Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 26

Um Deus “pronto a perdoar”

Um Deus “pronto a perdoar”

1-3. (a) Que fardo pesado o salmista Davi tinha de levar e como ele obteve consolo para o seu coração aflito? (b) Quando pecamos, que fardo talvez tenhamos de suportar, mas o que Jeová nos assegura?

“MEUS próprios erros passaram acima da minha cabeça”, escreveu o salmista Davi. “Iguais a uma carga pesada, são pesados demais para mim. Fiquei entorpecido e quebrantado ao extremo.” (Salmo 38:4, 8) Davi sabia que o fardo duma consciência culpada podia ser muito pesado. Mas ele obteve consolo para seu coração aflito. Estava ciente de que, embora odeie o pecado, Jeová não odeia o pecador, desde que este realmente se arrependa e rejeite seu proceder pecaminoso. Com plena fé na disposição de Jeová de conceder misericórdia aos arrependidos, Davi disse: “Tu, ó Jeová, . . . estás pronto a perdoar.” — Salmo 86:5.

2 Quando pecamos, talvez tenhamos de suportar, também, o fardo esmagador duma consciência pesada. Mas sentir remorso é saudável, porque pode induzir-nos a tomar medidas positivas para corrigir nossos erros. Há o perigo, contudo, de sermos esmagados pela culpa. Nosso coração talvez nos condene, insistindo que Jeová nunca nos perdoará, não importa quanto estejamos arrependidos. Se formos ‘tragados’ pela culpa, Satanás tentará nos fazer acreditar que Jeová nos considera inúteis ou que não somos dignos de servi-lo e que, portanto, só nos resta desistir. — 2 Coríntios 2:5-11.

3 É isso que Jeová pensa? De modo algum! O perdão é um aspecto do seu grande amor. Em sua Palavra, ele nos assegura que, quando mostramos genuíno arrependimento de coração, ele está disposto a nos perdoar. (Provérbios 28:13) Para que nunca cheguemos à conclusão de que o perdão de Deus é inalcançável para nós, vamos examinar por que e como ele perdoa.

 Por que Jeová está “pronto a perdoar”

4. De que Jeová se lembra quanto à nossa natureza, e como isso afeta o modo como ele nos trata?

4 Jeová está ciente das nossas limitações. “Ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó”, diz o Salmo 103:14. Ele não se esquece de que somos criaturas de pó, fracas devido à imperfeição. A declaração de que ele conhece “a nossa formação” lembra-nos de que, na Bíblia, Jeová é comparado a um oleiro, e nós a vasos de barro que ele molda. * (Jeremias 18:2-6) O Grande Oleiro modera seus tratos conosco por causa da fragilidade de nossa natureza pecaminosa e de acordo com o modo como reagimos à sua orientação.

5. Como o livro de Romanos descreve até que ponto vai o domínio do pecado sobre nós?

5 Jeová entende o poder que o pecado exerce sobre nós. As Escrituras descrevem o pecado como uma força poderosa, que segura o homem nas suas garras mortíferas. Até que ponto vai o domínio do pecado? No livro de Romanos, o apóstolo Paulo explica: estamos “debaixo de pecado”, assim como soldados estão sob a autoridade dum comandante (Romanos 3:9); ele tem ‘reinado’ sobre a humanidade (Romanos 5:21); “reside”, ou “mora”, em nós (Romanos 7:17, 20); sua “lei” opera continuamente em nós, na realidade, tentando controlar nosso modo de agir. (Romanos 7:23, 25) Que domínio poderoso o pecado exerce sobre nossa carne decaída! — Romanos 7:21, 24.

6, 7. (a) Como Jeová encara os que buscam seu perdão com o coração arrependido? (b) Por que nunca devemos abusar da misericórdia de Deus?

6 Portanto, Jeová sabe que para nós é impossível sermos perfeitamente obedientes, não importa quanto tentemos. Ele nos assegura amorosamente que, se buscarmos sua  misericórdia com o coração arrependido, ele nos concederá o perdão. O Salmo 51:17 diz: “Os sacrifícios a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e esmagado não desprezarás, ó Deus.” Jeová nunca rejeitará ou repudiará um coração “quebrantado e esmagado” pelo fardo da culpa.

