Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 8

Poder de restauração — Jeová ‘faz novas todas as coisas’

Poder de restauração — Jeová ‘faz novas todas as coisas’

1, 2. Que perdas afligem a família humana hoje, e como nos afetam?

JÁ VIU uma criança chorar de tristeza por ter perdido ou quebrado seu brinquedo preferido? É de partir o coração! Mas quando o pai ou a mãe encontra o brinquedo ou o conserta, o rosto da criança se ilumina com um sorriso! Para os pais, talvez tenha sido uma tarefa simples. Mas a criança fica muito contente e admirada. O que parecia perdido para sempre foi recuperado!

2 Jeová, o Pai supremo, tem o poder de recuperar, ou restaurar, o que seus filhos terrestres talvez encarem como perda irremediável. Naturalmente, não estamos falando de meros brinquedos. Nestes “tempos críticos, difíceis de manejar”, enfrentamos perdas muito mais sérias. (2 Timóteo 3:1-5) Muitas das coisas que as pessoas têm em alta estima parecem estar sempre em perigo — a casa, os bens, o emprego, até mesmo a saúde. Também nos entristece ver a destruição do meio ambiente e a extinção de muitas espécies de coisas vivas. No entanto, nada nos atinge mais duramente do que a morte de uma pessoa amada. Os sentimentos de perda e de impotência podem ser esmagadores. — 2 Samuel 18:33.

3. Que perspectiva consoladora apresenta Atos 3:21, e que meios Jeová usará para isso?

3 Portanto, como é consolador aprender a respeito do poder de restauração de Jeová! Conforme veremos, o número de coisas que Deus pode e vai restaurar para seus filhos terrestres é espantosamente grande. De fato, a Bíblia mostra que Jeová deseja o “restabelecimento de todas as coisas”. (Atos 3:21) Para isso, ele usará o Reino messiânico, governado por seu Filho, Jesus Cristo. As evidências mostram que esse Reino  começou a governar em 1914. * (Mateus 24:3-14) O que será restabelecido, ou restaurado? Vejamos alguns dos grandiosos atos de restauração de Jeová. Um desses já podemos ver e sentir. Outros ocorrerão em larga escala no futuro.

A restauração da adoração pura

4, 5. O que aconteceu com o povo de Deus em 607 AEC, e que esperança Jeová lhes deu?

4 Uma das coisas já restauradas por Jeová é a adoração pura. Para entendermos o que isso significa, examinemos brevemente a História do reino de Judá. Isso nos dará uma emocionante visão do poder de restauração de Jeová em ação. — Romanos 15:4.

5 Tente imaginar como os judeus fiéis se sentiram em 607 AEC, quando Jerusalém foi destruída. A amada cidade deles foi arruinada, suas muralhas foram derrubadas. Pior ainda, o glorioso templo construído por Salomão, que era o único centro da adoração pura de Jeová na Terra, ficou em ruínas. (Salmo 79:1) Os sobreviventes foram exilados para Babilônia, e a terra natal deles virou um desolado refúgio de animais selvagens. (Jeremias 9:11) Do ponto de vista humano, tudo parecia perdido. (Salmo 137:1) Mas Jeová, que muito antes havia predito essa destruição, apresentou a esperança de um futuro período de restauração.

6-8. (a) Que tema recorrente se encontra nos escritos dos profetas hebreus, e que cumprimento inicial tiveram essas profecias? (b) Nos tempos modernos, como se cumpriram no povo de Deus muitas profecias de restauração?

6 Realmente, a restauração era um tema recorrente nos escritos  dos profetas hebreus. * Por meio deles, Jeová prometera uma terra restaurada e repovoada, fértil, protegida contra animais selvagens e ataques de inimigos. Sua descrição da terra restaurada era de um autêntico paraíso! (Isaías 65:25; Ezequiel 34:25; 36:35) Acima de tudo, a adoração pura seria restabelecida e o templo, reconstruído. (Miqueias 4:1-5) Essas profecias deram esperança para os judeus exilados, ajudando-os a suportar o cativeiro de 70 anos em Babilônia.

7 Finalmente, chegara o tempo de restauração. Libertados de Babilônia, os judeus retornaram para Jerusalém e reconstruíram o templo de Jeová ali. (Esdras 1:1, 2) Enquanto praticavam a adoração pura, Jeová os abençoava e fazia com que a terra deles fosse fértil e próspera. Ele os protegia contra inimigos e os animais selvagens que, por décadas, haviam ocupado a terra. Quanta alegria deve ter-lhes dado o poder de restauração de Jeová! Mas esses acontecimentos eram apenas um cumprimento inicial e limitado das profecias de restauração. Viria um cumprimento maior “na parte final dos dias”, nos nossos tempos, quando o Herdeiro do Rei Davi, há muito prometido, estaria entronizado. — Isaías 2:2-4; 9:6, 7.

