Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 27

“Quão grande é a sua bondade!”

“Quão grande é a sua bondade!”

1, 2. O que a bondade de Deus inclui, e como a Bíblia enfatiza essa qualidade?

BANHADO pelo reflexo de um belíssimo pôr do sol, um grupo de amigos faz uma refeição ao ar livre — riem e conversam, enquanto admiram a paisagem. Longe dali, um agricultor olha para as plantações e sorri satisfeito — estão se formando nuvens escuras que logo trarão as primeiras gotas de chuva. Em outro lugar, um homem e a esposa ficam orgulhosos de ver o filhinho dar os primeiros passos inseguros.

2 Quer se deem conta disso quer não, todas essas pessoas estão se beneficiando da mesma coisa: a bondade de Jeová Deus. É comum ouvirmos pessoas religiosas dizerem: “Deus é bom!” Mas a Bíblia é muito mais enfática. Ela diz: “Quão grande é a sua bondade!” (Zacarias 9:17) Parece, contudo, que poucas pessoas hoje sabem realmente o que significam essas palavras. O que, de fato, está envolvido na bondade de Jeová Deus? Como essa qualidade divina afeta cada um de nós?

Uma faceta notável do amor de Deus

3, 4. O que é bondade, e por que é mais correto descrever a bondade de Jeová como expressão do seu amor?

3 Em muitas línguas modernas, “bondade” é um termo um tanto genérico. Seu uso bíblico, porém, é bem diferente. Primariamente, essa palavra refere-se a virtude e excelência moral. Pode-se dizer, então, que a bondade faz parte da própria natureza de Jeová. Todos os seus atributos — incluindo poder, justiça e sabedoria — são inteiramente bons. Mas é mais correto descrever a bondade como expressão do amor de Jeová. Por quê?

 4 A bondade é uma qualidade ativa, expressa em ações para com outros. Segundo o apóstolo Paulo, as pessoas se sentem mais atraídas a quem é bondoso do que a um justo. (Romanos 5:7) Pode-se confiar em que alguém justo siga fielmente os requisitos legais; mas quem é bom faz mais do que isso. Ele toma a iniciativa, procurando meios de beneficiar outros. Como veremos, é nesse sentido que Jeová é bom. A bondade divina deriva do seu amor infinito.

5-7. Por que Jesus se recusou a ser chamado de “Bom Instrutor”, e que verdade profunda ele queria ensinar?

5 No que se refere à bondade, Jeová é inigualável. Pouco antes da morte de Jesus, um homem se aproximou dele para fazer uma pergunta e chamou-o de “Bom Instrutor”. Jesus respondeu: “Por que me chamas de bom? Ninguém é bom, exceto um só, Deus.” (Marcos 10:17, 18) Bem, você talvez fique um pouco perplexo com essa resposta. Por que Jesus corrigiu aquele homem? Afinal, Jesus era um “Bom Instrutor”, não era?

6 É evidente que o homem usou as palavras “Bom Instrutor” como título lisonjeiro. Jesus modestamente direcionou toda a glória ao seu Pai celestial, que é bom em sentido absoluto. (Provérbios 11:2) Mas Jesus também estava explicando uma verdade profunda: Jeová fornece o único padrão pelo qual se pode determinar o que é bom. Somente ele tem o direito soberano de especificar o que é bom e o que é mau. Quando Adão e Eva, de forma rebelde, comeram da árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau, tentaram reivindicar para si esse direito. Diferentemente deles, Jesus de maneira humilde deixa que seu Pai decida esses assuntos.

7 Além disso, Jesus sabia que Jeová é a fonte de tudo o que é realmente bom. Ele é o Dador de “toda boa dádiva e todo presente perfeito”. (Tiago 1:17) Vejamos como a generosidade de Jeová revela sua bondade.

