Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 17

‘Ó profundidade da sabedoria de Deus!’

‘Ó profundidade da sabedoria de Deus!’

1, 2. Qual era o propósito de Jeová para o sétimo dia, e como a sabedoria divina foi posta à prova no início desse dia?

QUE pena! O sexto dia criativo de Deus havia atingido seu ponto culminante com a criação da humanidade. Jeová dissera, então, que “tudo o que tinha feito” — incluindo os humanos — “era muito bom”. (Gênesis 1:31) Mas, no início do sétimo dia, Adão e Eva decidiram se juntar à rebelião de Satanás. A raça humana de repente se viu atolada no pecado, na imperfeição e na morte.

2 Talvez parecesse que o propósito de Jeová para o sétimo dia havia sido irremediavelmente frustrado. Aquele dia, como os seis que o precederam, duraria milhares de anos. Jeová o havia declarado sagrado e, quando terminasse, a Terra inteira seria um paraíso, habitado por uma família humana perfeita. (Gênesis 1:28; 2:3) Mas, depois daquela rebelião catastrófica, como isso se daria? O que Deus faria? Esse seria um grande teste para a sabedoria de Jeová, talvez o teste decisivo.

3, 4. (a) Por que a reação de Jeová à rebelião no Éden é um exemplo admirável de sua sabedoria? (b) À medida que estudarmos a sabedoria de Jeová, de que não devemos nos esquecer?

3 Jeová tomou providências imediatas. Sentenciou os rebeldes no Éden e, ao mesmo tempo, forneceu informações sobre algo maravilhoso: seu propósito de corrigir todos os males que surgiriam em resultado daquela rebelião. (Gênesis 3:15) O propósito de Jeová estende-se desde o Éden, passando por todos os milhares de anos da História humana e avança para o futuro. É maravilhosamente simples, mas tão profundo que um leitor da Bíblia poderia passar uma vida inteira estudando-o e meditando nele. Além disso, o propósito de Jeová tem êxito garantido. Resultará no fim de toda a maldade, pecado  e morte. Levará a humanidade fiel à perfeição. Tudo isso se dará antes do fim do sétimo dia, de modo que, apesar de tudo, Jeová cumprirá seu propósito para a Terra e a humanidade bem dentro do cronograma.

4 Não fica admirado com essa demonstração de sabedoria? O apóstolo Paulo sentiu-se motivado a escrever: ‘Ó profundidade da sabedoria de Deus!’ (Romanos 11:33) À medida que estudarmos várias facetas dessa qualidade divina, não se esqueça do seguinte: na melhor das hipóteses, só conseguiremos arranhar a superfície da profunda sabedoria de Jeová. (Jó 26:14) Mas, primeiro, vamos definir o que é essa qualidade admirável.

O que é a sabedoria divina?

5, 6. Qual é a relação entre conhecimento e sabedoria e qual é o alcance do conhecimento de Jeová?

5 Sabedoria não é a mesma coisa que conhecimento. Os computadores podem armazenar enormes quantidades de conhecimento, mas dificilmente alguém os consideraria máquinas sábias. Contudo, o conhecimento e a sabedoria estão relacionados. (Provérbios 10:14) Por exemplo, se precisasse de conselho sábio sobre um problema de saúde, consultaria alguém com pouco ou sem nenhum conhecimento de medicina? É pouco provável! De modo que o conhecimento exato é essencial para a verdadeira sabedoria.

6 O conhecimento de Jeová é infinito. Como “Rei da eternidade”, somente ele é eterno. (Revelação [Apocalipse] 15:3) E durante todas as incontáveis eras, ele sempre soube de tudo. A Bíblia diz: “Não há criação que não esteja manifesta à sua vista, mas todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.” (Hebreus 4:13; Provérbios 15:3) Como Criador, Jeová entende plenamente tudo o que fez e tem observado as atividades humanas desde o início. Ele examina o coração humano; nada lhe escapa. (1 Crônicas 28:9) Visto que nos criou com  livre-arbítrio, fica feliz quando nos vê fazer escolhas sábias na vida. Como “Ouvinte de oração”, ele escuta inúmeras expressões ao mesmo tempo! (Salmo 65:2) E nem é preciso mencionar que a memória de Jeová é perfeita.

7, 8. Como Jeová demonstra entendimento, discernimento e sabedoria?

