Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 30

“Prossegui andando em amor”

“Prossegui andando em amor”

1-3. Qual é o resultado quando imitamos o exemplo de Jeová em demonstrar amor?

“HÁ MAIS felicidade em dar do que há em receber.” (Atos 20:35) Essas palavras de Jesus destacam uma verdade importante: o amor altruísta é recompensador em si mesmo. Embora receber amor dê muita felicidade, há felicidade ainda maior em dar, ou demonstrar, amor a outros.

2 Ninguém sabe disso melhor do que nosso Pai celestial. Como vimos nos capítulos anteriores desta seção, Jeová é o exemplo supremo de amor. Ninguém demonstrou amor de maneiras mais grandiosas ou por um período mais longo do que ele. É de admirar, então, que ele seja chamado de “Deus feliz”? — 1 Timóteo 1:11.

3 Nosso Deus amoroso deseja que procuremos ser como ele, em especial no que se refere a demonstrar amor. Efésios 5:1, 2 nos diz: “Tornai-vos imitadores de Deus, como filhos amados, e prossegui andando em amor.” Quando imitamos o exemplo de Jeová em demonstrar amor, sentimos a felicidade maior que vem de dar. Também temos a satisfação de saber que agradamos a Jeová, pois a sua Palavra nos incentiva a ‘amarmos uns aos outros’. (Romanos 13:8) Mas há outras razões para ‘prosseguirmos andando em amor’.

Por que o amor é essencial

4, 5. Por que é importante que demonstremos amor abnegado a concrentes?

4 Por que é importante que demonstremos amor a concrentes? Dito de maneira simples, o amor é a essência do cristianismo verdadeiro. Se não demonstrarmos essa qualidade, não poderemos desenvolver um relacionamento achegado com outros cristãos e, mais importante ainda, nossos esforços  não terão valor aos olhos de Jeová. Veja como a Palavra de Deus destaca essas verdades.

5 Na última noite de sua vida terrestre, Jesus disse aos seus seguidores: “Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.” (João 13:34, 35) “Assim como eu vos amei” — essa é a ordem para os cristãos: mostrar o mesmo tipo de amor que Jesus demonstrou. No Capítulo 29, vimos que Jesus deu um exemplo maravilhoso em demonstrar amor abnegado, colocando as necessidades e os interesses de outros à frente dos seus. Nós também devemos demonstrar amor altruísta de forma tão clara que ele fique evidente até para os de fora da congregação cristã verdadeira. De fato o amor fraternal abnegado é o sinal que nos identifica como verdadeiros seguidores de Cristo.

6, 7. (a) Como sabemos que a Palavra de Jeová dá grande ênfase a se demonstrar amor? (b) As palavras de Paulo, registradas em 1 Coríntios 13:4-8, enfocam que aspecto do amor?

6 E se não demonstrarmos amor? “Se eu . . . não tiver amor”, disse o apóstolo Paulo, “tenho-me tornado um pedaço de latão que ressoa ou um címbalo que retine”. (1 Coríntios 13:1) Um címbalo que retine produz um som desagradável. E um pedaço de latão que ressoa? Outras versões usam as expressões “um gongo barulhento” ou “o ruído de um gongo”. Que ilustrações apropriadas! A pessoa sem amor é como um instrumento musical que faz um barulho alto e estridente, que repele em vez de atrair. Como uma pessoa assim poderia ter relacionamentos achegados com outros? Paulo também disse: “Se eu tiver toda a fé, de modo a transplantar montanhas, mas não tiver amor, nada sou.” (1 Coríntios 13:2) Imagine só! Uma pessoa sem amor ‘não presta para nada’, não importa que obras realize. (Novo Testamento, Interconfessional) Não fica claro que a Palavra de Jeová dá grande ênfase a se demonstrar amor?

 7 Mas como podemos demonstrar essa qualidade ao lidar com outros? Para nos ajudar a responder a essa pergunta, analisemos as palavras de Paulo, encontradas em 1 Coríntios 13:4-8. Esses versículos não se concentram no amor de Deus por nós nem no nosso amor por Ele. Em vez disso, o enfoque das palavras de Paulo é em como devemos demonstrar amor uns pelos outros. Ele descreveu certas coisas que o amor é e outras que ele não é.