 Provas da imensa bondade de Jeová

8. Como Jeová demonstra bondade para com toda a humanidade?

8 Todos os humanos já se beneficiaram da bondade de Jeová. O Salmo 145:9 diz: “Jeová é bom para com todos.” Quais são alguns exemplos de sua bondade ilimitada? A Bíblia diz: “Não se deixou sem testemunho, por fazer o bem, dando-vos chuvas do céu e estações frutíferas, enchendo os vossos corações plenamente de alimento e de bom ânimo.” (Atos 14:17) Já sentiu aquela sensação de prazer ao saborear uma deliciosa refeição? Se não fosse pela bondade de Jeová em projetar a Terra com seu suprimento reciclável de água doce e com “estações frutíferas” que produzem muito alimento, não haveria refeições. Jeová demonstra essa bondade não só para com os que o amam, mas para com todos. Jesus disse: “Ele faz o seu sol levantar-se sobre iníquos  e sobre bons, e faz chover sobre justos e sobre injustos.” — Mateus 5:45.

Jeová nos dá “chuvas do céu e estações frutíferas”

9. Como a maçã ilustra a bondade de Jeová?

9 Muitos tratam com descaso a impressionante generosidade que Jeová demonstra à humanidade ao fornecer continuamente sol, chuva e estações frutíferas. Por exemplo, pense na maçã. Trata-se de uma fruta muito comum nas regiões de clima temperado. É bonita, deliciosa, suculenta, refrescante e cheia de nutrientes vitais. Sabia que, no mundo todo, há cerca de 7.500 variedades de maçã? Existem maçãs das mais variadas cores (vermelhas, douradas, amarelas, verdes) e tamanhos (algumas são pouco maiores que uma  cereja; outras, pouco menores que um coco). Uma semente de maçã parece insignificante. Mas quando cresce se torna uma das árvores mais bonitas que existe. (O Cântico de Salomão 2:3) Na primavera, a macieira fica coberta por um lindíssimo manto de flores; no outono, produz os frutos. A produção média anual de uma macieira — que dá frutos por cerca de 75 anos — é suficiente para encher 20 caixotes de quase 20 quilos cada um!

Desta semente pequena nasce uma árvore que, por décadas, alimenta e dá prazer às pessoas

10, 11. Como os nossos sentidos demonstram a bondade de Deus?

10 Na sua infinita bondade, Jeová providenciou que nosso corpo fosse “feito maravilhosamente”, com sentidos que nos ajudam a perceber suas obras e ter prazer com elas. (Salmo 139:14) Pense de novo nas cenas descritas na introdução deste capítulo. O sentido da visão é que tornou esses momentos agradáveis. As bochechas coradas de uma criança feliz; a chuva caindo sobre os campos; o vermelho, dourado e violeta do pôr do sol — tudo isso agrada ao olho humano, que é capaz de distinguir mais de 300 mil cores! E o sentido da audição nos permite notar as nuances de tom de voz de uma pessoa querida, o sussurro do vento entre as árvores, a risada gostosa de uma criancinha. Por que conseguimos desfrutar essas vistas e sons? A Bíblia diz: “O ouvido que ouve e o olho que vê — o próprio Jeová é que fez a ambos.” (Provérbios 20:12) Mas esses são apenas dois dos sentidos.

11 O olfato é outra prova da bondade de Jeová. O nariz humano é capaz de distinguir uns 10 mil odores. Pense em alguns deles: sua comida favorita, flores, folhas caídas, a fumaça de uma lareira aconchegante. E o sentido do tato permite que você sinta a brisa suave no rosto, o abraço amigo de alguém que você ama, a suavidade de uma fruta. Quando você dá uma mordida nela, entra em ação o paladar. Sua boca é inundada por uma mistura de sabores sutis,  à medida que as papilas gustativas captam a complexa composição química da fruta. De fato, temos motivos de sobra para exclamar sobre Jeová: “Quão abundante é a tua bondade que entesouraste para os que te temem!” (Salmo 31:19) Mas como Jeová ‘entesoura’ bondade para os que têm temor dele?

Os benefícios eternos da bondade

12. Quais são as dádivas mais importantes de Jeová e por quê?

12 Jesus disse: “Está escrito: ‘O homem tem de viver, não somente de pão, mas de cada pronunciação procedente da boca de Jeová.’” (Mateus 4:4) De fato, as dádivas espirituais de Jeová podem nos beneficiar muito mais do que as físicas, pois resultam em vida eterna. No Capítulo 8 deste livro, vimos que Jeová usou seu poder restaurador nestes últimos dias para fazer surgir um paraíso espiritual. Uma das principais características desse paraíso é que nele há fartura de alimento espiritual.

