Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

O Que a Bíblia Realmente Ensina?

 APÊNDICE

1914 — um ano significativo na profecia bíblica

1914 — um ano significativo na profecia bíblica

COM décadas de antecedência, os estudantes da Bíblia anunciavam que em 1914 ocorreriam eventos significativos. Que acontecimentos seriam esses, e que evidências apontam para 1914 como ano tão importante?

Conforme registrado em Lucas 21:24, Jesus disse: “Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos  determinados das nações [“os tempos dos gentios”, Almeida].” Jerusalém havia sido a capital da nação judaica — a sede do governo da dinastia de reis da casa do Rei Davi. (Salmo 48:1, 2) No entanto, esses reis eram totalmente diferentes de outros líderes nacionais. Eles ocupavam o “trono de Jeová” como representantes do próprio Deus. (1 Crônicas 29:23) De modo que Jerusalém era símbolo do governo de Jeová.

Como e quando, então, o governo de Deus começou a ser ‘pisado pelas nações’? Isso aconteceu em 607 AEC, quando Jerusalém foi conquistada pelos babilônios. O “trono de Jeová” ficou vago, e a dinastia de reis descendentes de Davi foi interrompida. (2 Reis 25:1-26) Será que esse ‘pisar’ seria eterno? Não, pois a profecia de Ezequiel disse o seguinte a respeito do último rei de Jerusalém, Zedequias: “Remova o turbante e retire a coroa. . . . Ela não será de ninguém até que chegue aquele que tem o direito legal; eu a darei a ele.” (Ezequiel 21:26, 27) “Aquele que  tem o direito legal” à coroa davídica é Cristo Jesus. (Lucas 1:32, 33) Assim, o ‘pisar’ terminaria quando Jesus se tornasse Rei.

Quando se daria esse grandioso evento? Jesus mostrou que os gentios governariam por um período específico. No relato em Daniel, capítulo 4, temos a chave para calcular a duração desse período. É um relato a respeito de um sonho profético do Rei Nabucodonosor, de Babilônia. O rei viu uma árvore muito alta que foi derrubada. Seu toco não podia crescer porque foi cintado com bandas de ferro e cobre. Um anjo declarou: “Passem sobre ele sete tempos.” — Daniel 4:10-16.

Na Bíblia, árvores são às vezes usadas como símbolos de governo. (Ezequiel 17:22-24; 31:2-5) Assim, o corte da árvore simbólica indica que o governo de Deus, conforme representado pelos reis em Jerusalém, seria interrompido. No entanto, a visão revelou que ‘Jerusalém seria pisada’ temporariamente — por um período de “sete tempos”. Quanto tempo duraria esse período?

Apocalipse 12:6, 14 indica que três tempos e meio equivalem a “1.260 dias”. “Sete tempos”, portanto, durariam o dobro, ou seja, 2.520 dias. Mas as nações gentias não deixaram de ‘pisar’ no governo de Deus meros 2.520 dias após a queda de Jerusalém. É evidente, pois, que essa profecia abrange um período muito maior. À base de Números 14:34 e Ezequiel 4:6, que falam de “para cada dia um ano”, os “sete tempos” abrangeriam 2.520 anos.

Os 2.520 anos começaram em outubro de 607 AEC, quando Jerusalém caiu diante dos babilônios e o rei da dinastia de Davi foi destronado. O período terminou em outubro de 1914. Naquele tempo, terminaram “os tempos determinados das nações” e Jesus Cristo foi empossado como Rei celestial de Deus. * — Salmo 2:1-6; Daniel 7:13, 14.

 Como Jesus predisse, sua “presença” como Rei celestial tem sido marcada por dramáticos eventos mundiais — guerras, fome, terremotos e epidemias. (Mateus 24:3-8; Lucas 21:11) Esses acontecimentos confirmam sem sombra de dúvida que 1914 marcou o início do Reino celestial de Deus e o começo dos “últimos dias” do atual sistema mundial perverso. — 2 Timóteo 3:1-5.

^ parágrafo 4 De outubro de 607 AEC a outubro de 1 AEC são 606 anos. Visto que não há ano zero, de outubro de 1 AEC a outubro de 1914 EC são 1.914 anos. Somando 606 anos a 1.914 anos chega-se ao total de 2.520 anos. Para informações sobre a queda de Jerusalém em 607 AEC, veja o verbete “Cronologia” em Estudo Perspicaz das Escrituras, publicado pelas Testemunhas de Jeová.