Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 31

“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”

“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”

1-3. (a) O que podemos aprender sobre a natureza humana observando a interação entre um bebê e seus pais? (b) Que processo ocorre naturalmente quando alguém nos demonstra amor e que pergunta importante podemos nos fazer?

UM SORRISO do filhinho recém-nascido enche os pais de alegria. Às vezes, eles chegam bem pertinho dele, falando com ternura e sorrindo entusiasmados. Esperam uma reação. E ela logo vem: formam-se covinhas nas bochechas do bebê, seus lábios se curvam e surge um lindo sorriso. Aquele sorriso expressa afeição de um jeito todo especial. O bebê está começando a aprender com os pais a expressar amor.

2 O sorriso do bebê nos faz lembrar de algo importante a respeito da natureza humana: quando recebemos amor, nossa reação natural é amar. Foi assim que fomos criados. (Salmo 22:9) À medida que crescemos, vamos desenvolvendo nossa capacidade de reagir ao amor. Você talvez se lembre de quando era criança e de como seus pais, parentes e amigos expressavam amor por você. A afeição se arraigou no seu coração, cresceu e deu frutos: você passou a demonstrar amor também. Será que acontece algo similar no seu relacionamento com Jeová Deus?

3 A Bíblia diz: “Quanto a nós, amamos porque ele nos amou primeiro.” (1 João 4:19) A matéria das Seções 1 a 3 deste livro lembrou você que Jeová Deus, de forma amorosa, exerceu poder, justiça e sabedoria em seu benefício. E, na Seção 4, viu que ele expressou Seu amor diretamente à humanidade — e a você pessoalmente — de modos notáveis. Mas surge uma questão. De certa forma, esta é a pergunta mais importante que você pode fazer a si mesmo: ‘Como posso corresponder ao amor de Jeová?’

 O que significa amar a Deus

4. Por que as pessoas estão confusas sobre o que significa amar a Deus?

4 Jeová, o Originador do amor, sabe muito bem que essa qualidade tem o dom de revelar o que há de melhor nas pessoas. Assim, apesar da constante rebeldia da humanidade infiel, ele sempre teve confiança de que alguns humanos corresponderiam ao seu amor. E, de fato, milhões corresponderam. Infelizmente, porém, as religiões deste mundo corrupto deixaram as pessoas confusas sobre o que significa amar a Deus. Muitas pessoas dizem que o amam, mas parecem achar que se trata apenas de um sentimento que se expressa em palavras. O amor a Deus talvez comece dessa forma, assim como o amor do bebê pelos pais se manifesta inicialmente por meio de um sorriso. Mas, no caso dos adultos, o amor envolve mais coisas.

5. Como a Bíblia define o amor de Deus? Por que não deveríamos achar essa definição desagradável?

5 Jeová explica o que significa amá-lo. Sua Palavra diz: “O amor de Deus significa o seguinte: que observemos os seus mandamentos.” Assim, o amor a Deus precisa ser expresso em ações. É verdade que muitas pessoas não acham agradável a ideia de ter de obedecer. Mas o mesmo versículo bondosamente esclarece: “Contudo, os . . . mandamentos [de Deus] não são pesados.” (1 João 5:3) O objetivo das leis e dos princípios de Jeová não é nos oprimir, mas nos beneficiar. (Isaías 48:17, 18) A Palavra de Deus está cheia de princípios que ajudam a nos achegarmos mais a ele. Como? Examinemos três aspectos de nosso relacionamento com Deus: comunicação, adoração e imitação.

Comunicação com Jeová

6-8. (a) De que maneiras podemos escutar a Jeová? (b) Como podemos dar vida ao que lemos nas Escrituras?

6 O Capítulo 1 começa com a pergunta: “Consegue se  imaginar conversando com Deus?” Vimos que essa não é uma ideia sem cabimento. De fato, Moisés conversou com Jeová. E nós? Atualmente, Ele não envia anjos para conversar com humanos. Mas ainda tem meios excelentes de se comunicar conosco. Como podemos escutar a Jeová?

