Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 10

“Tornai-vos imitadores de Deus” no uso do poder

“Tornai-vos imitadores de Deus” no uso do poder

1. Com frequência, os humanos, que são imperfeitos, caem em que laço sutil?

“NÃO há poder sem sutil laço.” Essas palavras de uma poetisa do século 19 revelam um perigo insidioso: o mau uso do poder. Infelizmente, com muita frequência os humanos, que são imperfeitos, caem nesse laço. De fato, ao longo de toda a História, “homem tem dominado homem para seu prejuízo”. (Eclesiastes 8:9) O poder exercido sem amor tem resultado em indescritível sofrimento para a humanidade.

2, 3. (a) O que é notável quanto ao modo de Jeová usar o poder? (b) O que está incluído no nosso poder e como devemos usá-lo?

2 Não acha notável, então, que Jeová Deus nunca use mal seu poder ilimitado? Como notamos nos capítulos anteriores, ele sempre usa seu poder — criativo, de destruição, protetor ou de restauração — em harmonia com seus propósitos amorosos. Se analisarmos seu modo de usar o poder, sentiremos o desejo de nos achegar a ele. Isso, por sua vez, nos motivará a nos tornarmos “imitadores de Deus” ao usar nosso poder. (Efésios 5:1) Mas que poder nós, humanos frágeis, possuímos?

3 Lembre-se de que os humanos foram criados “à imagem de Deus” e à Sua semelhança. (Gênesis 1:26, 27) De modo que também temos certa medida de poder: o poder de fazer coisas, de trabalhar; o controle ou a autoridade sobre outros; a habilidade de influenciar outros, em especial os que nos amam; a força física (vigor); ou os recursos materiais. O salmista disse o seguinte a respeito de Jeová: “Contigo está a fonte da vida.” (Salmo 36:9) Portanto,  direta ou indiretamente, Deus é a fonte de todo poder legítimo que possamos ter. Assim, devemos usá-lo de forma a agradar a Ele. Como fazer isso?

O segredo é o amor

4, 5. (a) Qual é o segredo para usar corretamente o poder, e como o exemplo do próprio Deus demonstra isso? (b) Como o amor nos ajudará a usar corretamente nosso poder?

4 O segredo para usarmos corretamente o poder é o amor. O exemplo do próprio Deus demonstra isso. Lembre-se dos quatro atributos principais de Deus, analisados no Capítulo 1: poder, justiça, sabedoria e amor. Qual é a mais destacada dessas quatro qualidades? O amor. “Deus é amor”, diz 1 João 4:8. Na verdade, o amor é a própria essência do que Jeová é e influencia tudo o que ele faz. Assim, quando usa seu poder, o Criador sempre é motivado pelo amor e tem por objetivo final o bem dos que o amam.

5 O amor também nos ajudará a usar corretamente o poder. Afinal, a Bíblia diz que o amor é “benigno” e “não procura os seus próprios interesses”. (1 Coríntios 13:4, 5) Assim, ele não nos deixará agir de modo duro ou cruel para com os que estão debaixo de nossa autoridade. Pelo contrário, trataremos os outros com dignidade e colocaremos suas necessidades e sentimentos à frente dos nossos. — Filipenses 2:3, 4.

6, 7. (a) O que é o temor de Deus e por que essa qualidade nos ajudará a evitar usar mal o poder? (b) Ilustre a ligação que existe entre o temor de desagradar a Deus e o amor a Ele.

6 O amor está relacionado a outra qualidade que nos ajuda a usar bem o poder: o temor de Deus. Por que essa qualidade é importante? “No temor de Jeová a pessoa se desvia do mal”, diz Provérbios 16:6. O uso incorreto do poder sem dúvida está incluído entre as coisas más das quais devemos nos desviar. O temor de Deus impedirá que tratemos mal aqueles que estão sob nossa autoridade. Por quê? Um dos motivos  é que sabemos que teremos de prestar contas a Deus pelo modo como os tratamos. (Neemias 5:1-7, 15) Mas o temor de Deus envolve mais do que isso. Os termos para “temor” nas línguas originais muitas vezes se referem à profunda reverência a Deus e à admiração por ele. Assim, a Bíblia associa o temor com o amor a Deus. (Deuteronômio 10:12, 13) Essa admiração reverente inclui o temor saudável de desagradar a Deus, não apenas porque temos medo das consequências, mas porque realmente o amamos.