13, 14. (a) Que visão o profeta Ezequiel teve, e qual o significado dela para nós hoje? (b) Que dádivas espirituais vitalizadoras Jeová faz para seus servos fiéis?

13 Numa das grandes profecias bíblicas sobre restauração, o profeta Ezequiel recebeu uma visão dum templo restaurado e glorificado, de onde fluía um rio, que se alargava e aprofundava até se tornar uma “torrente de tamanho duplo”. Por todo lugar onde passava, aquele rio trazia bênçãos. Nas suas margens, cresciam árvores que forneciam alimento e cura. O rio até mesmo trouxe vida e prosperidade ao mar Morto, que é extremamente salgado e sem vida. (Ezequiel 47:1-12) Mas o que significava tudo isso?

14 A visão indicava que Jeová restauraria sua adoração pura, conforme representada pelo templo que Ezequiel viu. Como o rio daquela visão, as dádivas de Deus para a vida  fluiriam para o Seu povo em quantidades cada vez maiores. Desde que a adoração pura foi restaurada em 1919, Jeová tem abençoado seu povo com dádivas vitalizadoras. Como? Bíblias, publicações bíblicas, reuniões e congressos levam verdades vitais a milhões de pessoas. Por esses meios, Jeová lhes ensina sobre sua dádiva mais importante para a vida: o sacrifício de resgate de Cristo, que torna possível que todos os que realmente amam e temem a Deus tenham uma posição limpa perante ele e esperança de vida eterna. * Assim, ao longo desses últimos dias, ao passo que o mundo está espiritualmente faminto, o povo de Jeová usufrui um banquete espiritual. — Isaías 65:13.

15. Em que sentido a bondade de Jeová fluirá para a humanidade durante o Reinado Milenar de Cristo?

15 Mas o rio da visão de Ezequiel não vai parar de correr quando este velho sistema chegar ao fim. Pelo contrário, ele fluirá com ímpeto ainda maior durante o Reinado Milenar de Cristo. Então, por meio do Reino messiânico, Jeová aplicará o pleno valor do sacrifício de Jesus, elevando gradativamente a humanidade fiel à perfeição. Como exultaremos então por causa da bondade de Jeová!

Facetas adicionais da bondade de Jeová

16. Como a Bíblia mostra que a bondade de Jeová inclui outras qualidades, e quais são algumas dessas?

16 A bondade divina envolve mais do que generosidade. Deus disse a Moisés: “Eu mesmo farei toda a minha bondade passar diante da tua face e vou declarar diante de ti o nome de Jeová.” Mais adiante o relato diz: “Jeová ia passando diante da sua face e declarando: ‘Jeová, Jeová, Deus  misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade.’” (Êxodo 33:19; 34:6) Assim, a bondade de Jeová inclui várias qualidades excelentes. Vamos analisar só duas delas.

17. Como Jeová lida com meros humanos imperfeitos, e que qualidade faz com que ele aja assim?

17 “Clemente.” Essa qualidade de Jeová faz com que ele seja educado e acessível ao lidar com suas criaturas. Em vez de ser grosseiro, frio ou tirânico, como muitas vezes são os que detêm poder, Jeová é gentil e bondoso. Por exemplo, Jeová disse a Abrão: “Levanta os teus olhos, por favor, e olha desde o lugar onde estás, para o norte, e para o sul, e para o leste, e para o oeste.” (Gênesis 13:14) Muitas traduções omitem a expressão “por favor”. Mas eruditos bíblicos afirmam que a fraseologia usada no hebraico original inclui uma partícula que transforma uma ordem em um pedido educado. Há outras ocorrências semelhantes. (Gênesis 31:12; Ezequiel 8:5) Imagine só: o Soberano do Universo diz “por favor” a meros humanos! Num mundo onde a grosseria, a agressividade e a descortesia são a norma, não é reanimador lembrar-nos de que o nosso Deus clemente, Jeová, é educado e acessível?