O que o amor é

8. Como a longanimidade pode nos ajudar nos nossos tratos com outros?

8 “O amor é longânime.” Ser longânime significa suportar pacientemente as outras pessoas. (Colossenses 3:13) Todos precisamos demonstrar esse tipo de paciência, não é verdade? Visto que somos criaturas imperfeitas servindo ombro a ombro,  é de esperar que, de vez em quando, nossos irmãos cristãos nos irritem e que nós também os incomodemos. Mas a paciência e o autocontrole podem nos ajudar a lidar com pequenas desavenças e atritos que surgirem nos nossos tratos com outros, preservando assim a paz da congregação.

9. De que maneiras podemos demonstrar benignidade a outros?

9 “O amor é . . . benigno.” A benignidade é demonstrada por atos prestativos e palavras que revelam consideração pelos outros. O amor nos motiva a procurar maneiras de demonstrar benignidade, em especial para com os mais necessitados. Por exemplo, um concrente idoso talvez se sinta solitário e precise de uma visita de encorajamento. Uma mãe sem cônjuge ou uma irmã que vive num lar dividido em sentido religioso pode estar precisando de ajuda. Uma pessoa doente ou que passa por problemas graves talvez precise ouvir palavras bondosas de um amigo leal. (Provérbios 12:25; 17:17) Quando tomamos a iniciativa de demonstrar benignidade dessas maneiras, comprovamos que nosso amor é genuíno. — 2 Coríntios 8:8.

10. Como o amor nos ajudará a defender a verdade e a não mentir, mesmo quando isso não for fácil?

10 “O amor . . . alegra-se com a verdade.” Outra versão da Bíblia diz: “O amor . . . alegremente fica do lado da verdade.” O amor nos motiva a defender a verdade e a ‘falar verazmente uns com os outros’. (Zacarias 8:16) Se, por exemplo, uma pessoa querida se envolveu num pecado grave, o amor por Jeová — e por aquele que errou — nos ajudará a defender as normas de Deus em vez de tentar esconder, racionalizar ou até mentir sobre a transgressão. É verdade que talvez seja difícil aceitar a situação. Mas, para o próprio bem da pessoa, estaremos interessados em que ela receba e aceite a disciplina amorosa de Deus. (Provérbios 3:11, 12) Como cristãos amorosos, também desejamos “comportar-nos honestamente em todas as coisas”. — Hebreus 13:18.

11. Visto que o amor “suporta todas as coisas”, como devemos agir em relação às falhas de nossos concrentes?

11 “O amor . . . suporta todas as coisas.” Essa expressão  significa, literalmente, “cobre todas as coisas”. (Kingdom Interlinear) Em 1 Pedro 4:8 lemos: “O amor cobre uma multidão de pecados.” De fato, um cristão guiado pelo amor não estará sempre ansioso para expor todas as imperfeições e defeitos de seus irmãos cristãos. Em muitos casos, os erros e as falhas de nossos concristãos não são muito graves e podem ser cobertos pelo amor. — Provérbios 10:12; 17:9.

O amor nos motiva a expressar confiança nos irmãos

12. Como o apóstolo Paulo deu um voto de confiança a Filêmon, e o que aprendemos do exemplo de Paulo?

12 “O amor . . . acredita todas as coisas.” Outra tradução diz que o amor está “sempre ansioso para crer no melhor”. (Moffatt) Não desconfiamos indevidamente de concrentes, questionando cada motivação deles. O amor nos ajuda a “crer no melhor” em relação aos nossos irmãos e a confiar neles. * Note um exemplo disso na carta de Paulo a Filêmon. Ele escreveu para incentivar Filêmon a receber bondosamente de volta seu escravo fugitivo, Onésimo, que havia se tornado cristão. Em vez de coagir Filêmon a fazer isso, porém, Paulo fez um apelo baseado no amor. Afirmou ter confiança em que aquele homem faria a coisa certa, dizendo: “Escrevo-te confiante no teu acatamento, sabendo que farás ainda mais do que as coisas que digo.” (Versículo 21) Motivados pelo amor, procuremos, de forma semelhante, dar um voto de confiança a nossos irmãos. Isso os ajudará a revelarem o que têm de melhor.