7 Porém, Jeová tem mais do que conhecimento. Ele também entende a inter-relação dos fatos e tem a visão geral dos assuntos, levando em consideração incontáveis detalhes. Ele avalia e julga, distinguindo entre o que é bom e o que é mau, o importante e o trivial. Além disso, ele olha mais fundo; examina o coração. (1 Samuel 16:7) Assim, Jeová tem entendimento e discernimento, qualidades superiores ao conhecimento. Mas a sabedoria é superior a todas essas.

8 Sabedoria envolve usar, em conjunto, o conhecimento, o discernimento e o entendimento, colocando-os em prática. De fato, algumas das palavras bíblicas originais traduzidas “sabedoria” literalmente significam “trabalho eficiente” ou “sabedoria prática”. De modo que a sabedoria de Jeová não é meramente teórica; é prática, funciona. Com base no seu amplo conhecimento e profundo entendimento, o Criador sempre toma as melhores decisões possíveis e as executa da melhor maneira imaginável. Isso é verdadeira sabedoria! Jeová demonstra a veracidade da declaração de Jesus: “A sabedoria é provada justa pelas suas obras.” (Mateus 11:19) As obras de Deus espalhadas pelo Universo dão poderoso testemunho de sua sabedoria.

Indícios da sabedoria divina

9, 10. (a) Que tipo de sabedoria Jeová demonstra e como? (b) Como a célula dá indícios da sabedoria de Jeová?

9 Já ficou impressionado com o talento de um artesão que, de forma habilidosa, produz objetos lindos que funcionam bem? Esse é um tipo notável de sabedoria. (Êxodo 31:1-3) O próprio Jeová é a fonte e o maior detentor dessa sabedoria.  Sobre ele, o Rei Davi disse: “Elogiar-te-ei porque fui feito maravilhosamente, dum modo atemorizante. Teus trabalhos são maravilhosos, de que minha alma está bem apercebida.” (Salmo 139:14) De fato, quanto mais aprendemos sobre o corpo humano, mais nos maravilhamos da sabedoria de Jeová.

10 Para ilustrar: quando sua vida começou, você era uma única célula — um óvulo de sua mãe, fertilizado por um espermatozoide do seu pai. Logo, aquela célula começou a se dividir. Você, o produto final, tem uns 100 trilhões de células. Elas são minúsculas. Na cabeça de um alfinete cabem cerca de 10 mil células de tamanho médio. Mas cada uma delas é uma criação tão complexa que nos deixa pasmados. A célula é muito mais intrincada do que qualquer máquina ou fábrica humana. Os cientistas comparam-na a uma cidade murada: tem entradas e saídas vigiadas, sistema de transporte, rede de comunicações, usinas de energia, fábricas, centrais de tratamento de lixo e reciclagem, órgãos de defesa e até uma espécie de governo central no núcleo. Além disso, a célula pode fazer uma cópia completa de si mesma em poucas horas!

11, 12. (a) O que faz com que as células de um embrião em desenvolvimento se diferenciem, e como isso se harmoniza com o Salmo 139:16? (b) De que maneiras o cérebro humano mostra que nosso corpo foi “feito maravilhosamente”?

11 Naturalmente, nem todas as células são iguais. À medida que as células do embrião vão se dividindo, elas assumem funções bem distintas. Algumas se tornarão células nervosas; outras, células ósseas, musculares, sanguíneas ou oculares. Toda essa diferenciação está programada no “arquivo” de plantas genéticas da célula: o DNA. O interessante é que Davi foi inspirado a dizer sobre Jeová: “Teus olhos viram até mesmo meu embrião, e todas as suas partes estavam assentadas por escrito no teu livro.” — Salmo 139:16.

12 Alguns órgãos do corpo são extremamente complexos. Um exemplo disso é o cérebro humano. Alguns o chamam de o mais complexo objeto já descoberto no Universo. Contém  cerca de 100 bilhões de células nervosas; nossa galáxia tem mais ou menos a mesma quantidade de estrelas. Cada uma dessas células se ramifica, estabelecendo milhares de conexões com outras células. Os cientistas dizem que um cérebro humano poderia conter as informações de todas as bibliotecas do mundo e que, de fato, talvez seja impossível medir sua capacidade de armazenamento. Já faz décadas que os cientistas estudam esse órgão que foi “feito maravilhosamente”, mas admitem que talvez nunca consigam entender totalmente como ele funciona.