7 Visto que “toda a Escritura é inspirada por Deus”, escutamos a Jeová quando lemos sua Palavra, a Bíblia. (2 Timóteo 3:16) O salmista incentivou os servos de Deus a fazer essa leitura “dia e noite”. (Salmo 1:1, 2) Isso exige esforço considerável da nossa parte. Mas vale a pena! Como vimos no Capítulo 18, a Bíblia é como uma carta valiosa de nosso Pai celestial. Assim, não devemos encarar a leitura dela como uma obrigação. Devemos dar vida ao que lemos nas Escrituras. Como se faz isso?

8 Visualize o relato bíblico à medida que lê. Procure encarar os personagens bíblicos como pessoas reais. Tente entender a formação, as circunstâncias e as motivações deles. Daí, analise bem o que lê, fazendo perguntas como: ‘O que esse relato me ensina sobre Jeová? Que qualidades dele ficam evidentes? Que princípio Jeová deseja que eu aprenda e como posso aplicá-lo na vida?’ Leia, medite e aplique. À medida que fizer isso, a Palavra de Deus ganhará vida. — Salmo 77:12; Tiago 1:23-25.

9. Quem faz parte do “escravo fiel e discreto”? Por que é importante prestar atenção a esse “escravo”?

9 Jeová também fala conosco por meio do “escravo fiel e discreto”. Como Jesus predisse, um pequeno grupo de homens cristãos ungidos foi designado para fornecer “alimento no tempo apropriado” durante estes turbulentos últimos dias. (Mateus 24:45-47) Quando lemos publicações preparadas para nos ajudar a obter conhecimento exato da Bíblia e quando assistimos a reuniões e congressos cristãos, estamos recebendo alimento espiritual desse escravo. Visto que se trata do escravo de Cristo, convém pôr em prática as palavras  de Jesus: “Prestai atenção a como escutais.” (Lucas 8:18) Escutamos com atenção porque reconhecemos que o escravo fiel é um dos meios que Jeová usa para se comunicar conosco.

10-12. (a) Por que a oração é uma dádiva maravilhosa de Jeová? (b) Como podemos orar de um modo que agrade a Jeová e por que podemos ter certeza de que ele aprecia nossas orações?

10 Mas como nos comunicamos com Deus? Podemos falar com ele? Essa é uma ideia espantosa! Se tentasse obter uma audiência com o governante mais poderoso de seu país a fim de tratar de alguns assuntos pessoais, quais seriam suas chances de sucesso? Em alguns casos, a mera tentativa já seria perigosa. Nos dias de Ester e Mordecai, a pessoa podia ser morta se tentasse aproximar-se do monarca persa sem um convite real. (Ester 4:10, 11) Imagine então nos aproximarmos do Soberano Senhor do Universo, em comparação com quem os mais poderosos humanos “são como gafanhotos”! (Isaías 40:22) Deveríamos nos sentir intimidados? De jeito nenhum!

11 Jeová nos deu um meio direto e simples de chegarmos a ele: a oração. Até uma criança pode orar a Jeová com fé, em nome de Jesus. (João 14:6; Hebreus 11:6) Mas a oração nos permite transmitir nossos pensamentos e sentimentos mais complexos e íntimos, até mesmo aqueles que são tão dolorosos que nem sabemos expressar em palavras. (Romanos 8:26) Não adianta nada tentar impressionar Jeová com um vocabulário vasto e sofisticado ou com orações longas e verbosas. (Mateus 6:7, 8) Por outro lado, ele não especifica a duração máxima de nossas orações nem com que frequência podemos fazê-las. Sua Palavra até nos convida a ‘orar incessantemente’. — 1 Tessalonicenses 5:17.

12 Lembre-se de que só Jeová é chamado de “Ouvinte de oração”, e ele escuta com verdadeira empatia. (Salmo 65:2) Será que ele apenas tolera as orações de seus servos fiéis?  Não, ele realmente deriva prazer delas. Sua Palavra as compara a incenso que, quando queimado, libera uma nuvem de fumaça de cheiro doce e repousante. (Salmo 141:2; Revelação [Apocalipse] 5:8; 8:4) Não é consolador saber que nossas orações sinceras, de modo similar, ascendem até o Soberano Senhor e lhe agradam? Assim, se quiser se achegar a Jeová, ore a ele humilde e frequentemente, todo dia. Abra seu coração para ele, sem receio. (Salmo 62:8) Fale ao seu Pai celestial sobre suas preocupações e alegrias; expresse seus agradecimentos e louvores. Em resultado disso, o vínculo entre você e ele ficará cada vez mais forte.

