Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

A Sentinela  |  N.° 2 2016

Quem dividiu a Bíblia em capítulos e versículos?

Quem dividiu a Bíblia em capítulos e versículos?

IMAGINE que você é um cristão que vive no primeiro século. Sua congregação acabou de receber uma carta do apóstolo Paulo. Enquanto ela é lida, você nota que muitas vezes ele cita “os escritos sagrados”, ou seja, as Escrituras Hebraicas. (2 Timóteo 3:15) Você pensa: ‘Eu gostaria de saber que trecho ele está citando.’ Mas isso não teria sido fácil. Por que não?

NEM CAPÍTULOS NEM VERSÍCULOS

Como eram os manuscritos dos “escritos sagrados” que havia nos dias de Paulo? Veja um exemplo nesta página — uma parte do livro de Isaías nos Rolos do Mar Morto. Há apenas texto corrido, sem pontuação nem os números de capítulos e versículos que usamos hoje.

Os escritores da Bíblia não dividiram a mensagem em capítulos e versículos. Eles simplesmente escreveram tudo o que Deus transmitiu a eles. Fizeram isso para que os leitores pudessem entender toda a mensagem, não apenas pequenas partes dela. Do mesmo modo, quando você recebe uma carta importante de alguém que ama, você quer ler a carta inteira, não apenas pequenas partes.

Mas a falta de capítulos ou versículos era um problema. Paulo não tinha como ajudar seus leitores a saber de onde havia tirado o que estava escrevendo. Ele só podia usar expressões como “assim como está escrito” ou “conforme Isaías predisse”. (Romanos 3:10; 9:29) E a pessoa só conseguiria encontrar essas citações se conhecesse bem “os escritos sagrados”.

Além disso, aqueles “escritos sagrados” continham muitas informações da parte de Deus. Por volta do fim do primeiro século EC, eles já eram uma coleção de 66 livros. É por isso que a maioria dos leitores da Bíblia hoje acha útil ter capítulos e versículos numerados. Isso os ajuda a encontrar informações específicas, como as muitas citações nas cartas de Paulo.

Você talvez se pergunte: ‘Então quem dividiu a Bíblia em capítulos e versículos?’

QUEM DIVIDIU A BÍBLIA EM CAPÍTULOS?

O clérigo inglês Stephen Langton, que mais tarde se tornou arcebispo de Cantuária, dividiu a Bíblia em capítulos. Ele fez isso no início do século 13 EC, quando era professor na Universidade de Paris, na França.

Antes de Langton, vários eruditos haviam tentado diferentes maneiras de dividir a Bíblia em partes menores ou capítulos. Parece que tinham feito isso principalmente para ajudar a encontrar citações bíblicas. Assim, teria sido mais fácil para eles encontrar um trecho da Bíblia em apenas um capítulo do que num livro inteiro, como o de Isaías, que hoje tem 66 capítulos.

Mas tudo isso criou um problema. Os eruditos inventaram muitos sistemas diferentes e incompatíveis de dividir a Bíblia. Num deles, o Evangelho de Marcos foi dividido em quase 50 capítulos, não em 16 como temos hoje. Em Paris, nos dias de Langton, havia estudantes de muitos países. Cada um deles trouxe  consigo uma Bíblia de seu país. Mas os estudantes não conseguiam encontrar facilmente o trecho que os palestrantes estavam citando. Por quê? Porque a divisão de capítulos nas suas Bíblias era diferente.

Então Langton desenvolveu novas divisões de capítulos. O sistema que ele usou “chamou a atenção de leitores e escribas” e “se espalhou rapidamente pela Europa”, diz The Book—A History of the Bible (O Livro — A História da Bíblia). Foi ele quem criou a numeração de capítulos usada na maioria das Bíblias hoje.

QUEM DIVIDIU A BÍBLIA EM VERSÍCULOS?

Cerca de 300 anos depois, na metade do século 16, o renomado impressor e erudito francês, Robert Estienne, tornou as coisas ainda mais fáceis. Ele queria que as pessoas se interessassem pelo estudo da Bíblia. Estienne notou que seria muito bom ter um sistema unificado não só de capítulos, mas também de versículos.

Não foi Estienne que teve a ideia de dividir o texto da Bíblia em versículos. Outros já haviam feito isso. Por exemplo, séculos antes, copistas judeus tinham dividido toda a Bíblia Hebraica — a parte da Bíblia geralmente chamada de Velho Testamento — em versículos, mas não em capítulos. Assim como aconteceu com os capítulos, ainda não havia um sistema unificado.

Estienne dividiu as Escrituras Gregas Cristãs, conhecidas como Novo Testamento, em um novo sistema de versículos numerados. Depois juntou esses versículos com os versículos que já havia na Bíblia Hebraica. Em 1553, ele publicou a primeira Bíblia completa (em francês), que continha basicamente os mesmos capítulos e versículos que a maioria das Bíblias usa hoje. Alguns criticaram isso. Para eles, a divisão em versículos deixou o texto bíblico muito fragmentado, com várias declarações soltas. Mas esse sistema logo foi adotado por outros impressores.

UMA GRANDE AJUDA PARA O ESTUDO DA BÍBLIA

Uma ideia tão simples — ter capítulos e versículos numerados. Com isso, cada versículo bíblico tem um “endereço” único como um CEP, ou código postal. É verdade que a divisão de capítulos e versículos não foi inspirada por Deus, e às vezes isso divide o texto bíblico em lugares estranhos. Mas essa divisão torna mais fácil encontrar determinado texto bíblico, citá-lo e conversar sobre ele com outros, assim como marcamos expressões ou frases de que queremos nos lembrar quando lemos um livro.

A divisão de capítulos e versículos facilita muito as coisas. Mas lembre-se de que é importante entender tudo o que Deus quis transmitir em determinado livro. Por isso, desenvolva o hábito de ler o contexto em vez de apenas versículos isolados. Isso vai ajudar você a conhecer cada vez mais todos os “escritos sagrados, que podem torná-lo sábio para a salvação”. — 2 Timóteo 3:15.