13, 14. (a) Como as formigas e outras criaturas demonstram que são “instintivamente sábias”, e o que isso nos ensina sobre o Criador delas? (b) Por que podemos dizer que criações como a teia de aranha foram feitas “em sabedoria”?

13 Os humanos, porém, são apenas um exemplo da sabedoria criativa de Jeová. O Salmo 104:24 diz: “Quantos são os teus trabalhos, ó Jeová! A todos eles fizeste em sabedoria. A terra está cheia das tuas produções.” A sabedoria de Jeová é evidente em todas as criações que nos rodeiam. As formigas, por exemplo, são “instintivamente sábias”. (Provérbios 30:24) Realmente, os formigueiros são muito bem organizados. Algumas colônias de formigas criam “gado”: cuidam, abrigam e se nutrem de insetos chamados afídeos. Há também formigas “agricultoras”, que cultivam “plantações” de fungos. Muitas outras criaturas foram programadas com um instinto que lhes permite fazer coisas notáveis. Uma mosca comum realiza feitos aeronáuticos que nem as mais avançadas aeronaves humanas são capazes de imitar. As aves migratórias se guiam pelas estrelas, pelo campo magnético da Terra ou por algum tipo de mapa interno. Os biólogos passam anos estudando os comportamentos sofisticados que foram programados nessas criaturas. Como deve ser sábio, então, o Programador divino!

14 Os cientistas já aprenderam muita coisa sobre a sabedoria criativa de Jeová. Existe até um ramo da engenharia,  chamado biomimética, que procura imitar os projetos encontrados na natureza. Por exemplo, talvez já tenha admirado a beleza de uma teia de aranha. Mas um engenheiro vê nela um projeto espetacular. Alguns desses fios que parecem tão frágeis são, proporcionalmente, mais resistentes do que o aço, mais fortes do que as fibras usadas em coletes à prova de bala. Uma comparação ajuda a entender como são resistentes: imagine uma teia de aranha que fosse ampliada em escala até ficar do tamanho de uma rede usada num barco de pesca. Uma teia dessas proporções conseguiria apanhar um avião de passageiros em pleno voo! De fato, Jeová fez todas as coisas “em sabedoria”.

Quem programou as criaturas da Terra de modo a serem “instintivamente sábias”?

Sabedoria fora da Terra

15, 16. (a) Os céus estrelados dão que evidência da sabedoria de Jeová? (b) Como a posição de Jeová, de Comandante Supremo de incontáveis milhões de anjos, demonstra que ele é um administrador sábio?

15 A sabedoria de Jeová é evidente em suas obras espalhadas por todo o Universo. As estrelas, que já analisamos um pouco no Capítulo 5, não estão espalhadas a esmo pelo espaço. Em sabedoria, Jeová estabeleceu as “leis dos céus”, de modo que o espaço está elegantemente organizado em galáxias estruturadas, agrupadas em aglomerados que, por sua vez, se juntam para formar superaglomerados. (Jó 38:33, A Bíblia de Jerusalém) Não é de admirar que Jeová se refira aos corpos celestes como “exército”. (Isaías 40:26) Mas existe outro exército que comprova de modo ainda mais notável a sabedoria de Jeová.

16 Como vimos no Capítulo 4, Deus tem o título de “Jeová dos exércitos” devido à sua posição como Comandante Supremo de um vasto exército de centenas de milhões de  criaturas espirituais. Isso evidencia o poder de Jeová. Mas como a sabedoria está envolvida? Pense no seguinte: Jeová e Jesus nunca ficam desocupados. (João 5:17) A conclusão lógica, portanto, é que os ministros angélicos do Altíssimo também estão sempre atarefados. E lembre-se de que eles são superiores aos humanos, superinteligentes e superpoderosos. (Hebreus 1:7; 2:7) Apesar disso, há bilhões de anos Jeová mantém todos esses anjos ocupados, fazendo alegremente trabalho significativo — “cumprindo a sua palavra” e “fazendo a sua vontade”. (Salmo 103:20, 21) A sabedoria desse Administrador é de fato impressionante!

Jeová é o “único sábio”

17, 18. Por que a Bíblia diz que Jeová é o “único sábio”, e por que sua sabedoria deve nos deixar abismados?

