Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 19

“A sabedoria de Deus em segredo sagrado”

“A sabedoria de Deus em segredo sagrado”

1, 2. Que “segredo sagrado” deve nos interessar e por quê?

SEGREDOS! Por que é tão difícil guardá-los? Talvez tenha algo que ver com sua aura de mistério que nos deixa intrigados e fascinados. Mas a Bíblia diz: “A glória de Deus é manter um assunto em segredo.” (Provérbios 25:2) De modo que, como Governante Supremo e Criador, Jeová mantém algumas coisas em segredo até que chegue o Seu tempo devido para revelá-las à humanidade.

2 Mas há um segredo fascinante e intrigante que Jeová revelou na sua Palavra. É chamado de ‘o segredo sagrado da vontade de Deus’. (Efésios 1:9) Se o conhecermos, além de satisfazer a curiosidade, nos candidataremos a obter a salvação e entenderemos um pouco mais a imensurável sabedoria de Jeová.

Revelado progressivamente

3, 4. De que maneira a profecia de Gênesis 3:15 dava esperança, mas que mistério, ou “segredo sagrado”, ela englobava?

3 Quando Adão e Eva pecaram, talvez parecesse que o propósito de Jeová de ter um paraíso na Terra, povoado por humanos perfeitos, havia sido frustrado. Mas Deus imediatamente atacou o problema. Ele disse: “Porei inimizade entre ti [a serpente] e a mulher, e entre o teu descendente e o seu descendente. Ele te machucará a cabeça e tu lhe machucarás o calcanhar.” — Gênesis 3:15.

4 Que palavras intrigantes e misteriosas! Quem era a mulher? a serpente? e o “descendente” que machucaria a cabeça da serpente? O casal infiel (Adão e Eva) não tinha como saber. Mas as palavras de Deus dariam esperança aos  descendentes deles que se mostrassem fiéis. A justiça haveria de triunfar. O propósito de Jeová seria realizado. Mas como? Ah! Isso era um mistério. A Bíblia o chama de “a sabedoria de Deus em segredo sagrado, a sabedoria escondida”. — 1 Coríntios 2:7.

5. Ilustre por que Jeová revelou seu segredo aos poucos.

5 Como “Revelador de segredos”, Jeová com o tempo divulgaria detalhes pertinentes sobre o desfecho desse segredo. (Daniel 2:28) Mas faria isso gradativamente, aos poucos. Para ilustrar, pense na resposta que um pai amoroso dá quando o filhinho pergunta: “Pai, de onde eu vim?” Se for sensato, o pai só dará as informações que o menino tem condições de entender. À medida que ele for crescendo, o pai explicará mais detalhes. De modo similar, Jeová determina quando seu povo está preparado para receber revelações adicionais de sua vontade e propósito. — Provérbios 4:18; Daniel 12:4.

6. (a) Para que serve um pacto, ou contrato? (b) Por que é notável que Jeová faça pactos com humanos?

6 Como Jeová fez essas revelações? Ele usou uma série de pactos, ou contratos, que revelavam muitos detalhes. Possivelmente você já assinou um contrato: ao comprar uma casa, ao fazer um empréstimo ou ao emprestar dinheiro a alguém. Um contrato é uma garantia legal de que os termos dum acordo serão cumpridos. Mas por que Jeová precisava fazer pactos, ou contratos, formais com o homem? Naturalmente, Sua palavra é garantia suficiente de que ele cumprirá Suas promessas. Mesmo assim, em várias ocasiões, Deus bondosamente reforçou a validade da sua palavra fazendo contratos legais. Esses acordos invioláveis dão a nós, humanos imperfeitos, uma base ainda mais sólida para confiar nas promessas de Jeová. — Hebreus 6:16-18.

 O pacto com Abraão

7, 8. (a) Que pacto Jeová fez com Abraão, esclarecendo o que a respeito do segredo sagrado? (b) Como Jeová aos poucos foi dando detalhes mais específicos sobre a linhagem do Descendente prometido?

7 Mais de 2 mil anos depois de o homem ter sido expulso do Paraíso, Jeová disse a seu servo fiel Abraão: “Seguramente multiplicarei o teu descendente como as estrelas dos céus . . . e todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente, pelo fato de que escutaste a minha voz.” (Gênesis 22:17, 18) Isso não era apenas uma promessa; Jeová formulou-a como um pacto legal e confirmou-a com um juramento imutável. (Gênesis 17:1, 2; Hebreus 6:13-15) Que fato notável! O Soberano Senhor fez um contrato para abençoar a humanidade.

