Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 18

Sabedoria encontrada na “palavra de Deus”

Sabedoria encontrada na “palavra de Deus”

1, 2. Que “carta” Jeová nos escreveu e por quê?

LEMBRA-SE da última vez que recebeu uma carta de uma pessoa querida, de bem longe? Poucas coisas nos deixam mais contentes do que isso. Ficamos felizes de saber de seu bem-estar, o que tem feito e quais são seus planos. Assim, nos sentimos mais achegados ao remetente da carta, embora fisicamente ele talvez esteja longe.

2 O que, então, poderia nos dar mais prazer do que receber uma mensagem escrita do Deus que amamos? Jeová, em certo sentido, nos escreveu uma “carta”: sua Palavra, a Bíblia. Nela, ele nos conta quem é, o que fez, o que vai fazer e muito mais. Jeová nos deu sua Palavra porque deseja que nos acheguemos a ele. Nosso Deus sábio escolheu o melhor método possível para se comunicar conosco. O modo em que a Bíblia foi escrita e o seu conteúdo revelam sabedoria incomparável.

Por que uma mensagem escrita?

3. De que modo Jeová transmitiu a Lei a Moisés?

3 Alguns se perguntam: ‘Por que Jeová não usou um método mais chamativo — como, por exemplo, uma voz ressoando desde o céu — para se comunicar com o homem?’ Para falar a verdade, em algumas ocasiões Jeová se comunicou mesmo desde o céu por meio de representantes angélicos. Fez isso, por exemplo, quando deu a Lei a Israel. (Gálatas 3:19) A voz que ressoou do céu foi assombrosa — tanto que os israelitas apavorados pediram que Jeová não falasse com eles dessa maneira, mas que se comunicasse por meio de Moisés. (Êxodo 20:18-20) Assim, a Lei, que consistia em uns 600 estatutos, foi ditada a Moisés palavra por palavra.

4. Explique por que a transmissão oral não seria um método confiável de preservar as leis de Deus.

 4 Mas o que provavelmente teria acontecido se aquela Lei nunca tivesse sido colocada por escrito? Acha que Moisés teria se lembrado de todas as palavras daquele código detalhado e as transmitido com exatidão para o restante da nação? E as gerações posteriores? Teriam de se basear apenas em relatos orais? Esse não seria um método muito confiável de se transmitir as leis de Deus. Possivelmente você já brincou de telefone sem fio, um jogo em que a primeira pessoa de uma fila diz uma frase no ouvido de quem está ao seu lado e assim sucessivamente até chegar ao fim da fila. Quando a última pessoa diz o que entendeu, em geral trata-se de algo bem diferente do original. A Lei de Deus não correu o perigo de ser deturpada da mesma maneira. Por quê?

5, 6. Jeová instruiu Moisés a fazer o que com Suas palavras, e por que é uma bênção para nós o fato de termos a Palavra de Jeová por escrito?

5 Porque, sabiamente, Jeová decidiu que suas palavras fossem escritas. Ele instruiu a Moisés: “Escreve para ti estas palavras, porque é de acordo com estas palavras que deveras concluo um pacto contigo e com Israel.” (Êxodo 34:27) Assim, em 1513 AEC, começou o período de escrita da Bíblia. Durante os 1.610 anos que se seguiram, Jeová falou “em muitas ocasiões e de muitos modos” com os cerca de 40 humanos que escreveram a Bíblia. (Hebreus 1:1) Durante esse mesmo período, copistas dedicados cuidadosamente produziram cópias exatas das Escrituras, a fim de preservá-las. — Esdras 7:6; Salmo 45:1.

6 Sem dúvida, para nós é uma grande bênção o fato de Jeová se comunicar conosco por escrito. Já recebeu uma carta tão especial — talvez porque o consolou numa hora em que você precisava — que você a guardou e releu vez após vez? Isso se dá com a “carta” de Jeová para nós. Visto que ele pôs suas  palavras por escrito, podemos lê-las regularmente e meditar no que dizem. (Salmo 1:2) Podemos ter o “consolo das Escrituras” sempre que precisamos. — Romanos 15:4.

Por que usou escritores humanos?

7. Por que podemos dizer que foi uma expressão da sabedoria de Jeová usar ele humanos para escrever a Bíblia?

7 Numa demonstração de sabedoria, Jeová usou humanos para escrever sua Palavra. Imagine: se Jeová tivesse usado anjos para escrever a Bíblia, será que ela seria tão fascinante? É verdade que os anjos poderiam ter descrito a Jeová do ângulo da sua posição privilegiada, expressado sua devoção a Ele e contado a história de fiéis servos humanos de Deus. Mas será que nos identificaríamos com o ponto de vista de criaturas espirituais perfeitas, cujo conhecimento, experiência e força são muito superiores aos nossos? — Hebreus 2:6, 7.