7 Para ilustrar: pense no bom relacionamento entre um garotinho e seu pai. O menino sente o interesse carinhoso e amoroso do pai por ele. Mas também sabe o que o pai exige dele e que vai discipliná-lo se ele se comportar mal. O menino não vive com um medo mórbido do pai. Pelo contrário, ele o ama muito. Procura agir de um modo que venha a ter a aprovação do pai. O mesmo se dá com o temor de Deus. Visto que amamos a Jeová, nosso Pai celestial, tememos fazer algo que o deixe “magoado no coração”. (Gênesis 6:6) Temos muita vontade de alegrar o coração Dele. (Provérbios 27:11) É por isso que nos esforçamos para usar corretamente nosso poder. Vamos analisar em mais detalhes como podemos fazer isso.

Na família

8. (a) Que autoridade o marido tem na família, e como se espera que ele a exerça? (b) Como o marido pode mostrar que honra a esposa?

8 Analisemos primeiro o círculo familiar. “O marido é cabeça de sua esposa”, diz Efésios 5:23. Como o marido deve exercer a autoridade que recebeu de Deus? A Bíblia diz que os maridos devem morar com a esposa “segundo o conhecimento, [atribuindo-lhe] honra como a um vaso mais fraco”. (1 Pedro 3:7) O substantivo grego traduzido “honra” significa “preço, valor, . . . respeito”. Algumas formas dessa palavra são traduzidas como “dádivas” e “precioso”. (Atos 28:10;  1 Pedro 2:7) O marido que honra a esposa nunca a ataca fisicamente, nem a humilha ou rebaixa, fazendo com que se sinta inútil. Ao contrário, ele reconhece o valor dela e a trata com respeito. Mostra por suas palavras e ações — em público e em particular — que ela é preciosa para ele. (Provérbios 31:28) O marido que age assim não só obtém o amor e o respeito da esposa, mas também, o que é mais importante, a aprovação de Deus.

Maridos e esposas usam corretamente seu poder tratando um ao outro com amor e respeito

9. (a) Que poder a esposa tem na família? (b) O que ajudará a esposa a usar suas habilidades para apoiar o marido, e com que resultado?

9 A esposa também tem certo poder na família. A Bíblia menciona mulheres tementes a Deus que, sem desrespeitar a chefia, tomaram a iniciativa, influenciando o marido de modo positivo ou ajudando-o a não cometer erros de critério. (Gênesis 21:9-12; 27:46–28:2) A esposa talvez tenha um raciocínio mais rápido do que o do marido, ou outras habilidades que ele não possui. Mesmo assim, ela deve ter “profundo respeito” por ele e ‘estar sujeita’ a ele “como ao Senhor”. (Efésios 5:22, 33) O desejo de agradar a Deus a ajudará a usar suas habilidades para apoiar o marido, em vez de rebaixá-lo ou tentar dominá-lo. Essa “mulher realmente sábia” coopera com o marido para edificar a família. Assim, ela mantém a paz com Deus. — Provérbios 14:1.

10. (a) Que autoridade Deus concedeu aos pais? (b) Qual é o sentido da palavra “disciplina” e como deve ser administrada? (Veja também a nota.)

10 Os pais também têm autoridade dada por Deus. A Bíblia incentiva: “Pais, não estejais irritando os vossos filhos, mas prossegui em criá-los na disciplina e na regulação mental de Jeová.” (Efésios 6:4) Na Bíblia, a palavra “disciplina” pode significar “criação, treinamento, instrução”. As crianças precisam de disciplina; elas crescem felizes quando têm orientações, restrições e limites claros. A Bíblia associa essa disciplina, ou instrução, com o amor. (Provérbios 13:24) Portanto, “a vara da disciplina” nunca deve ser usada de forma abusiva,  quer em sentido emocional quer físico. * (Provérbios 22:15; 29:15) Pais que disciplinam de forma rígida, cruel ou desamorosa estão abusando da autoridade e podem esmagar o espírito da criança. (Colossenses 3:21) Por outro lado, a disciplina equilibrada e administrada de forma correta demonstra para a criança que os pais a amam e se preocupam com o tipo de pessoa que ela está se tornando.