7 Significa isso, porém, que podemos abusar da misericórdia de Deus, usando nossa natureza pecaminosa como desculpa para o pecado? De modo algum! Jeová não é governado por mero sentimentalismo. Sua misericórdia tem limites. Ele de modo algum perdoará os que obstinadamente praticam pecados de forma deliberada sem mostrar arrependimento. (Hebreus 10:26) Por outro lado, quando detecta arrependimento de coração, ele está pronto a perdoar. Vamos analisar agora algumas das expressões vívidas usadas na Bíblia para descrever essa maravilhosa faceta do amor de Jeová.

Até que ponto vai o perdão de Jeová?

8. O que podemos dizer que Jeová faz quando perdoa nossos pecados, e que confiança isso nos dá?

8 O arrependido Davi disse: “Finalmente te confessei meu pecado e não encobri meu erro. . . . E tu mesmo perdoaste o erro dos meus pecados.” (Salmo 32:5) A expressão “perdoaste” traduz uma palavra hebraica cujo sentido básico é “levantar” ou “levar”. Conforme usada aqui, ela significa remover “a culpa, o pecado, a transgressão”. De modo que Jeová como que levantou e levou embora os pecados de Davi. Sem dúvida, isso aliviou o sentimento de culpa que ele vinha suportando. (Salmo 32:3) Nós também podemos ter plena confiança em Deus, porque ele leva embora os pecados dos que procuram seu perdão à base da fé no sacrifício resgatador de Jesus. — Mateus 20:28.

9. A que distância Jeová põe de nós os nossos pecados?

9 Davi usou outra expressão vívida para descrever o perdão  de Jeová: “Tão longe quanto o leste está do oeste, para tão longe Ele removeu de nós as nossas transgressões.” (O grifo é nosso; Salmo 103:12, The Amplified Bible) A que distância o leste fica do oeste? Pode-se dizer que eles estão no ponto mais distante um do outro; esses dois pontos cardeais nunca se encontram. Um erudito diz que essa expressão significa “o mais longe possível, o mais longe que alguém possa imaginar”. As palavras inspiradas de Davi nos ensinam que, quando perdoa, Jeová coloca os nossos pecados o mais longe que podemos imaginar.

“Vossos pecados . . . serão tornados brancos como a neve”

10. Quando Jeová perdoa nossos pecados, por que não devemos pensar que levaremos a mancha deles pelo resto da vida?

10 Já tentou remover uma mancha de uma roupa clara? Talvez, apesar de todo o seu esforço, a mancha não tenha saído totalmente. Note como Jeová descreve Sua capacidade de perdoar: “Embora os vossos pecados se mostrem  como escarlate, serão tornados brancos como a neve; embora sejam vermelhos como pano carmesim, tornar-se-ão como a lã.” (Isaías 1:18) A palavra “escarlate” refere-se a uma cor vermelha muito viva. * “Carmesim” era uma cor escura encontrada em tecidos tingidos. (Naum 2:3) Por meio de nossos próprios esforços, nunca seríamos capazes de remover a mancha do pecado. Mas Jeová pode remover pecados semelhantes a escarlate e carmesim, tornando-os brancos como a neve ou a lã não tingida. Quando Deus perdoa nossos pecados, não precisamos levar a mancha deles pelo resto da vida.

11. Em que sentido Jeová joga nossos pecados atrás das costas?

11 Num comovente cântico de gratidão, composto depois de ele ter sido poupado de uma doença mortífera, Ezequias disse a Jeová: “Lançaste todos os meus pecados atrás das tuas costas.” (Isaías 38:17) Aqui, descreve-se Jeová como que pegando os pecados do transgressor arrependido e jogando-os para trás de si, onde Ele não pode vê-los nem notá-los mais. Segundo um dicionário, a ideia desse texto pode ser expressa assim: “Acabaste com os [meus pecados] como se eles não tivessem acontecido.” Não acha isso reanimador?

12. Como o profeta Miqueias indica que, quando nos perdoa, Jeová remove nossos pecados permanentemente?

12 Numa profecia de restauração, o profeta Miqueias expressou a convicção de que Jeová perdoaria seu povo arrependido: “Quem é Deus como tu, . . . passando por alto a transgressão do restante da sua herança? . . . E a todos os seus pecados lançarás nas profundezas do mar.” (Miqueias 7:18, 19) Imagine o que essas palavras significavam para as pessoas dos tempos bíblicos. Havia alguma possibilidade de recuperar algo lançado “nas profundezas do mar”? Assim, as palavras de Miqueias indicam que, quando nos perdoa, Jeová remove nossos pecados permanentemente.