18. Em que sentido Jeová é “abundante em . . . verdade”, e por que essas palavras são reanimadoras?

18 “Abundante em . . . verdade.” A desonestidade é comum no mundo hoje. Mas a Bíblia nos lembra: “Deus não é homem para mentir.” (Números 23:19) De fato, Tito 1:2 diz que “Deus . . . não pode mentir”. Ele é bom demais para isso. Assim, as promessas de Jeová são completamente dignas de confiança; sua palavra sempre se cumpre. Ele é até mesmo chamado de “Deus da verdade”. (Salmo 31:5) Além de não mentir, ele transmite uma abundância de verdades. Não é reservado, fechado ou cheio de segredos; pelo contrário, ele generosamente usa sua infindável sabedoria para  dar esclarecimentos aos seus servos fiéis. * Ele até mesmo os ensina a viver de acordo com as verdades que transmite, de modo que possam continuar “andando na verdade”. (3 João 3) Que efeito a bondade de Jeová deveria ter em cada um de nós?

‘Fique radiante com a bondade de Jeová’

19, 20. (a) Como Satanás procurou abalar a confiança de Eva na bondade de Jeová, e qual foi o resultado? (b) A bondade de Jeová deve ter que efeito sobre nós, e por quê?

19 Quando Satanás tentou Eva no jardim do Éden, sua primeira tática foi abalar sutilmente a confiança dela na bondade de Jeová. O Criador dissera a Adão: “De toda árvore do jardim podes comer à vontade.” Dos milhares de árvores que devem ter adornado aquele jardim, Jeová reservara apenas uma. Mas note como Satanás formulou sua primeira pergunta a Eva: “É realmente assim que Deus disse, que não deveis comer de toda árvore do jardim?” (Gênesis 2:9, 16; 3:1) Satanás distorceu as palavras de Jeová para fazer Eva pensar que Ele a estava impedindo de ter algo bom. Infelizmente, a tática funcionou. Eva, como muitos homens e mulheres depois dela, começou a duvidar da bondade de Deus, a fonte de tudo o que ela possuía.

20 Todos sabemos quais foram os lastimáveis resultados dessas dúvidas. Por isso, tenhamos bem em mente as palavras de Jeremias 31:12: “Certamente . . . ficarão radiantes com a bondade de Jeová.” A bondade de Deus deveria, de fato, nos deixar extremamente alegres. Não precisamos duvidar das motivações de nosso Deus bondoso. Podemos confiar totalmente nele, porque ele deseja só o bem para aqueles que o amam.

21, 22. (a) De que maneiras você pode corresponder à bondade de Jeová? (b) Que qualidade analisaremos no próximo capítulo, e em que ela difere da bondade?

 21 Além disso, ficamos contentes quando temos oportunidades de falar a outros sobre a bondade de Deus. A respeito do Seu povo, o Salmo 145:7 diz: “Transbordarão com a menção da abundância da tua bondade.” A cada dia da nossa vida, nos beneficiamos de alguma forma da bondade de Jeová. Que tal tomar por hábito agradecer a Jeová todo dia por sua bondade, sendo o mais específico possível? Se pensarmos nessa qualidade, agradecermos a Jeová diariamente por demonstrá-la e falarmos a outros sobre ela, ficará mais fácil imitarmos nosso Deus bondoso. E à medida que buscarmos maneiras de fazer o que é bom, como Jeová faz, nos achegaremos cada vez mais a ele. O idoso apóstolo João escreveu: “Amado, sê imitador, não daquilo que é mau, mas daquilo que é bom. Quem faz o bem origina-se de Deus.” — 3 João 11.

22 A bondade de Jeová está relacionada a outras qualidades. Por exemplo, Deus é “abundante em benevolência”, ou amor leal. (Êxodo 34:6) Essa qualidade é mais específica do que a bondade, pois Jeová a expressa em especial para com seus servos fiéis. No próximo capítulo, aprenderemos como ele faz isso.

^ parágrafo 14 O resgate é o maior exemplo da bondade de Jeová. Entre os milhões de criaturas espirituais que Jeová poderia ter escolhido, ele selecionou seu amado Filho unigênito para morrer a nosso favor.

^ parágrafo 18 Apropriadamente, a Bíblia relaciona verdade com luz. “Envia tua luz e tua verdade”, cantou o salmista. (Salmo 43:3) Jeová emite muita luz espiritual para os que se dispõem a ser ensinados, ou esclarecidos, por ele. — 2 Coríntios 4:6; 1 João 1:5.