“Toda a Escritura é inspirada por Deus”

8. Até que ponto os escritores bíblicos tiveram permissão de usar suas faculdades mentais? (Veja também a nota.)

8 Ao usar homens como escritores, Jeová nos deu exatamente o que precisávamos: um registro ‘inspirado por Deus’, mas que ainda assim é profundamente humano. (2 Timóteo 3:16) Como conseguiu essa façanha? Em muitos casos, ele evidentemente permitiu que os escritores usassem suas faculdades mentais para escolher “palavras deleitosas e a escrita de palavras corretas de verdade”. (Eclesiastes 12:10, 11) Isso explica a diversidade de estilos encontrados na Bíblia; os escritos refletem a formação e a personalidade de cada escritor. * Mas esses homens “falaram da parte de Deus conforme eram movidos por espírito santo”. (2 Pedro 1:21) De modo que o produto final é, de fato, “a palavra de Deus”. — 1 Tessalonicenses 2:13.

9, 10. Por que o fato de Deus ter usado escritores humanos faz com que a Bíblia tenha maior impacto emocional sobre nós?

 9 Por que a leitura da Bíblia tem um impacto emocional tão forte sobre nós? Porque seus escritores eram homens com sentimentos iguais aos nossos. Sendo imperfeitos, enfrentaram provações e pressões semelhantes às nossas. Em alguns casos, o espírito de Jeová os inspirou a escrever, na primeira pessoa, sobre seus sentimentos e dificuldades pessoais, algo que nenhum anjo poderia ter feito. — 2 Coríntios 12:7-10.

10 Veja o exemplo do Rei Davi, de Israel. Depois de cometer vários erros graves, ele compôs um salmo em que abria seu coração, implorando o perdão de Deus. Escreveu: “Purifica-me mesmo do meu pecado. Pois eu mesmo conheço as minhas transgressões e meu pecado está constantemente diante de mim. Eis que em erro fui dado à luz com dores de parto, e em pecado me concebeu minha mãe. Não me lances fora de diante da tua face; e não tires de mim o teu espírito santo. Os sacrifícios a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e esmagado não desprezarás, ó Deus.” (Salmo 51:2, 3, 5, 11, 17) Dá para sentir a angústia do escritor nessas palavras, não é verdade? Quem, além de um homem imperfeito, poderia expressar sentimentos tão sinceros?

Por que um livro sobre pessoas?

11. Por que se pode dizer que os casos da vida real incluídos na Bíblia são “para a nossa instrução”?

11 Há mais uma coisa que torna a Bíblia fascinante. Na maior parte, trata-se de um livro sobre pessoas reais que serviram, ou não, a Deus. Lemos sobre o que passaram na vida, suas dificuldades e alegrias. Aprendemos sobre o resultado das escolhas que fizeram. Esses relatos foram incluídos na Bíblia “para a nossa instrução”. (Romanos 15:4) Por meio desses casos da vida real, Jeová nos ensina de uma maneira que toca o coração. Veja alguns exemplos.

12. De que maneira os relatos bíblicos sobre humanos infiéis são de ajuda para nós?

12 A Bíblia relata o que aconteceu com os infiéis ou perversos.  Nesses relatos, vemos qualidades indesejáveis em ação, o que torna mais fácil entendê-las. Por exemplo, consegue pensar em uma maneira melhor de condenar a deslealdade do que descrever o exemplo de Judas ao executar sua conspiração traiçoeira contra Jesus? (Mateus 26:14-16, 46-50; 27:3-10) Relatos como esse tocam mais eficazmente o nosso coração, ajudando-nos a identificar e rejeitar características ruins.

13. De que maneira a Bíblia nos ajuda a entender qualidades desejáveis?

13 A Bíblia também descreve muitos servos fiéis de Deus. Lemos sobre sua devoção e lealdade. Podemos observar na prática as qualidades que temos de cultivar a fim de nos achegarmos a Deus. Veja o caso da fé. A Bíblia traz a definição dela e nos diz que ela é essencial para agradarmos a Deus. (Hebreus 11:1, 6) Mas as Escrituras também contêm exemplos significativos de fé em ação. Pense na fé que Abraão demonstrou quando tentou oferecer Isaque. (Gênesis, capítulo 22; Hebreus 11:17-19) Relatos como esse fazem com que a palavra “fé” assuma um sentido totalmente novo e tornam mais fácil entendê-la. Como foi sábio da parte de Jeová não só nos incentivar a cultivar qualidades desejáveis, mas também nos dar exemplos delas em ação!