8 Pouco depois de ter sido entronizado no Reino celestial em 1914, Jesus passou a suprir as necessidades espirituais do povo fiel de Deus na Terra. Assim como o conquistador persa Ciro libertou um restante de judeus de Babilônia em 537 AEC, Jesus libertou um restante de judeus espirituais — seguidores de suas pisadas — da influência de uma Babilônia moderna, o império mundial da religião falsa. (Romanos 2:29; Revelação [Apocalipse] 18:1-5) De 1919 em diante, a adoração pura voltou a ocupar o lugar correto na vida dos cristãos genuínos. (Malaquias 3:1-5) Desde então, o povo de Jeová o adora no Seu templo espiritual purificado — Seu sistema de adoração pura. Por que isso é importante para nós hoje?

 Restauração espiritual — Por que é importante?

9. Depois da era apostólica, como as religiões da cristandade deturparam a adoração divina, mas o que Jeová fez em nossos dias?

9 Analise a História. Os cristãos no primeiro século tiveram muitas bênçãos espirituais. Mas Jesus e os apóstolos predisseram que a adoração verdadeira seria corrompida e desapareceria. (Mateus 13:24-30; Atos 20:29, 30) Depois da era apostólica, surgiu a cristandade. Seu clero adotou ensinos e práticas pagãs. Além disso, tornou praticamente impossível achegar-se a Deus, retratando-o como uma incompreensível Trindade, ensinando o povo a confessar pecados a sacerdotes e a orar a Maria e a vários “santos”, em vez de a Jeová. Essa falsidade persistiu por muitos séculos, mas o que Jeová fez então? No meio do mundo atual — abarrotado de mentiras religiosas e poluído por práticas pecaminosas —, ele interveio e restaurou a adoração pura! Pode-se dizer, sem exagero, que essa restauração é um dos acontecimentos mais importantes dos tempos modernos.

10, 11. (a) O paraíso espiritual abrange que dois aspectos e como isso o afeta? (b) Que tipo de pessoas Jeová tem trazido ao paraíso espiritual, e o que elas terão o privilégio de presenciar?

10 Por isso, os cristãos verdadeiros na atualidade desfrutam um paraíso espiritual. O que esse paraíso abrange? Primariamente, dois aspectos. O primeiro é a adoração pura do Deus verdadeiro, Jeová. Ele nos abençoou com uma forma de adoração sem mentiras e distorções. E também nos abençoou com alimento espiritual. Assim, podemos aprender a respeito de nosso Pai celestial, agradá-lo e nos achegar a ele. (João 4:24) O segundo aspecto do paraíso espiritual envolve pessoas. Conforme Isaías predisse, “na parte final dos dias” Jeová ensina seus adoradores a serem pacíficos. Ele aboliu a guerra entre nós. Apesar de nossas imperfeições, ele nos ajuda a desenvolver a “nova personalidade”. Abençoa nossos esforços dando-nos seu espírito santo, que produz excelentes qualidades  em nós. (Efésios 4:22-24; Gálatas 5:22, 23) Se você age em harmonia com o espírito de Deus, realmente faz parte do paraíso espiritual.

11 Jeová tem trazido a esse paraíso espiritual o tipo de pessoas que ele ama — pessoas que o amam, que amam a paz e estão ‘cônscias de sua necessidade espiritual’. (Mateus 5:3) Elas terão o privilégio de presenciar uma restauração ainda mais espetacular — da humanidade e da Terra inteira.

“Eis que faço novas todas as coisas”

12, 13. (a) Por que as profecias de restauração ainda terão de ter outro cumprimento? (b) Qual é o propósito de Jeová para a Terra, conforme declarado no Éden, e por que isso nos dá esperança?

12 Muitas das profecias de restauração se referem a mais do que apenas uma restauração espiritual. Isaías, por exemplo, escreveu a respeito de um tempo em que doentes, deficientes físicos, cegos e surdos seriam curados e até mesmo a morte seria eliminada para sempre. (Isaías 25:8; 35:1-7) Tais promessas não se cumpriram literalmente no Israel antigo. E, embora elas se cumpram em nossos dias em sentido espiritual, há todos os motivos para crer que, no futuro, haverá um cumprimento literal em plena escala. Como sabemos disso?