13. Qual é o sentido das palavras de Jesus: “Perdoa-nos as nossas dívidas”?

 13 Jesus usou o relacionamento entre credores e devedores para ilustrar como Jeová perdoa. Ele nos incentivou a orar: “Perdoa-nos as nossas dívidas.” (Mateus 6:12) Jesus compara assim pecados a dívidas. (Lucas 11:4) Quando pecamos, tornamo-nos “devedores” de Jeová. Uma obra de referência diz que o sentido do verbo grego traduzido ‘perdoar’ é “abrir mão ou desistir de uma dívida, não exigindo o pagamento”. Em certo sentido, quando Jeová perdoa, ele cancela a dívida que de outro modo seria lançada na nossa conta. De modo que os pecadores arrependidos podem consolar-se. Jeová nunca exigirá o pagamento duma dívida que ele cancelou! — Salmo 32:1, 2.

14. A expressão “que os vossos pecados sejam apagados” traz que ideia?

14 O perdão de Jeová é descrito adicionalmente em Atos 3:19: “Arrependei-vos, portanto, e dai meia-volta, a fim de que os vossos pecados sejam apagados.” O trecho final é a tradução de um verbo grego que pode significar “‘apagar’, . . . ‘cancelar’ ou ‘destruir’”. Segundo alguns eruditos, a ideia expressa é a de apagar algo escrito à mão. Como se fazia isso? A tinta costumeiramente usada na antiguidade era feita duma mistura que incluía carvão, goma e água. Pouco depois de usá-la, a pessoa podia apagar a escrita com uma esponja úmida. Essa é uma bela maneira de ilustrar a misericórdia de Jeová. Quando ele perdoa nossos pecados, é como se os apagasse com uma esponja.

Jeová deseja que saibamos que ele está “pronto a perdoar”

15. O que Jeová deseja que saibamos sobre ele?

15 Quando refletimos nessas ilustrações variadas, a que conclusão chegamos? Evidentemente, Jeová deseja que saibamos que ele está pronto a perdoar nossos pecados, desde que encontre em nós arrependimento sincero. Não precisamos temer que, no futuro, ele nos condene por esses pecados, porque a Bíblia revela algo mais sobre a grande misericórdia de Jeová: quando perdoa, ele esquece.

 “Não me lembrarei mais do seu pecado”

16, 17. Quando a Bíblia afirma que Jeová se esquece dos nossos pecados, o que quer dizer, e por que responde assim?

16 A respeito dos que fazem parte do novo pacto, Jeová prometeu o seguinte: “Perdoarei seu erro e não me lembrarei mais do seu pecado.” (Jeremias 31:34) Será que isso significa que, quando perdoa, Jeová é incapaz de se lembrar dos pecados? É óbvio que não. A Bíblia nos fala dos pecados de muitos a quem Deus perdoou, incluindo Davi. (2 Samuel 11:1-17; 12:13) Sem dúvida, Jeová ainda está ciente dos erros que cometeram. O registro dos pecados deles, bem como do seu arrependimento e do perdão de Deus, foi preservado para nosso benefício. (Romanos 15:4) Então, o que se quer  dizer quando a Bíblia afirma que Jeová ‘não se lembra’ dos pecados daqueles a quem perdoa?

17 O verbo hebraico vertido “lembrarei” não significa apenas recordar o passado. Segundo o Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, inclui “a implicação de agir em consonância com o pensamento”. Portanto, nesse sentido, “lembrar” pecados envolve agir contra pecadores. (Oseias 9:9) Mas quando Jeová diz: “Não me lembrarei mais do seu pecado”, ele nos assegura que, depois de perdoar a um pecador arrependido, não agirá contra ele no futuro por causa dos mesmos pecados. (Ezequiel 18:21, 22) Assim, ele esquece no sentido de não mencionar vez após vez os nossos pecados, acusando-nos ou punindo-nos repetidamente. Não acha consolador saber que Deus perdoa e esquece?

E as consequências?

18. Por que o perdão não significa que o pecador arrependido fique isento das consequências de suas ações erradas?

18 Será que a prontidão de Jeová em perdoar significa que o pecador arrependido fica isento de todas as consequências de suas ações erradas? De forma alguma. Não podemos pecar e escapar impunes. Paulo escreveu: “O que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7) Teremos de enfrentar as consequências de nossa ação, mas isso não quer dizer que, depois de conceder perdão, Jeová nos faça sofrer adversidades. Ao surgirem dificuldades, o cristão não deve pensar: “Jeová talvez esteja me punindo por pecados passados.” (Tiago 1:13) Por outro lado, Deus não nos poupa dos efeitos de nossas ações erradas. Divórcio, gravidez indesejada, doenças sexualmente transmissíveis, perda de confiança ou de respeito — essas podem ser algumas das lamentáveis e inevitáveis consequências do pecado. Lembre-se de que, embora perdoasse os pecados de Davi relacionados com Bate-Seba e Urias, Jeová não o protegeu contra as consequências desastrosas. — 2 Samuel 12:9-12.