14, 15. O que a Bíblia nos diz sobre uma mulher que compareceu ao templo e o que esse relato nos ensina sobre Jeová?

14 Os relatos da vida real, encontrados na Bíblia, muitas vezes nos ensinam algo a respeito do tipo de pessoa que Jeová é. Um exemplo é o caso duma mulher que Jesus observou no templo. Enquanto estava sentado perto dos cofres do tesouro, Jesus observava as pessoas colocando suas contribuições. Muitos ricos vinham e davam “dos seus excedentes”. Mas Jesus se concentrou numa viúva humilde. Sua dádiva foi “duas pequenas moedas de muito pouco valor”. * Era o último dinheirinho  que ela possuía. Jesus, que refletia com perfeição o conceito de Jeová sobre os assuntos, disse: “Esta viúva pobre lançou neles mais do que todos estes que lançam dinheiro nos cofres do tesouro.” Segundo essas palavras, ela contribuiu mais do que todos os outros juntos. — Marcos 12:41-44; Lucas 21:1-4; João 8:28.

15 Não é significativo que, de todas as pessoas que compareceram ao templo naquele dia, essa viúva tenha sido escolhida para ser mencionada na Bíblia? Por meio desse exemplo, Jeová nos ensina que ele é um Deus apreciativo. Ele fica contente de receber nossas dádivas de toda a alma, não importa o valor delas em comparação com o que outros possam dar. Jeová não poderia ter achado uma maneira melhor de nos ensinar essa verdade comovente!

O que a Bíblia não contém

16, 17. Como se pode observar a sabedoria de Jeová até naquilo que ele decidiu não incluir na sua Palavra?

16 Quando resolve escrever uma carta para um amigo ou parente, você tem de usar de bom-senso e decidir o que vai incluir nela; ela precisa ter um limite. De modo similar, Jeová decidiu mencionar determinadas pessoas ou acontecimentos na sua Palavra. Mas a Bíblia nem sempre dá todos os detalhes desses relatos descritivos. (João 21:25) Por exemplo, quando se mencionam os julgamentos de Deus, nem sempre as informações fornecidas na Bíblia são suficientes para responder a todas as perguntas que possamos ter. A sabedoria de Jeová fica evidente até naquilo que ele decidiu não incluir na sua Palavra. Como assim?

17 O modo em que a Bíblia foi escrita serve para testar o que temos no coração. Hebreus 4:12 diz: “A palavra [ou, mensagem] de Deus é viva e exerce poder, e é mais afiada do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão da alma e do espírito . . . e é capaz de discernir os pensamentos e as intenções do coração.” A mensagem da Bíblia  penetra fundo, revelando nossos verdadeiros raciocínios e motivações. Aqueles que a leem com olho crítico muitas vezes ficam perplexos, porque se deparam com relatos que não contêm todas as informações que os satisfariam. Essas pessoas talvez até questionem se, de fato, Jeová é amoroso, sábio e justo.

18, 19. (a) Por que não devemos nos sentir perturbados se determinado relato bíblico levantar questões para as quais não encontramos respostas imediatas? (b) O que é preciso para entender a Palavra de Deus, e como isso é uma evidência da grande sabedoria de Jeová?

18 Em contraste, quando estudamos cuidadosamente a Bíblia com coração sincero, passamos a conhecer a Jeová no contexto em que a sua Palavra o apresenta. Assim, não ficamos perturbados se determinado relato levanta algumas questões para as quais não encontramos respostas imediatas. Para ilustrar: se estiver montando um grande quebra-cabeça, talvez de início você não consiga encontrar determinada peça ou não entenda como uma peça se encaixa. Mas talvez já tenha juntado peças suficientes para entender qual é a aparência geral do quadro. De modo similar, quando estudamos a Bíblia, pouco a pouco aprendemos sobre o tipo de Deus que Jeová é e formamos um quadro mental dele. Mesmo que, de início, não entendamos certo relato nem percebamos como ele se encaixa na personalidade do Criador, nosso estudo da Bíblia já nos ensinou mais do que o suficiente sobre Jeová para sabermos que ele é um Deus infalivelmente amoroso, imparcial e justo.