13 Lá no Éden, Jeová deixou claro qual era seu propósito para a Terra: ser habitada por uma família humana feliz, sadia e unida. O homem e a mulher cuidariam deste planeta e de todas as suas criaturas, transformando todo ele num paraíso. (Gênesis 1:28) Isso é bem diferente de como as coisas são hoje em dia. Mas você pode estar certo disto: os propósitos de Jeová nunca falham. (Isaías 55:10, 11) Jesus, como Rei messiânico designado por Jeová, tornará realidade esse Paraíso global. — Lucas 23:43.

14, 15. (a) Como Jeová fará “novas todas as coisas”? (b) Como será a vida no Paraíso, e que aspecto mais o atrai?

14 Imagine ver a Terra inteira ser transformada num  Paraíso! Jeová diz a respeito daquele tempo: “Eis que faço novas todas as coisas.” (Revelação 21:5) Pense no que isso significará. Depois de Jeová ter usado seu poder de destruição contra este perverso velho sistema, existirão “novos céus e uma nova terra”. Isso significa que um novo governo regerá do céu uma nova sociedade terrestre composta de pessoas que amam a Jeová e fazem a Sua vontade. (2 Pedro 3:13) Satanás e seus demônios estarão fora de ação. (Revelação 20:3) Pela primeira vez em milhares de anos, a humanidade ficará livre dessa influência corrompedora, odiosa e prejudicial. Que sensação de alívio!

15 Finalmente, poderemos cuidar deste belo planeta como deveria ter sido desde o princípio. A Terra tem capacidades naturais de recuperação. Lagos e rios poluídos limparão a si mesmos se a fonte da poluição for eliminada; paisagens danificadas pela guerra podem se recuperar, se os conflitos cessarem. Que prazer será trabalhar em harmonia com as leis naturais da Terra, ajudando a transformá-la num parque ajardinado, um Éden global de infinita variedade! Em vez de levianamente exterminar espécies animais e vegetais, o homem estará em paz com toda a criação na Terra. Nem mesmo as crianças terão qualquer temor dos animais selvagens. — Isaías 9:6, 7; 11:1-9.

16. No Paraíso, que restauração afetará todas as pessoas fiéis?

16 Teremos uma restauração também em nível pessoal. Após o Armagedom, os sobreviventes presenciarão curas milagrosas em escala global. Como fez quando esteve na Terra, Jesus usará o poder divino para restaurar a visão aos cegos, a audição aos surdos e corpos sadios e normais aos deficientes físicos e aos doentes. (Mateus 15:30) Os idosos ficarão felizes ao recuperar a força, a saúde e o vigor da juventude. (Jó 33:25) As rugas desaparecerão, os membros se regenerarão e os músculos recuperarão o vigor. Todos os humanos obedientes sentirão os efeitos do pecado e da imperfeição  diminuir gradativamente, até desaparecer. Quanta gratidão sentiremos a Jeová Deus por seu maravilhoso poder de restauração! Focalizemos agora um aspecto especialmente animador desse emocionante tempo de restauração.

Mortos voltarão a viver

17, 18. (a) Por que Jesus repreendeu os saduceus? (b) Que circunstâncias levaram Elias a pedir a Jeová que realizasse uma ressurreição?

17 No primeiro século EC, alguns líderes religiosos, chamados saduceus, não criam na ressurreição. Jesus os repreendeu com as palavras: “Estais equivocados, porque não conheceis nem as Escrituras, nem o poder de Deus.” (Mateus 22:29) Sim, as Escrituras revelam que Jeová tem esse poder de restauração. Como assim?

18 Visualize o que aconteceu nos dias de Elias. Uma viúva segurava nos braços o corpo inerte de seu filho único. O menino estava morto. O profeta Elias, que havia sido hóspede dela por algum tempo, com certeza estava chocado. Anteriormente, ele havia ajudado a salvar essa criança da inanição. É provável que Elias tivesse se apegado ao garoto. A mãe estava arrasada. O menino era a única lembrança viva de seu falecido esposo. Ela talvez esperasse que esse filho cuidasse dela na velhice. Desolada, a viúva temia estar sendo punida por algum erro do passado. Elias não suportou ver essa tragédia. Com cuidado, apanhou o cadáver do colo da mãe, subiu ao seu quarto e pediu a Jeová que restaurasse a alma, ou vida, da criança. — 1 Reis 17:8-21.

19, 20. (a) Como Abraão mostrou que tinha fé no poder de restauração de Jeová, e qual era a base dessa fé? (b) Como Jeová recompensou a Elias por sua fé?