13. Como podemos demonstrar que esperamos o melhor de nossos irmãos?

13 “O amor . . . espera todas as coisas.” Além de demonstrar confiança, o amor gera esperança. Movidos pelo amor, esperamos o melhor de nossos irmãos. Por exemplo, se um irmão dá um “passo em falso antes de se aperceber disso”, esperamos que ele reaja aos esforços amorosos de corrigi-lo. (Gálatas  6:1) Temos também esperança de que os fracos na fé se recuperarão. Somos pacientes com eles, ajudando-os na medida do possível a fortalecer a sua fé. (Romanos 15:1; 1 Tessalonicenses 5:14) Mesmo que alguém que amamos se desvie, não perdemos a esperança de que, algum dia, ele caia em si e volte para Jeová, como o filho pródigo da ilustração de Jesus. — Lucas 15:17, 18.

14. De que maneiras nossa perseverança pode ser provada na congregação? O amor nos ajudará a reagir de que maneira?

14 “O amor . . . persevera em todas as coisas.” A perseverança nos capacitará para manter-nos firmes quando enfrentarmos desapontamentos ou dificuldades. As provas para a nossa perseverança não vêm apenas de fora da congregação; às vezes, vêm de dentro. Devido à imperfeição, nossos irmãos vez por outra nos desapontarão. Uma palavra impensada pode nos magoar. (Provérbios 12:18) Talvez um assunto congregacional não seja cuidado do modo como achamos que devia. A conduta de um irmão respeitado talvez nos incomode, fazendo-nos pensar: “Como um cristão pode agir assim?” Quando nos depararmos com situações como essas, abandonaremos a congregação e deixaremos de servir a Jeová? Não, se tivermos amor! Essa qualidade impedirá que sejamos cegados pelas falhas de um irmão a ponto de não conseguir ver mais nada de bom nele, nem na congregação como um todo. O amor nos ajudará a permanecer fiéis a Deus e a apoiar a congregação, não importa o que outros humanos imperfeitos possam dizer ou fazer. — Salmo 119:165.

O que o amor não é

15. O que é ciúme e como o amor nos ajudará a evitar essa emoção destrutiva?

15 “O amor não é ciumento.” O ciúme pode nos tornar invejosos daquilo que os outros têm: seus bens, privilégios ou habilidades. Trata-se de uma emoção egoísta e destrutiva que, se não for controlada, pode perturbar a paz da congregação. O que nos ajudará a resistir à “tendência de invejar”?  (Tiago 4:5) O amor. Essa qualidade preciosa fará com que nos alegremos com os que parecem ter certas vantagens na vida que nós mesmos não temos. (Romanos 12:15) Se outros forem elogiados por suas habilidades excepcionais ou realizações notáveis, o amor nos ajudará a não encarar isso como uma afronta pessoal.

16. Se realmente amarmos os irmãos, por que evitaremos nos gabar de nossas realizações no serviço de Jeová?

16 “O amor . . . não se gaba, não se enfuna.” O amor pelos irmãos nos impedirá de nos gabarmos de nossos talentos ou realizações, do êxito no ministério ou dos privilégios na congregação. Isso só os desanimaria, fazendo-os sentir-se inferiores. O amor não deixará que nos gabemos de coisas que Deus nos permite fazer no Seu serviço. (1 Coríntios 3:5-9) Afinal, o amor “não se enfuna”, ou, como diz certa versão, não “nutre ideias exageradas sobre sua própria importância”. O amor nos impedirá de ter um conceito distorcido sobre nós mesmos. — Romanos 12:3.

17. O amor nos motivará a mostrar que consideração pelos outros, e por isso que tipo de conduta evitaremos?

17 “O amor . . . não se comporta indecentemente.” Quem se comporta indecentemente age de modo impróprio ou ofensivo. Essa atitude é desamorosa, porque mostra total desrespeito pelos sentimentos e pelo bem-estar de outros. Em contraste com isso, o amor é cortês, levando-nos a mostrar consideração pelos outros. Ele promove boas maneiras, conduta reverente e respeito pelos concristãos. Assim, o amor não permitirá que nos envolvamos em “conduta vergonhosa”, ou seja, em qualquer proceder que chocaria ou ofenderia nossos irmãos cristãos. — Efésios 5:3, 4.

18. Por que a pessoa amorosa não exige que tudo seja feito do seu jeito?

18 “O amor . . . não procura os seus próprios interesses.” Nesse texto, certa versão diz: “O amor não insiste em que as coisas sejam feitas do seu jeito.” Quem é amoroso nunca terá essa atitude, como se suas opiniões sempre estivessem corretas.  Não manipulará os outros, usando sua habilidade de persuasão para vencer pelo cansaço os que têm uma opinião diferente. Isso seria teimosia e revelaria orgulho, e a Bíblia diz: “O orgulho vem antes da derrocada.” (Provérbios 16:18) Se realmente amarmos os nossos irmãos, respeitaremos seus pontos de vista e, sempre que possível, estaremos dispostos a ceder. Essa disposição para ceder está em harmonia com as palavras de Paulo: “Que cada um persista em buscar, não a sua própria vantagem, mas a da outra pessoa.” — 1 Coríntios 10:24.