19 Assim, para entender a Palavra de Deus, devemos lê-la e estudá-la com coração sincero e mente aberta. Não é essa uma evidência da grande sabedoria de Jeová? Homens inteligentes são capazes de escrever livros que somente os ‘sábios e os intelectuais’ conseguem entender. Mas para escrever um livro que só pode ser entendido por aqueles que têm a correta motivação de coração é preciso sabedoria divina! — Mateus 11:25.

 Um livro de “sabedoria prática”

20. Por que somente Jeová pode nos dizer qual é o melhor modo de vida, e o que a Bíblia contém que pode nos ajudar?

20 Na sua Palavra, Jeová nos ensina qual é o melhor modo de vida. Como nosso Criador, ele conhece nossas necessidades melhor do que nós mesmos. E as necessidades humanas básicas — incluindo o desejo de ser amado e feliz, e de ter relacionamentos bem-sucedidos — ainda são as mesmas. A Bíblia contém muita “sabedoria prática” que pode nos ajudar a ter uma vida significativa. (Provérbios 2:7) Cada seção deste livro contém um capítulo que mostra como aplicar o conselho sábio da Bíblia, mas vejamos só um exemplo.

21-23. Que conselhos sábios nos ajudam a não alimentar a raiva nem guardar ressentimento?

21 Já notou que as pessoas que guardam rancor ou ressentimento muitas vezes acabam magoando a si mesmas? O ressentimento é um fardo muito pesado para carregar. Quando o nutrimos, ele absorve os pensamentos, tira nossa paz e sufoca a alegria. Estudos científicos indicam que alimentar a raiva pode aumentar o risco de doenças cardíacas e muitas outras doenças crônicas. Bem antes desses estudos científicos, porém, a Bíblia já dizia sabiamente: “Larga a ira e abandona o furor.” (Salmo 37:8) Mas como podemos fazer isso?

22 A Palavra de Deus dá o seguinte conselho prudente: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” (Provérbios 19:11) Perspicácia é a habilidade de ver abaixo da superfície, de ver além do óbvio. A perspicácia resulta em compreensão, porque nos ajuda a discernir por que a outra pessoa falou ou agiu de determinada maneira. Se nos esforçarmos a entender suas verdadeiras motivações, sentimentos e circunstâncias, isso nos ajudará a deixar de lado pensamentos e sentimentos negativos para com ela.

23 A Bíblia traz outro conselho: “Continuai a suportar-vos uns aos outros e a perdoar-vos uns aos outros liberalmente.”  (Colossenses 3:13) A expressão “continuai a suportar-vos uns aos outros” indica que se deve ter paciência, tolerando algumas características das outras pessoas que talvez achemos irritantes. Essa longanimidade nos ajudará a evitar guardar rancor por coisinhas sem importância. “Perdoar” transmite a ideia de cessar de ter ressentimento. Nosso Deus sabe que precisamos perdoar outros quando há base sólida para isso. Não se trata de algo proveitoso apenas para a outra pessoa, mas também preserva nossa própria paz mental e de coração. (Lucas 17:3, 4) Quanta sabedoria encontramos na Palavra de Deus!

24. Qual é o resultado quando harmonizamos nossa vida com a sabedoria divina?

24 Devido ao seu amor ilimitado, Jeová quis se comunicar conosco. Ele escolheu o melhor método possível: uma “carta” escrita por homens sob a orientação do espírito santo. Em resultado disso, encontramos nas páginas dela a sabedoria do próprio Jeová. Trata-se de sabedoria ‘mui fidedigna’. (Salmo 93:5) Quando harmonizamos nossa vida com ela e a transmitimos a outros, nos achegamos naturalmente ao nosso Deus sábio. No próximo capítulo, analisaremos outro exemplo notável da sabedoria de Jeová: sua habilidade de prever o futuro e de cumprir seus propósitos.

^ parágrafo 8 Por exemplo, Davi, que havia sido pastor, empregou exemplos tirados da vida no campo. (Salmo 23) Mateus, um ex-cobrador de impostos, fez várias referências a números e valores monetários. (Mateus 17:27; 26:15; 27:3) O médico Lucas usou palavras que refletiam sua formação. — Lucas 4:38; 14:2; 16:20.

^ parágrafo 14 Cada moeda dessas era um lépton, a menor moeda judaica em circulação naquele tempo. Dois léptons equivaliam a 1/64 do salário de um dia. Essas duas moedinhas não eram suficientes nem para comprar um único pardal, a ave mais barata usada como alimento pelos pobres.