da juventude”, diz o jornal.

‘Para quem Deus torce?’

“Não quero fazer pouco das crenças de ninguém”, escreve o colunista esportivo Sam Smith, “mas será que essa exibição pública de devoção não está indo longe demais nos esportes? Por que os jogadores de futebol americano oram depois de marcar um ponto?” Os mesmos jogadores que se agrupam em oração depois de um jogo podem também ser vistos “xingando os repórteres” no vestiário ou “tentando machucar jogadores” no calor da competição, diz Smith. Achar que Deus favorece um time em detrimento de outro “parece detrair a crença em Deus”. Assim, seu artigo conclui: “Não transformemos os esportes em práticas religiosas.”

Ocupações perigosas

Quais são as dez ocupações mais perigosas? De acordo com os dados compilados pelo Departamento Americano de Estatísticas do Trabalho, os madeireiros ficam no alto da lista, com quase 129 mortes por 100.000 trabalhadores, enquanto que os pescadores e os marinheiros vêm logo em seguida, com cerca de 123 e 94 mortes respectivamente, por 100.000 trabalhadores. Alistadas em ordem decrescente, outras ocupações arriscadas são a dos pilotos de avião, dos que trabalham com ferragem de construção, dos mineiros, dos que trabalham em construção, dos motoristas de táxi, dos motoristas de caminhão e dos trabalhadores rurais. No entanto, “o índice geral de ferimentos ocupacionais fatais — 4,7 por 100.000 trabalhadores — diminuiu cerca de 10%” nos últimos cinco anos, diz Scientific American.

Pássaros espertos

“Os pardais de Calcutá evitam a malária”, diz Terre Sauvage, uma revista francesa sobre a natureza. Os especialistas têm observado que com o aumento da malária, os pardais estão voando para mais longe em busca de folhas de uma árvore conhecida por sua alta concentração de quinina, um medicamento que combate a malária. Pelo visto, além de usar as folhas para forrar os ninhos, as aves as comem. “Os pardais, que gostam da cidade e têm medo da malária, parecem ter encontrado um meio de se proteger”, diz a revista.

Dinheiro sujo

Mais de 99% das cédulas bancárias de Londres estão contaminadas com cocaína, diz o jornal The Guardian. Peritos testaram 500 cédulas e descobriram que 496 continham vestígios da droga. A contaminação começa quando as cédulas são manuseadas por usuários de droga. Essas cédulas, por sua vez, contaminam outras quando passam por triagem em caixas automáticos ou são guardadas com outras. A cocaína se tornou a droga recreativa cujo consumo mais tem aumentado entre os jovens de 20 a 24 anos. Segundo o Projeto de Conscientização do Jovem, com sede em Londres, os adolescentes usam a cocaína porque acham que ela melhora sua reputação e aumenta seu poder.

“A infecção mais comum veiculada pelo sangue”

“Pelo menos 2,7 milhões de americanos são portadores do vírus da hepatite C, o que a torna a infecção mais comum veiculada pelo sangue”, diz um relatório da Associated Press. A hepatite C é transmitida primariamente por contato sexual ou por sangue contaminado. Os que têm mais risco de contrair a doença são os usuários de drogas intravenosas (que compartilham agulhas) e pessoas que fazem sexo sem proteção. Porém, a infecção também pode ser transmitida por tatuadores e acupunturistas que não esterilizam devidamente o equipamento. As pessoas que receberam transfusões de sangue também correm risco. Todo ano, cerca de 1.000 pessoas nos Estados Unidos recebem transplante de fígado em resultado de insuficiência hepática causada pelo vírus.