19 Elias não foi a primeira pessoa a crer na ressurreição. Séculos antes, Abraão já acreditava que Jeová tem tal poder de restauração — e com bons motivos. Quando Abraão tinha 100 anos de idade e Sara tinha 90, Jeová restaurou as faculdades reprodutivas do casal, tornando possível que Sara  milagrosamente tivesse um filho. (Gênesis 17:17; 21:2, 3) Mais tarde, quando o filho já era adulto, Jeová pediu a Abraão que o sacrificasse. Abraão mostrou fé, reconhecendo que Jeová poderia restaurar a vida de seu amado Isaque. (Hebreus 11:17-19) Essa forte fé talvez explique por que Abraão, antes de subir ao monte para oferecer seu filho, garantiu aos seus servos que ele e Isaque voltariam juntos. — Gênesis 22:5.

“Vê, teu filho está vivo”!

20 Jeová poupou Isaque, de modo que não foi preciso uma ressurreição naquela ocasião. No caso de Elias, porém, o filho da viúva já estava morto — mas não por muito tempo. Jeová recompensou a fé do profeta ressuscitando a criança. Em seguida, Elias entregou o menino à mãe, com estas palavras inesquecíveis: “Vê, teu filho está vivo”! — 1 Reis 17:22-24.

21, 22. (a) Qual foi o objetivo das ressurreições registradas nas Escrituras? (b) Qual será a extensão da ressurreição no Paraíso e quem a realizará?

21 Essa é a primeira vez, no registro bíblico, em que vemos Jeová usar seu poder para restaurar uma vida humana. Mais tarde, Jeová também capacitou Eliseu, Jesus, Paulo e Pedro para ressuscitar mortos. Naturalmente, os que foram ressuscitados por fim morreram de novo. Mas esses relatos bíblicos indicam maravilhosas perspectivas para o futuro.

22 No Paraíso, Jesus cumprirá seu papel de ser “a ressurreição e a vida”. (João 11:25) Ele ressuscitará incontáveis milhões de pessoas, dando-lhes a oportunidade de viverem para sempre no Paraíso na Terra. (João 5:28, 29) Imagine o reencontro de amigos e parentes, há muito separados pela morte, ao se abraçarem — quase fora de si de tanta alegria! Toda a humanidade louvará a Jeová por esse poder de restauração.

23. Qual foi a maior de todas as demonstrações do poder de Jeová? Que garantia isso nos dá para o futuro?

 23 Jeová forneceu uma garantia sólida como uma rocha de que tais esperanças são seguras. Na maior de todas as demonstrações de poder, ele ressuscitou seu Filho, Jesus, como poderosa criatura espiritual, colocando-o numa posição inferior apenas à Sua própria. O ressuscitado Jesus apareceu a centenas de testemunhas oculares. (1 Coríntios 15:5, 6) Até mesmo para os cépticos, essa evidência deve ser conclusiva. Jeová tem o poder de restaurar a vida.

24. Por que podemos ter certeza de que Jeová ressuscitará os mortos? Que esperança cada um de nós pode prezar?

24 Jeová não apenas tem o poder de ressuscitar os mortos, mas também o desejo de fazer isso. Pelo que o fiel Jó foi inspirado a dizer podemos deduzir que Jeová realmente anseia ressuscitar os mortos. (Jó 14:15) Não se sente atraído ao nosso Deus, que está ansioso de usar seu poder de restauração de maneira tão amorosa? Lembre-se, porém, de que a ressurreição é apenas um dos aspectos da futura grande obra de restauração de Jeová. Ao se achegar cada vez mais a ele, preze sempre a preciosa esperança de poder estar presente para ver Jeová ‘fazer novas todas as coisas’. — Revelação 21:5.

^ parágrafo 3 “Os tempos do restabelecimento de todas as coisas” começaram quando o Reino messiânico foi estabelecido, tendo no trono um herdeiro do fiel Rei Davi. Jeová havia prometido a Davi que um herdeiro seu seria rei para sempre. (Salmo 89:35-37) Mas, depois que Babilônia destruiu Jerusalém, em 607 AEC, nenhum descendente humano de Davi ocupou o trono de Deus. Após algum tempo, Jesus nasceu na Terra como herdeiro de Davi. Quando foi entronizado no céu, Jesus tornou-se aquele Rei há muito prometido.

^ parágrafo 6 Por exemplo, Moisés, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Oseias, Joel, Amós, Obadias, Miqueias e Sofonias abordaram esse tema.