“Multiplicarei o teu descendente como as estrelas dos céus”

8 O pacto abraâmico revelou que o Descendente prometido viria como humano, pois descenderia de Abraão. Mas quem seria? Com o tempo Jeová revelou que, dos filhos de Abraão, Isaque seria antepassado do Descendente. Entre os dois filhos de Isaque, Jacó foi escolhido. (Gênesis 21:12; 28:13, 14) Mais tarde, Jacó disse as seguintes palavras proféticas a respeito de um de seus 12 filhos: “O cetro não se afastará de Judá, nem o bastão de comandante de entre os seus pés, até que venha Siló [“Aquele a Quem Pertence”]; e a ele pertencerá a obediência dos povos.” (Gênesis 49:10) A partir daí, soube-se que o Descendente seria um rei e que Judá seria seu ancestral.

O pacto com Israel

9, 10. (a) Que pacto Jeová fez com a nação de Israel e que proteção esse pacto oferecia? (b) Como a Lei demonstrou que a humanidade precisava do resgate?

9 Em 1513 AEC, Jeová concluiu um pacto com os descendentes de Abraão, a nação de Israel. Isso preparou o caminho para novas revelações a respeito do segredo sagrado. Embora não esteja mais em vigor hoje, o pacto da Lei mosaica  era parte essencial do propósito de Jeová de produzir o Descendente prometido. Como? De três modos. Primeiro, a Lei era como um muro de proteção. (Efésios 2:14) Seus estatutos justos serviam como barreira entre judeus e gentios. Assim, ajudou a preservar a linhagem do Descendente prometido. Em grande parte por causa dessa proteção, a nação ainda existia quando chegou o tempo devido de Deus para que o Messias nascesse na tribo de Judá.

10 Segundo, a Lei, que era perfeita, demonstrou que a humanidade precisava mesmo do resgate, pois o homem imperfeito era incapaz de cumprir todos os seus requisitos. Assim, ela serviu para “tornar manifestas as transgressões, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa”. (Gálatas 3:19) Por meio de sacrifícios de animais, a Lei oferecia expiação provisória dos pecados. Mas visto que, como Paulo escreveu, “não é possível que o sangue de touros e de bodes tire pecados”, essas ofertas só prefiguravam o sacrifício de resgate de Cristo. (Hebreus 10:1-4) De modo que, para os judeus fiéis, aquele pacto se tornou um “tutor, conduzindo a Cristo”. — Gálatas 3:24.

11. Que perspectiva maravilhosa o pacto da Lei oferecia a Israel, mas por que a nação como um todo perdeu essa oportunidade?

11 Terceiro, o pacto da Lei deu à nação de Israel uma perspectiva maravilhosa: tornar-se “um reino de sacerdotes e uma nação santa”. Mas Jeová lhes disse que isso só aconteceria se eles fossem fiéis àquele contrato. (Êxodo 19:5, 6) E, de fato, com o tempo, o Israel carnal acabou fornecendo os primeiros membros de um reino celestial de sacerdotes. Mas, como um todo, aquela nação se rebelou contra o pacto da Lei, rejeitou o Descendente messiânico e perdeu essa oportunidade. Quem, então, completaria o reino de sacerdotes? E que relação teria aquela nação abençoada com o Descendente prometido? Esses aspectos do segredo sagrado seriam revelados no tempo devido de Deus.

 O pacto davídico do Reino

12. Que pacto Jeová fez com Davi e que detalhe sobre o segredo sagrado isso ajudou a esclarecer?

12 No século 11 AEC, Jeová esclareceu mais detalhes sobre o segredo sagrado quando fez outro pacto. Ele prometeu ao fiel Rei Davi: “Hei de suscitar o teu descendente depois de ti, . . . e deveras estabelecerei firmemente o seu reino. . . . Eu hei de estabelecer firmemente o trono do seu reino por tempo indefinido.” (2 Samuel 7:12, 13; Salmo 89:3) Com isso, a linhagem do Descendente prometido ficava restrita à família de Davi. Mas será que um simples governante humano poderia reinar “por tempo indefinido”? (Salmo 89:20, 29, 34-36) E poderia esse rei humano resgatar a humanidade do pecado e da morte?

13, 14. (a) Segundo o Salmo 110, que promessa Jeová fez ao seu Rei ungido? (b) Que revelações adicionais a respeito do vindouro Descendente foram feitas por meio dos profetas de Jeová?