Adoração a Jeová

13, 14. O que significa adorar a Jeová e por que é apropriado fazermos isso?

13 A comunicação com Jeová Deus é diferente de uma conversa com um amigo ou parente, em que simplesmente escutamos e falamos. Quando nos comunicamos com ele, estamos na verdade adorando-o, dando-lhe a honra reverente que lhe é bem merecida. A adoração verdadeira é a nossa vida. É o modo de demonstrarmos a Jeová nosso amor e devoção de toda a alma. Ela une todas as criaturas fiéis de Jeová, no céu e na Terra. Em visão, o apóstolo João ouviu um anjo dar esta ordem: “Adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” — Revelação 14:7.

14 Por que devemos adorar a Jeová? Pense nas qualidades que analisamos: santidade, poder, autodomínio, justiça, coragem, misericórdia, sabedoria, humildade, amor, compaixão, lealdade e bondade. Vimos que Jeová é o próprio ápice, o padrão mais elevado possível, de cada um desses atributos valiosos. Quando procuramos entender plenamente essas qualidades como um todo, notamos que o Criador é muito mais do que um Personagem grandioso e notável. Ele é glorioso ao extremo e incomparavelmente mais elevado  do que nós. (Isaías 55:9) Sem sombra de dúvida, Jeová tem o direito de ser nosso Soberano e, por certo, merece nossa adoração. Mas como devemos adorá-lo?

15. Como podemos adorar a Jeová “com espírito e verdade”? As reuniões cristãs nos dão que oportunidade?

15 Jesus disse: “Deus é Espírito, e os que o adoram têm de adorá-lo com espírito e verdade.” (João 4:24) Isso significa adorar a Jeová com o coração cheio de fé e amor, sendo guiados por Seu espírito. Significa também adorá-lo em harmonia com a verdade, o conhecimento exato encontrado na Palavra de Deus. Temos uma ótima oportunidade para adorar a Jeová “com espírito e verdade” sempre que nos reunimos com companheiros de adoração. (Hebreus 10:24, 25) Quando entoamos cânticos a Jeová, nos unimos em oração a Ele, prestamos atenção ao estudo da sua  Palavra e participamos dele, expressamos nosso amor a Ele em adoração pura.

As reuniões cristãs são ocasiões agradáveis para adorar a Jeová

16. Qual é um dos maiores mandamentos de que os cristãos verdadeiros foram incumbidos, e por que nos sentimos impelidos a obedecer?

16 Também adoramos a Jeová quando falamos dele a outros, dando-lhe louvor em público. (Hebreus 13:15) De fato, pregar as boas novas do Reino de Deus é um dos maiores mandamentos de que os cristãos verdadeiros foram incumbidos. (Mateus 24:14) Obedecemos entusiasticamente porque amamos ao Criador. “O deus deste sistema de coisas”, Satanás, o Diabo, “tem cegado as mentes dos incrédulos”, espalhando mentiras cruéis sobre Jeová. Por isso, ansiamos servir como Testemunhas a favor do nosso Deus, combatendo essas calúnias. (2 Coríntios 4:4; Isaías 43:10-12) E, quando meditamos nas maravilhosas qualidades de Jeová, não sentimos um desejo cada vez mais forte de falar dele a outros? De fato, não há privilégio maior do que ajudar outras pessoas a conhecer e a amar nosso Pai celestial assim como nós.

17. O que a nossa adoração a Jeová abrange, e por que devemos adorar em integridade?

17 Mas não é só isso. A adoração a Jeová abrange cada aspecto de nossa vida. (Colossenses 3:23) Se realmente aceitarmos a Jeová como nosso Senhor Soberano, procuraremos fazer sua vontade em tudo: na vida familiar, no serviço secular, nos tratos com outros, no tempo de folga. Faremos empenho para servir a Jeová “de pleno coração”, com integridade. (1 Crônicas 28:9) Nesse tipo de adoração, não há lugar para um coração dividido nem para vida dupla (a atitude hipócrita de aparentemente servir a Jeová enquanto se praticam pecados graves em segredo). Para quem realmente demonstra integridade, é impossível ser hipócrita; quem é amoroso acha a hipocrisia repugnante. O temor de Deus também  ajuda. A Bíblia afirma que essa reverência contribui para um relacionamento íntimo com Jeová. — Salmo 25:14.

