Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 117

A Ceia do Senhor

A Ceia do Senhor

MATEUS 26:21-29 MARCOS 14:18-25 LUCAS 22:19-23 JOÃO 13:18-30

  • JUDAS É IDENTIFICADO COMO UM TRAIDOR

  • JESUS INSTITUI UMA CELEBRAÇÃO

Mais cedo naquela noite, Jesus ensinou aos apóstolos uma lição de humildade por lavar os pés deles. Agora, pelo visto depois da refeição pascoal, ele cita as palavras proféticas de Davi: “O homem que estava em paz comigo e em quem eu confiava, que comia do meu pão, se voltou contra mim.” Então explica: “Um de vocês me trairá.” — Salmo 41:9; João 13:18, 21.

Os apóstolos olham uns para os outros, e cada um pergunta: “Senhor, por acaso sou eu?” Até Judas Iscariotes faz isso. Pedro pede que João, que está ao lado de Jesus, descubra de quem ele está falando. Assim, João se inclina, aproximando-se de Jesus, e pergunta: “Senhor, quem é?” — Mateus 26:22; João 13:25.

Jesus responde: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão que vou molhar na tigela.” Ele molha um pedaço de pão numa tigela e o entrega a Judas, dizendo: “O Filho do Homem vai embora, assim como está escrito a respeito dele, mas ai daquele que trai o Filho do Homem! Seria melhor para esse homem que não tivesse nascido.” (João 13:26; Mateus 26:24) Então Satanás entra em Judas, que já havia se corrompido. Agora ele se entrega ao Diabo para fazer sua vontade, tornando-se “o filho da destruição”. — João 6:64, 70; 12:4; 17:12.

Jesus diz a Judas: “Faça mais depressa o que você está fazendo.” Os apóstolos acham que Jesus está dizendo a Judas, que cuida da caixa de dinheiro: “‘Compre o que precisamos para a festividade’, ou que devia dar algo aos pobres.” (João 13:27-30) Mas Judas sai para trair Jesus.

Nessa noite da refeição pascoal, Jesus inicia algo totalmente novo. Ele pega um pão, dá graças, parte-o e dá para os apóstolos comerem: “Isto representa o meu corpo, que será dado em benefício de vocês. Persistam em fazer isso em memória de mim.” (Lucas 22:19) Os apóstolos passam o pão e comem dele.

Agora Jesus pega um cálice de vinho, dá graças e o passa entre eles. Cada um bebe um pouco. Jesus diz: “Este cálice representa o novo pacto com base no meu sangue, que será derramado em seu benefício.” — Lucas 22:20.

Assim, Jesus estabelece a celebração de sua morte, que seus seguidores devem realizar todos os anos em 14 de nisã. Essa celebração relembra o que Jesus e seu Pai fizeram para que humanos fiéis se livrassem do pecado e da morte. Essa celebração tem um significado maior do que a Páscoa dos judeus, pois destaca que a verdadeira libertação não é apenas para eles, mas para a humanidade que exerce fé.

Jesus diz que seu sangue “será derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados”. Entre os muitos que receberão esse perdão estão os apóstolos fiéis e outros discípulos como eles. Esses são os que estarão com Jesus no Reino de seu Pai. — Mateus 26:28, 29.