11. Como os filhos podem usar corretamente o seu poder?

11 E os filhos? Como podem usar corretamente o seu poder? “A beleza dos jovens é o seu poder”, diz Provérbios 20:29. Sem dúvida, o melhor modo de os jovens usarem sua força e seu vigor é servindo ao nosso “Grandioso Criador”. (Eclesiastes 12:1) É bom que os jovens se lembrem de que suas ações podem afetar os sentimentos dos pais. (Provérbios 23:24, 25) Quando os filhos obedecem aos pais tementes a Deus e seguem o caminho correto, alegram o coração dos pais. (Efésios 6:1) Agir assim é algo “bem agradável no Senhor”. — Colossenses 3:20.

Na congregação

12, 13. (a) Como os anciãos devem encarar sua autoridade na congregação? (b) Ilustre por que os anciãos devem tratar o rebanho com bondade.

12 Jeová providenciou que superintendentes tomassem a dianteira na congregação cristã verdadeira. (Hebreus 13:17) Esses homens qualificados devem usar a autoridade concedida por Deus para dar a ajuda necessária e contribuir para o bem-estar do rebanho. Será que, devido à sua posição, os anciãos têm o direito de dominar sobre os concrentes? De modo algum! Esses homens devem ter um conceito equilibrado e humilde sobre o seu papel na congregação.  (1 Pedro 5:2, 3) A Bíblia diz aos superintendentes: “[Pastoreiem] a congregação de Deus, que ele comprou com o sangue do seu próprio Filho.” (Atos 20:28) Esta última expressão revela uma razão muito importante para tratar cada membro do rebanho com bondade.

13 Para ilustrar isso, digamos que um grande amigo lhe pedisse para cuidar de um bem precioso. Você sabe que o seu amigo pagou um preço muito alto por ele. Não o trataria com delicadeza, com extremo cuidado? De modo similar, Deus encarregou os anciãos da responsabilidade de cuidar de um bem muito valioso: a congregação, cujos membros são comparados a ovelhas. (João 21:16, 17) Jeová considera suas ovelhas tão preciosas que as comprou com o sangue valioso do seu Filho unigênito, Jesus Cristo — o preço mais alto que Ele poderia ter pago por elas. Anciãos humildes não se esquecem disso e tratam as ovelhas de Jeová concordemente.

O “poder da língua”

14. Que poder tem a língua?

14 “Morte e vida estão no poder da língua”, diz a Bíblia. (Provérbios 18:21) De fato, a língua pode causar grandes estragos. Quem de nós nunca se sentiu magoado por um comentário impensado ou depreciativo? Mas a língua também tem o poder de curar. “A língua dos sábios é uma cura”, diz Provérbios 12:18. De fato, palavras positivas e benéficas são comparáveis a uma pomada suavizante e curativa para o coração. Veja alguns exemplos.

15, 16. De que maneiras podemos usar a língua para animar outros?

15 “Falai consoladoramente às almas deprimidas”, incentiva 1 Tessalonicenses 5:14. Até servos fiéis de Jeová vez por outra talvez tenham de lutar contra a depressão. Como podemos ajudá-los? Dê elogios sinceros a respeito de pontos específicos que os ajudem a ver como são preciosos aos olhos de Jeová. Leia com eles trechos das Escrituras que revelam como Jeová ama e se importa com os “que têm coração  quebrantado” e “espírito esmagado”. (Salmo 34:18) Quando usamos o poder da língua para consolar outros, imitamos nosso Deus compassivo, “que consola os abatidos”. — 2 Coríntios 7:6.

16 Também podemos usar o poder da língua para dar a outros o incentivo de que precisam. Conhece um concrente que perdeu uma pessoa querida? Palavras compassivas que expressem nossa preocupação ajudarão a consolar o coração do enlutado. Um irmão idoso está se sentindo inútil? Palavras compreensivas podem reanimar os idosos, assegurando-lhes que são valiosos e apreciados. Sabe de alguém que está lutando contra uma doença crônica? Palavras bondosas ditas pelo telefone ou pessoalmente podem contribuir muito para melhorar a disposição de ânimo do adoentado. Como nosso Criador deve ficar contente quando usamos o poder da fala para proferir uma palavra “boa para a edificação”! — Efésios 4:29.