Imitar a Jeová

18, 19. Por que não é irrealista pensar que meros humanos imperfeitos sejam capazes de imitar a Jeová Deus?

18 Cada seção deste livro termina com um capítulo que explica como podemos nos ‘tornar imitadores de Deus, como filhos amados’. (Efésios 5:1) É vital lembrarmos que, apesar da nossa imperfeição, podemos realmente imitar o modo perfeito de Jeová usar o poder, exercer a justiça, empregar a sabedoria e demonstrar amor. Como sabemos que é realmente possível imitar o Todo-Poderoso? Lembre-se de que o significado do nome de Jeová nos ensina que ele se torna tudo o que decide ser para cumprir seus propósitos. É natural ficarmos espantados com essa habilidade, mas será que ela está completamente fora do nosso alcance? Não.

19 Fomos criados à imagem de Deus. (Gênesis 1:26) Assim, o homem é diferente de todas as outras criaturas da Terra. Não somos guiados por mero instinto, pela genética ou por fatores ambientais. Jeová nos deu uma dádiva preciosa: o livre-arbítrio. Apesar de nossas limitações e imperfeições, somos livres para escolher o que nos tornaremos. Deseja ser uma pessoa amorosa, sábia e justa que usa corretamente o poder? Graças à ajuda do espírito de Jeová, você pode ser exatamente assim! Pense em todo o bem que você poderá realizar.

20. Que bem realizamos quando imitamos a Jeová?

20 Você agradará seu Pai celestial, alegrando Seu coração. (Provérbios 27:11) Poderá até ‘agradar plenamente’ a Jeová, pois ele entende suas limitações. (Colossenses 1:9, 10) E, à medida que continuar desenvolvendo boas qualidades ao imitar seu Pai amoroso, será abençoado com um grande privilégio: num mundo em escuridão, alienado de Deus,  você será um portador de luz. (Mateus 5:1, 2, 14) Ajudará a espalhar pela Terra alguns reflexos da gloriosa personalidade de Jeová. Que honra!

“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”

Achegue-se cada vez mais a Jeová

21, 22. Que jornada infindável se encontra diante de todos os que amam a Jeová?

21 O incentivo simples registrado em Tiago 4:8 não coloca diante de nós apenas um objetivo. Trata-se de uma jornada. Desde que permaneçamos fiéis, essa jornada nunca terminará. Nunca deixaremos de nos achegar cada vez mais a Jeová. Afinal, sempre haverá coisas a aprender sobre ele. Não pense que este livro ensinou tudo o que se pode saber sobre Jeová. Nós mal começamos a analisar tudo o que a Bíblia diz sobre o nosso Deus! E nem a Bíblia inteira contém todas as informações sobre ele. O apóstolo João acreditava que, se tudo o que Jesus fez durante seu ministério terrestre tivesse sido escrito, “o próprio mundo não poderia conter os rolos escritos”. (João 21:25) Se isso se dá no caso do Filho, quanto mais com o Pai!

 22 Nem mesmo a vida eterna será suficiente para aprender tudo sobre Jeová. (Eclesiastes 3:11) Pense, então, no que nos aguarda. Depois de viver por centenas, milhares, milhões ou até bilhões de anos, saberemos muito mais sobre Jeová Deus do que sabemos hoje. Mas ainda haverá incontáveis outras coisas maravilhosas para aprendermos. Ficaremos ansiosos de aprender mais, pois sempre teremos razões para nos sentir como o salmista, que cantou: “Chegar-me a Deus é bom para mim.” (Salmo 73:28) A vida eterna será inimaginavelmente significativa e variada — e a parte mais recompensadora dela sempre será achegar-nos mais a Jeová.

23. Você é incentivado a fazer o quê?

23 Corresponda agora ao amor de Jeová, amando-o de todo o coração, alma, mente e força. (Marcos 12:29, 30) Desenvolva amor leal e inabalável. Que todas as decisões — pequenas ou grandes — que você toma dia após dia reflitam o mesmo princípio orientador: fazer todo o possível para fortalecer cada vez mais o relacionamento com seu Pai celestial! Acima de tudo, achegue-se cada vez mais a Jeová e ele se achegará cada vez mais a você — por toda a eternidade!