19-21. (a) Como a lei registrada em Levítico 6:1-7 beneficiava tanto a vítima quanto o ofensor? (b) Se outros foram prejudicados pelos nossos pecados, Jeová se agradará se tomarmos que medidas?

 19 Nossos pecados também podem ter outras consequências, em especial se outros foram prejudicados pelas nossas ações. Por exemplo, analise o relato em Levítico, capítulo 6. Ali, a Lei mosaica trata de um erro grave: apossar-se dos bens de outro israelita por meio de roubo, extorsão ou fraude. Se o pecador negasse a culpa, atrevendo-se até mesmo a jurar falsamente, tornava-se um caso da palavra de um contra outro. No entanto, mais tarde o ofensor talvez sofresse devido à consciência pesada e confessasse seu pecado. Para obter o perdão de Deus, ele tinha de fazer mais três coisas: devolver o que havia tomado, pagar à vítima uma multa equivalente a 20% do valor dos bens roubados e oferecer um carneiro como oferta pela culpa. Daí, a lei dizia: “O sacerdote tem de fazer expiação por ele perante Jeová, e assim lhe tem de ser perdoado.” — Levítico 6:1-7.

20 Essa lei de Deus era muito misericordiosa, porque favorecia a vítima, cuja propriedade era devolvida e que, sem dúvida, se sentia aliviada quando o ofensor finalmente admitia seu pecado. Ao mesmo tempo, a lei beneficiava aquele cuja consciência por fim o induzia a admitir a culpa e corrigir o erro. De fato, se ele se negasse a fazer isso, não poderia esperar obter o perdão divino.

21 Embora não estejamos sujeitos à Lei mosaica, ela nos ajuda a entender um pouco da mentalidade de Jeová, incluindo o modo como ele encara o perdão. (Colossenses 2:13, 14) Se outros foram prejudicados pelos nossos pecados, Deus se agradará se fizermos o possível para corrigir o erro. (Mateus 5:23, 24) Isso talvez envolva reconhecer nosso pecado, admitir a culpa e até pedir desculpas à vítima. Então podemos apelar para Jeová, à base do sacrifício de Jesus, e ter a certeza de que fomos perdoados por Deus. — Hebreus 10:21, 22.

22. Apesar de conceder perdão, o que Jeová talvez administre?

 22 Igual a um pai amoroso, Jeová às vezes, ao conceder perdão, também administra disciplina. (Provérbios 3:11, 12) O cristão arrependido talvez tenha de renunciar ao seu privilégio de servir como ancião, servo ministerial ou evangelizador de tempo integral. Possivelmente será doloroso para ele perder por algum tempo privilégios que lhe eram preciosos. Isso, porém, não significa que Jeová não o perdoou. Temos de nos lembrar que a disciplina da parte de Jeová é prova do seu amor por nós. Aceitá-la e aplicá-la só resultará em bem para nós. — Hebreus 12:5-11.

23. Por que nunca deveríamos concluir que estamos além do alcance da misericórdia de Jeová? Por que devemos imitar o perdão divino?

23 Como é reanimador saber que nosso Deus está “pronto a perdoar”! Apesar dos erros que talvez tenhamos cometido, nunca devemos concluir que estamos além do alcance da misericórdia de Jeová. Se nos arrependermos de coração, tomarmos medidas para endireitar o erro e orarmos seriamente pedindo perdão à base do sangue derramado de Jesus, poderemos ter plena confiança em que Jeová nos perdoará. (1 João 1:9) Imitemos o seu perdão ao lidar com outros. Afinal, se Jeová, que não peca, nos perdoa tão amorosamente, não deveríamos nós, humanos pecadores, fazer todo o possível para perdoar uns aos outros?

^ parágrafo 4 A palavra hebraica vertida “a nossa formação” também é usada com relação a vasos de barro moldados por um oleiro. — Isaías 29:16.

^ parágrafo 10 Um erudito afirma que o escarlate “era uma cor firme, que não desbotava. Não saía com orvalho, chuva, lavagem nem com o uso”.