Transmitir as boas novas — um modo excelente de usar nosso poder

17. De que maneira importante podemos usar a língua para o benefício de outros e por que devemos fazer isso?

17 Mas a maneira mais importante de usarmos o poder da  língua é transmitindo as boas novas do Reino de Deus a outros. “Não negues o bem àqueles a quem é devido, quando estiver no poder da tua mão fazê-lo”, diz Provérbios 3:27. É nossa obrigação transmitir a outros as boas novas de salvação. Não seria correto guardar para nós mesmos a mensagem urgente que Jeová nos transmitiu de forma tão generosa. (1 Coríntios 9:16, 22) Mas até que ponto Jeová espera que participemos dessa obra?

Sirvamos a Jeová com ‘toda a nossa força’

18. O que Jeová espera de nós?

18 O amor por Jeová nos leva a participar plenamente no ministério cristão. O que ele espera de nós nesse respeito?  Algo que todos nós, não importa a situação na vida, podemos dar: “O que for que fizerdes, trabalhai nisso de toda a alma como para Jeová, e não como para homens.” (Colossenses 3:23) Segundo Jesus, o maior mandamento de todos é: “Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de toda a tua mente, e de toda a tua força.” (Marcos 12:30) De modo que aquilo que Jeová espera de cada um de nós é que o amemos e o sirvamos de toda a alma.

19, 20. (a) Visto que a alma abrange o coração, a mente e a força, por que se mencionam essas outras faculdades em Marcos 12:30? (b) O que significa servir a Jeová de toda a alma?

19 O que significa servir a Deus de toda a alma? A alma se refere à pessoa como um todo, com todas as suas habilidades físicas e mentais. Visto que a alma abrange o coração, a mente e a força, por que se mencionam essas outras faculdades em Marcos 12:30? A seguinte ilustração nos ajudará a entender: nos tempos bíblicos, a pessoa podia vender a si mesma (a sua alma) como escrava. Mas o escravo talvez não servisse ao dono de todo o coração; é possível que não usasse toda sua energia ou todas as suas habilidades mentais em benefício do dono. (Colossenses 3:22) Assim, provavelmente Jesus mencionou essas outras faculdades para enfatizar que não devemos reter nada de Deus no nosso serviço a Ele. Servi-lo de toda a alma significa dar de nós mesmos, usando nossa força e energias ao máximo possível no seu serviço.

20 Será que o serviço de toda a alma significa que todos temos de gastar a mesma quantidade de tempo e energia no ministério? Isso seria impossível, porque as circunstâncias e habilidades diferem de pessoa para pessoa. Por exemplo, um jovem com boa saúde e vigor físico talvez possa gastar mais tempo na pregação do que aqueles  cuja força diminuiu devido à idade avançada. Uma pessoa solteira, livre de obrigações familiares, possivelmente conseguirá realizar mais do que aqueles que têm uma família para cuidar. Se nossa força e circunstâncias nos permitem fazer muito no ministério, devemos ser gratos por isso. Naturalmente, não devemos nos tornar críticos, comparando-nos com outros nessas questões. (Romanos 14:10-12) Em vez disso, queremos usar nosso poder para incentivar outros.

21. Qual é a melhor e mais importante maneira de usar nosso poder?

21 Jeová deu o exemplo perfeito em usar o poder corretamente. Nós, humanos imperfeitos, devemos nos esforçar para imitá-lo da melhor maneira possível. Podemos usar bem o poder tratando com dignidade os que estão sob nossa autoridade. Além disso, queremos realizar de toda a alma a obra salvadora de que Jeová nos incumbiu: a pregação. (Romanos 10:13, 14) Jeová fica muito contente quando vê que você — sua alma — está dando o seu melhor. Não se sente motivado de coração a fazer tudo o que pode no serviço desse Deus amoroso e compreensivo? Não existe maneira melhor ou mais importante de usar nosso poder.

^ parágrafo 10 Nos tempos bíblicos, a palavra hebraica para “vara” significava um bastão ou cajado, como o que o pastor usava para guiar as ovelhas. (Salmo 23:4) De modo similar, “a vara” de autoridade dos pais sugere orientação amorosa, não punição cruel ou brutal.