17 Em vista desses indícios, é de admirar que a Bíblia afirme que a sabedoria de Jeová é sem igual? Por exemplo, as Escrituras dizem que Jeová é o “único sábio”. (Romanos 16:27) Somente Ele possui sabedoria no grau absoluto; é a fonte de toda a verdadeira sabedoria. (Provérbios 2:6) É por isso que Jesus, embora fosse a mais sábia das criaturas de Jeová, não confiava na própria sabedoria, mas falava o que o Pai havia mandado. — João 12:48-50.

18 Note como o apóstolo Paulo descreveu a inigualável sabedoria de Jeová: “Ó profundidade das riquezas, e da sabedoria, e do conhecimento de Deus! Quão inescrutáveis são os seus julgamentos e além de pesquisa são os seus caminhos!” (Romanos 11:33) Note como Paulo iniciou o versículo com a exclamação “Ó”, que revela forte emoção, nesse caso, profunda reverência. O termo grego que ele usou para “profundidade” está diretamente relacionado com a palavra para “abismo”. Podemos, assim, formar uma vívida imagem mental. Quando refletimos na sabedoria de Jeová, é como se olhássemos para dentro de um precipício aparentemente sem fundo, tão profundo e vasto que não podemos sequer imaginar  sua imensidão — que dirá avaliar todos os seus detalhes! (Salmo 92:5) Não nos sentimos humildes ao pensar nisso?

19, 20. (a) Por que a águia é um símbolo apropriado da sabedoria divina? (b) Como Jeová demonstrou sua habilidade de ver o futuro?

19 Jeová é o “único sábio” também em outro sentido: somente ele é capaz de ver o futuro. Lembre-se de que Jeová usa a águia como símbolo da sabedoria divina. Uma águia-real pesa apenas uns cinco quilos, mas seus olhos são maiores do que os de um homem adulto. Sua visão é incrivelmente aguçada, permitindo que ela localize pequenas presas mesmo quando está voando a centenas de metros — ou talvez até a quilômetros — do chão! O próprio Jeová certa vez disse o seguinte sobre a águia: “Seus olhos olham para longe.” (Jó 39:29) De modo similar, Jeová pode olhar “para longe” no tempo — para o futuro!

20 A Bíblia tem muitas provas de que isso é verdade: centenas de profecias, ou seja, História escrita previamente. Entre as predições encontradas nas Escrituras estão o resultado de guerras, a ascensão e a queda de potências mundiais e até estratégias de batalha específicas que seriam usadas por comandantes militares. Algumas dessas foram proferidas com  centenas de anos de antecedência. — Isaías 44:25–45:4; Daniel 8:2-8, 20-22.

21, 22. (a) Por que não existe base para concluir que Jeová previu todas as escolhas que você fará na vida? Ilustre isso. (b) Como sabemos que a sabedoria de Jeová não é fria e insensível?

21 Significa isso, porém, que Deus já previu as escolhas que você fará na vida? Aqueles que pregam a doutrina da predestinação insistem em dizer que a resposta é Sim. Mas esse conceito na verdade rebaixa a sabedoria de Jeová, porque dá a entender que ele é incapaz de controlar sua habilidade de ver o futuro. Para ilustrar: digamos que sua voz fosse de uma beleza sem igual. Quer dizer, então, que você não teria escolha a não ser cantar dia e noite? Isso seria um absurdo! De modo similar, Jeová tem a habilidade de predizer o futuro, mas ele não a usa o tempo todo. Se fizesse isso, estaria infringindo nosso livre-arbítrio, uma dádiva preciosa que Jeová nunca revogará. — Deuteronômio 30:19, 20.

22 O pior é que a ideia da predestinação sugere que a sabedoria de Jeová é fria, desamorosa, insensível ou sem compaixão. Mas isso não é verdade. A Bíblia ensina que Jeová é “sábio de coração”. (Jó 9:4) Não que ele tenha um coração literal, mas a Bíblia muitas vezes usa esse termo com relação àquilo que a pessoa tem no íntimo, incluindo suas motivações e sentimentos, como o amor. Assim, a sabedoria de Jeová, como suas outras qualidades, é guiada pelo amor. — 1 João 4:8.

23. A superioridade da sabedoria de Jeová deve nos motivar a fazer o quê?

23 Naturalmente, a sabedoria de Jeová é perfeitamente confiável. É tão superior à nossa sabedoria que a Palavra de Deus nos incentiva amorosamente: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” (Provérbios 3:5, 6) Vamos agora analisar com cuidado a sabedoria de Jeová para que possamos nos achegar mais ao nosso Deus totalmente sábio.