13 Sob inspiração, Davi escreveu: “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: ‘Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.’ Jeová jurou (e não o deplorará): ‘Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!’” (Salmo 110:1, 4) As palavras de Davi se aplicavam diretamente ao Descendente prometido, ou Messias. (Atos 2:35, 36) Esse Rei governaria, não em Jerusalém, mas desde os céus, à “direita” de Jeová. Isso lhe daria autoridade não só sobre o território de Israel, mas sobre toda a Terra. (Salmo 2:6-8) Mais um detalhe foi revelado naquela declaração. Note que Jeová fez o juramento solene de que o Messias seria “sacerdote . . . à maneira de Melquisedeque” — um rei-sacerdote que viveu nos dias de Abraão. Como Melquisedeque, o vindouro Descendente seria designado diretamente por Deus para ser Rei e Sacerdote! — Gênesis 14:17-20.

14 Ao longo dos anos, Jeová usou seus profetas para fazer revelações adicionais sobre o segredo sagrado. Por exemplo, Isaías revelou que o Descendente teria uma morte sacrificial.  (Isaías 53:3-12) Miqueias profetizou o lugar em que o Messias nasceria. (Miqueias 5:2) E Daniel predisse até o tempo exato do aparecimento do Descendente e de sua morte. — Daniel 9:24-27.

Revelado o segredo sagrado!

15, 16. (a) Como o Filho de Jeová veio a nascer “duma mulher”? (b) O que Jesus herdou de seus pais humanos e quando ele surgiu como o Descendente da promessa?

15 Como essas profecias se cumpririam continuou a ser um mistério até que o Descendente finalmente apareceu. Gálatas 4:4 diz: “Quando chegou o pleno limite do tempo, Deus enviou o seu Filho, que veio a proceder duma mulher.” No ano 2 AEC, um anjo disse a uma virgem judia chamada Maria: “Eis que conceberás na tua madre e darás à luz um filho, e deves dar-lhe o nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai . . . Espírito santo virá sobre ti e poder do Altíssimo te encobrirá. Por esta razão, também, o nascido será chamado santo, Filho de Deus.” — Lucas 1:31, 32, 35.

16 Depois, Jeová transferiu a vida de seu Filho do céu para o útero de Maria, de modo que ele nasceu duma mulher imperfeita. Mas Jesus não herdou a imperfeição dela porque era “Filho de Deus”. No entanto, os pais humanos de Jesus eram descendentes de Davi, de modo que ele herdou deles tanto o direito natural como legal de ser herdeiro daquele rei. (Atos 13:22, 23) Quando Jesus se batizou, em 29 EC, Jeová o ungiu com espírito santo e disse: “Este é meu Filho, o amado.” (Mateus 3:16, 17) Finalmente, ali estava o Descendente! (Gálatas 3:16) Chegara o tempo para se revelar mais detalhes sobre o segredo sagrado. — 2 Timóteo 1:10.

17. Como se esclareceu o significado de Gênesis 3:15?

17 Durante seu ministério, Jesus identificou a serpente de Gênesis 3:15 como Satanás e o descendente da serpente como os seguidores do Diabo. (Mateus 23:33; João 8:44) Posteriormente, revelou-se como esses seriam esmagados  para sempre. (Revelação [Apocalipse] 20:1-3, 10, 15) E a mulher foi identificada como a “Jerusalém de cima”, a organização-esposa de Jeová nos céus, composta de criaturas espirituais. * — Gálatas 4:26; Revelação 12:1-6.

O novo pacto

18. Qual é o objetivo do “novo pacto”?

18 Uma das revelações mais emocionantes foi dada na noite antes da morte de Jesus, quando ele falou aos seus discípulos fiéis sobre “o novo pacto”. (Lucas 22:20) Como seu predecessor, o pacto da Lei mosaica, esse novo pacto deveria produzir “um reino de sacerdotes”. (Êxodo 19:6; 1 Pedro 2:9) Mas, em vez de estabelecer uma nação carnal, fundaria uma nação espiritual, “o Israel de Deus”, composta exclusivamente de fiéis seguidores ungidos de Cristo. (Gálatas 6:16) Com Jesus, esses participantes do novo pacto abençoariam a raça humana.

19. (a) Por que o novo pacto consegue produzir “um reino de sacerdotes”? (b) Por que os cristãos ungidos são chamados de “uma nova criação” e quantos reinarão no céu com Cristo?

