Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

O Que a Bíblia Realmente Ensina?

 APÊNDICE

O que é “Babilônia, a Grande”

O que é “Babilônia, a Grande”

O LIVRO de Apocalipse contém expressões que não devem ser entendidas literalmente. (Apocalipse 1:1) Por exemplo, menciona uma mulher que tem o nome “Babilônia, a Grande”, escrito na testa. Informa-se que essa mulher está sentada sobre ‘multidões e nações’. (Apocalipse 17:1, 5, 15) Visto que nenhuma mulher literal seria capaz disso, Babilônia, a Grande, só pode ser simbólica. Então, o que essa prostituta simbólica representa?

Em Apocalipse 17:18, essa mesma mulher simbólica é descrita como “a grande cidade que tem um reino sobre os reis da terra”. O termo “cidade” indica um grupo organizado de pessoas. Visto que essa “grande cidade” controla “os reis da terra”, a mulher chamada Babilônia, a Grande, só pode ser  uma organização influente de alcance internacional. Pode-se corretamente chamá-la de império mundial. Que tipo de império? Um império religioso. Veja como alguns textos relacionados, no livro de Apocalipse, nos levam a essa conclusão.

Um império pode ser político, comercial ou religioso. A mulher chamada Babilônia, a Grande, não é um império político, porque a Palavra de Deus diz que “os reis da terra”, ou os elementos políticos do mundo, ‘cometem imoralidade sexual’ com ela. Ela comete imoralidade sexual por formar alianças com os governantes da Terra, e faz qualquer coisa para ganhar poder e influência sobre eles. É por isso que ela é chamada de “grande prostituta”. — Apocalipse 17:1, 2; Tiago 4:4.

Babilônia, a Grande, não pode ser um império comercial porque “os comerciantes da terra”, que representam os elementos comerciais, prantearão quando ela for destruída. De fato, menciona-se que tanto os reis como os comerciantes observam Babilônia, a Grande, “à distância”. (Apocalipse 18:3, 9, 10, 15-17) Portanto, é razoável concluir que Babilônia, a Grande, não é um império político nem comercial, mas sim religioso.

A identidade religiosa de Babilônia, a Grande, é confirmada também pela declaração de que ela engana as nações por meio de suas “práticas de ocultismo”. (Apocalipse 18:23) Visto que todas as formas de ocultismo são religiosas e têm origem demoníaca, não é de admirar que a Bíblia chame Babilônia, a Grande, de “morada de demônios”. (Apocalipse 18:2; Deuteronômio 18:10-12) Menciona-se também que esse império se opõe ativamente à religião verdadeira, perseguindo os “profetas” e os “santos”. (Apocalipse 18:24) De fato, o ódio de Babilônia, a Grande, contra a religião verdadeira é tão grande que ela persegue com violência e até mata as “testemunhas de Jesus”. (Apocalipse 17:6) Assim sendo, essa mulher chamada Babilônia, a Grande, simboliza claramente o império mundial de religião falsa, que inclui todas as religiões que se opõem a Jeová.