19. O amor nos ajuda a reagir de que maneira quando outros nos ofendem?

19 “O amor . . . não fica encolerizado . . . , não leva em conta o dano.” O amor não se irrita facilmente com o que outros dizem ou fazem. É natural ficarmos contrariados quando outros nos ofendem. Mas, mesmo que tenhamos boas razões para ficarmos bravos, o amor nos ajudará a não continuar irritados. (Efésios 4:26, 27) Não manteremos como que um registro das palavras ou ações que nos magoaram, para não esquecê-las. Em vez disso, o amor nos levará a imitar nosso Deus amoroso. Como vimos no Capítulo 26, Jeová perdoa quando há base sólida para isso. Quando perdoa, ele esquece, quer dizer, jamais vai nos condenar por esses pecados no futuro. Não ficamos contentes de que Jeová não leva em conta o dano?

20. Como devemos reagir quando um concrente é enlaçado pelo pecado e sofre as consequências?

20 “O amor . . . não se alegra com a injustiça.” Nesse texto, a Bíblia na Linguagem de Hoje diz: “Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada.” Outra tradução diz: “O amor nunca fica contente quando outros erram.” (Moffatt) O amor não deriva nenhum prazer da injustiça, de modo que não fazemos vista grossa a nenhum tipo de imoralidade. Mas como reagimos quando um concrente é enlaçado pelo pecado e sofre as consequências? O amor não permitirá que nos alegremos, como se disséssemos: “Bem feito!  Ele merecia!” (Provérbios 17:5) Mas nós nos alegramos, sim, quando um irmão que errou toma as medidas necessárias para recuperar-se de sua queda espiritual.

“Um caminho que ultrapassa isso”

21-23. (a) O que Paulo queria dizer quando escreveu: “O amor nunca falha”? (b) O que analisaremos no último capítulo?

21 “O amor nunca falha.” O que Paulo queria dizer com essas palavras? Como se nota no contexto, ele comentava os dons do espírito que os cristãos do primeiro século receberam. Esses serviam como sinais de que o favor de Deus estava com essa congregação recém-formada. Mas nem todos os cristãos tinham o poder de curar, profetizar ou falar em línguas. Isso, porém, não importava, pois de qualquer maneira  os dons milagrosos com o tempo cessariam. Contudo, uma coisa permaneceria, algo que todos os cristãos poderiam cultivar e que era mais duradouro e permanente do que qualquer dom milagroso. De fato, Paulo o chamou de “um caminho que ultrapassa isso”. (1 Coríntios 12:31) Que “caminho” era esse? O caminho do amor.

O povo de Jeová é identificado pelo amor que tem uns pelos outros

22 De fato, o amor cristão que Paulo descreveu “nunca falha”, isto é, nunca tem fim. Até hoje o amor fraternal abnegado identifica os verdadeiros seguidores de Jesus. Não vemos evidência desse amor nas congregações dos adoradores de Jeová em toda a Terra? Essa qualidade existirá para sempre, porque Jeová promete vida eterna aos seus servos fiéis. (Salmo 37:9-11, 29) Continuemos fazendo todo o possível para ‘prosseguir andando em amor’. Assim, sentiremos a felicidade maior que vem de dar. Mais do que isso, poderemos continuar a viver — e amar — por toda a eternidade, imitando nosso Deus amoroso, Jeová.

23 Neste capítulo, que conclui a seção sobre o amor, vimos como podemos demonstrar amor uns pelos outros. Mas, em vista dos muitos modos em que nos beneficiamos do amor de Jeová — bem como do seu poder, justiça e sabedoria —, faríamos bem em perguntar: ‘Como posso mostrar a Jeová que realmente o amo?’ Essa pergunta será analisada no último capítulo.

^ parágrafo 12 Naturalmente, o amor cristão não é de modo algum ingênuo. A Bíblia nos exorta: ‘Fiquem de olho nos que causam divisões e motivos para tropeço e os evitem.’ — Romanos 16:17.