Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 87

O valor da sabedoria prática

O valor da sabedoria prática

LUCAS 16:1-13

  • ILUSTRAÇÃO DO ADMINISTRADOR INJUSTO

  • “FAÇAM AMIGOS” POR MEIO DAS SUAS RIQUEZAS

A ilustração que Jesus acaba de contar sobre o filho que estava perdido devia deixar claro aos cobradores de impostos, aos escribas e aos fariseus que estavam ali que Deus está disposto a perdoar os pecadores arrependidos. (Lucas 15:1-7, 11) Agora Jesus fala aos seus discípulos usando uma ilustração sobre um homem rico que descobre que o administrador da sua casa não agiu de modo correto.

Jesus conta que o administrador é acusado de desperdiçar os bens do seu senhor. Então o senhor diz que o administrador será mandado embora. O administrador se pergunta: “O que eu vou fazer, visto que o meu senhor está me tirando a administração? Não sou bastante forte para cavar e tenho vergonha de mendigar.” Preparando-se para o que acontecerá, ele conclui: “Já sei o que vou fazer para que, quando eu for afastado da administração, as pessoas me recebam em suas casas.” Ele chama rapidamente cada um dos devedores e pergunta: “Quanto você deve ao meu senhor?” — Lucas 16:3-5.

O primeiro responde: “Cem medidas de azeite.” Isso equivale a 2.200 litros de azeite. Talvez o devedor seja um vendedor de azeite ou tenha uma plantação de oliveiras. O administrador lhe diz: “Pegue de volta o seu acordo escrito, sente-se e escreva rapidamente 50 [1.100 litros].” — Lucas 16:6.

O administrador pergunta a outro devedor: “Agora você, quanto deve?” Ele responde: “Cem grandes medidas de trigo.” Isso dá uns 22 mil litros de trigo. O administrador diz ao devedor: “Pegue de volta o seu acordo escrito e escreva 80.” Assim, ele reduz 20 por cento do valor da dívida. — Lucas 16:7.

O administrador ainda é responsável pelos assuntos financeiros do seu senhor. Então tem o direito de reduzir o que outros devem ao seu senhor. Por cancelar parte das dívidas, o administrador está fazendo amizade com quem talvez lhe faça favores depois que ele perder o emprego.

Com o tempo, seu senhor fica sabendo o que aconteceu. O que o administrador fez traz prejuízo para o senhor. Apesar disso, ele fica impressionado com o administrador e o elogia porque ele ‘foi injusto’, mas “agiu com sabedoria prática”. Jesus continua dizendo: “Os filhos deste sistema de coisas são mais sábios em sentido prático, ao lidar com a sua própria geração, do que os filhos da luz.” — Lucas 16:8.

Jesus não está incentivando ninguém a usar os métodos do administrador nem a trapacear nos negócios. Então o que está ensinando? Ele incentiva os discípulos: “Façam amigos por meio das riquezas injustas, para que, quando essas faltarem, eles os recebam nas moradas eternas.” (Lucas 16:9) Jesus está ensinando uma lição sobre ser perspicaz e ter sabedoria prática. Os servos de Deus, “os filhos da luz”, devem usar seus bens materiais de modo sábio, tendo em mente a vida eterna.

Apenas Jeová Deus e seu Filho podem receber alguém no Reino celestial ou no paraíso terrestre sob esse Reino. Devemos estar decididos a fazer amizade com eles por usar nossas riquezas materiais para apoiar os interesses do Reino. Assim, nosso futuro eterno estará garantido quando o ouro, a prata e outras riquezas materiais falharem ou deixarem de existir.

Além disso, Jesus diz que as pessoas que são fiéis em cuidar e usar suas riquezas materiais também serão fiéis em cuidar de assuntos mais importantes. Ele declara: “Portanto, se vocês não se mostrarem fiéis em usar as riquezas injustas, quem lhes confiará o que é verdadeiro [como os interesses do Reino]?” — Lucas 16:11.

Jesus mostra aos seus discípulos que será cobrado muito deles se quiserem ser recebidos “nas moradas eternas”. Ninguém pode ser um verdadeiro servo de Deus e ao mesmo tempo ser escravo das riquezas injustas. Jesus conclui: “Nenhum servo pode ser escravo de dois senhores, pois ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Vocês não podem ser escravos de Deus e das Riquezas.” — Lucas 16:9, 13.