19 Mas por que o novo pacto consegue produzir “um reino de sacerdotes” para abençoar a humanidade? Porque, em vez de condenar os discípulos de Cristo como pecadores, ele permite o perdão dos seus pecados mediante o sacrifício Dele. (Jeremias 31:31-34) Quando eles obtêm uma condição justa perante Jeová, este os adota como parte de sua família celestial, ungindo-os com espírito santo. (Romanos 8:15-17; 2 Coríntios 1:21) Assim, passam por “um novo nascimento para uma esperança viva . . . reservada nos céus”. (1 Pedro 1:3, 4) Visto que uma condição tão enaltecida é algo totalmente novo para os humanos, os cristãos ungidos  e gerados pelo espírito são chamados de “uma nova criação”. (2 Coríntios 5:17) A Bíblia revela que, por fim, 144 mil deles ajudarão a reinar desde o céu sobre a humanidade resgatada. — Revelação 5:9, 10; 14:1-4.

20. (a) Que faceta do segredo sagrado foi revelada em 36 EC? (b) Quem desfrutará as bênçãos prometidas a Abraão?

20 Com Jesus, os ungidos se tornam o “descendente de Abraão”. * (Gálatas 3:29) Os primeiros a serem escolhidos foram judeus carnais. Mas, em 36 EC, outra faceta do segredo sagrado foi revelada: gentios (não judeus) também teriam parte na esperança celestial. (Romanos 9:6-8; 11:25, 26; Efésios 3:5, 6) Os cristãos ungidos seriam os únicos a desfrutar as bênçãos prometidas a Abraão? Não, porque o sacrifício de Jesus beneficia o mundo inteiro. (1 João 2:2) Com o tempo, Jeová revelou que um número não especificado de pessoas faria parte de uma “grande multidão” que sobreviveria ao fim do sistema de Satanás. (Revelação 7:9, 14) Muitos outros seriam ressuscitados com a perspectiva de viver para sempre no Paraíso! — Lucas 23:43; João 5:28, 29; Revelação 20:11-15; 21:3, 4.

A sabedoria de Deus e o segredo sagrado

21, 22. De que maneiras o segredo sagrado de Jeová demonstra a sabedoria Dele?

21 O segredo sagrado é uma demonstração impressionante da “grandemente diversificada sabedoria de Deus”. (Efésios 3:8-10) Como Jeová foi sábio em esboçar esse segredo e, daí, revelá-lo aos poucos! Ele sabiamente levou em conta as limitações dos humanos, permitindo que esses manifestassem sua verdadeira condição de coração. — Salmo 103:14.

22 Jeová também demonstrou incomparável sabedoria ao  escolher Jesus como Rei. No Universo inteiro, não existe criatura mais digna de confiança do que o Filho de Deus. Ao viver como homem de carne e sangue, Jesus passou por todo tipo de adversidade. Por isso, ele entende muito bem os problemas humanos. (Hebreus 5:7-9) E que tipo de corregentes Jesus terá? Ao longo dos séculos, tanto homens como mulheres — de todas as raças, línguas e formações — foram ungidos. Simplesmente, não existe problema que algum deles não tenha enfrentado e superado. (Efésios 4:22-24) Será maravilhoso viver sob o domínio desses reis-sacerdotes misericordiosos!

23. Que privilégio os cristãos têm com respeito ao segredo sagrado de Jeová?

23 O apóstolo Paulo escreveu: “O segredo sagrado que estava escondido dos passados sistemas de coisas e das gerações passadas . . . tem sido manifesto aos seus santos.” (Colossenses 1:26) De fato, os santos ungidos de Jeová entenderam os muitos detalhes referentes ao segredo sagrado e transmitiram esse conhecimento a milhões de pessoas. Que privilégio todos nós temos! Jeová “nos [fez] saber o segredo sagrado de sua vontade”. (Efésios 1:9) Contemos esse maravilhoso segredo a outros, ajudando-os a também entender um pouco melhor a imensurável sabedoria de Jeová Deus!

^ parágrafo 17 “O segredo sagrado [da] devoção piedosa” também foi revelado em Jesus. (1 Timóteo 3:16) Durante muito tempo foi um segredo, ou mistério, se alguém conseguiria manter perfeita integridade a Jeová. Jesus forneceu a resposta. Ele manteve a integridade durante todas as provações que Satanás lançou contra ele. — Mateus 4:1-11; 27:26-50.

^ parágrafo 20 Jesus também fez “um pacto . . . para um reino” com o mesmo grupo. (Lucas 22:29, 30) Trata-se de um contrato que ele fez com o “pequeno rebanho” para que reinem com ele no céu como parte secundária do descendente de Abraão. — Lucas 12:32.