Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

Achegue-se a Jeová

 Capítulo 2

É mesmo possível ‘achegar-se a Deus’?

É mesmo possível ‘achegar-se a Deus’?

1, 2. (a) O que muitos talvez achem fantasioso, mas que garantia a Bíblia nos dá? (b) Abraão foi recompensado com que relacionamento e por quê?

COMO se sentiria se o Criador do céu e da Terra dissesse a seu respeito: “Este é meu amigo”? Muitos talvez achem isso fantasioso. Afinal, como poderia um mero ser humano ter amizade com Jeová? Mas a Bíblia garante que podemos realmente nos achegar a Deus.

2 Abraão, da antiguidade, foi um dos que desfrutaram tal achego. Jeová referiu-se a esse patriarca como “meu amigo”. (Isaías 41:8) Sim, Deus o considerava como amigo pessoal. Abraão foi recompensado com esse relacionamento porque “depositou fé em Jeová”. (Tiago 2:23) Também hoje, Jeová busca oportunidades de ‘se afeiçoar’ aos que o servem por amor. (Deuteronômio 10:15) A sua Palavra exorta: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós.” (Tiago 4:8) Essas palavras, na verdade, são tanto um convite como uma promessa.

3. Que convite Jeová nos faz e que promessa se relaciona com esse convite?

3 Jeová nos convida a nos achegarmos a ele. Ele se dispõe a nos aceitar como amigos. E promete que, se dermos os passos nesse sentido, ele fará o mesmo: se achegará a nós. Assim, podemos ter algo realmente precioso: “intimidade com Jeová”. * (Salmo 25:14) “Intimidade”  dá a ideia de conversa confidencial com um amigo especial.

4. Como descreveria um amigo bem achegado? De que modo Jeová mostra ser um amigo desse tipo para os que se achegam a ele?

4 Você tem um amigo bem achegado em quem pode confiar? Um amigo assim se importa com a sua pessoa. É alguém em quem você confia, pois mostrou-se leal. Partilhar suas alegrias com ele deixa você ainda mais feliz. Quando você está triste e precisa desabafar, ele o ouve com empatia. Mesmo quando ninguém mais parece entender você, ele entende. Da mesma forma, quando nos achegamos a Deus, ganhamos um Amigo especial que realmente nos valoriza, que se importa profundamente conosco e nos entende plenamente. (Salmo 103:14; 1 Pedro 5:7) Podemos ter a mais profunda confiança nele, sabendo que Deus é leal aos que lhe são leais. (Salmo 18:25) No entanto, essa privilegiada intimidade com Deus só está ao nosso alcance porque ele a tornou possível.

Jeová abriu o caminho

5. O que Jeová fez para possibilitar que nos achegássemos a ele?

5 Como pecadores, jamais poderíamos nos achegar a Deus sem ajuda. (Salmo 5:4) “Mas Deus recomenda a nós o seu próprio amor, por Cristo ter morrido por nós enquanto éramos ainda pecadores”, escreveu o apóstolo Paulo. (Romanos 5:8) Sim, Jeová providenciou que Jesus ‘desse a sua alma como resgate em troca de muitos’. (Mateus 20:28) Nossa fé nesse sacrifício de resgate possibilita nos achegarmos a Deus. Visto que ele “nos amou primeiro”, lançou a base para entrarmos numa relação de amizade com ele. — 1 João 4:19.

6, 7. (a) Como sabemos que Jeová não é um Deus oculto e indecifrável? (b) De que maneiras Jeová se revelou a nós?

6 Jeová tomou outra medida: revelou-se a nós. Numa  amizade, só pode haver achego se realmente conhecermos a pessoa, valorizando suas qualidades e seu modo de ser. Assim, se Jeová fosse um Deus oculto e indecifrável, jamais poderíamos nos achegar a ele. No entanto, longe de se ocultar, Deus quer que o conheçamos. (Isaías 45:19) Além do mais, o que ele revela sobre si mesmo está disponível a todos, mesmo aos que são considerados humildes segundo os padrões do mundo. — Mateus 11:25.

Jeová revela a si mesmo por meio de suas obras criativas e de sua Palavra escrita

7 Como Jeová se revela a nós? As suas obras criativas dão a conhecer certos aspectos de sua personalidade: seu vasto poder, sua profunda sabedoria, seu incomparável amor. (Romanos 1:20) Mas Jeová não se revela apenas por meio das coisas que criou. Como Grandioso Comunicador, ele forneceu uma revelação escrita a respeito de si mesmo na sua Palavra, a Bíblia.

Contemple “a afabilidade de Jeová”

8. Por que se pode dizer que a própria Bíblia é evidência do amor de Jeová por nós?

8 A própria Bíblia é evidência do amor de Jeová por nós. Em sua Palavra, ele revela a si mesmo em termos que podemos compreender — uma prova de que ele não apenas nos ama, mas deseja que o conheçamos e amemos. O que lemos nesse livro precioso nos possibilita contemplar “a afabilidade de Jeová” e nos motiva a querer nos achegar a ele. (Salmo 90:17) Vejamos algumas das animadoras maneiras pelas quais Jeová se revela na sua Palavra.

9. Cite alguns exemplos de declarações bíblicas diretas que identificam as qualidades de Deus.

9 As Escrituras contêm muitas declarações diretas que identificam as qualidades de Deus. Note alguns exemplos. “Jeová ama a justiça.” (Salmo 37:28) Deus é “sublime em poder”. (Jó 37:23) “‘Sou leal’, é a pronunciação de Jeová.” (Jeremias 3:12) “Ele é sábio de coração.”  (Jó 9:4) Ele é “Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade”. (Êxodo 34:6) “Tu, ó Jeová, és bom e estás pronto a perdoar.” (Salmo 86:5) E, como mencionado no capítulo anterior, uma qualidade é predominante: “Deus é amor.” (1 João 4:8) Ao refletir sobre essas qualidades agradáveis, não se sente atraído a esse Deus incomparável?

A Bíblia nos ajuda a nos achegar a Jeová

10, 11. (a) Para nos ajudar a entender melhor a sua personalidade, o que Jeová incluiu na sua Palavra? (b) Que exemplo bíblico nos ajuda a visualizar o poder de Deus em ação?

10 Além de nos revelar as suas qualidades, Jeová amorosamente incluiu na sua Palavra exemplos reais dessas qualidades em ação. Esses relatos vívidos nos ajudam a visualizar e entender melhor as várias facetas de sua personalidade, contribuindo para que nos acheguemos mais a ele. Veja um exemplo.

11 Uma coisa é ler que Deus é “vigoroso em poder”. (Isaías 40:26) Outra bem diferente é ler sobre como ele libertou Israel no mar Vermelho e, daí, sustentou a nação no deserto por 40 anos. Imagine as águas agitadas se abrindo. Tente visualizar a nação — talvez 3 milhões de pessoas — caminhando no leito seco do mar, com as águas estáticas, como enormes paredes, em ambos os lados. (Êxodo 14:21; 15:8) Pense em como Deus cuidou deles no deserto: providenciou que jorrasse água de uma rocha e fez surgir sobre o solo um alimento que parecia sementes brancas.  (Êxodo 16:31; Números 20:11) Jeová revelou ali que não somente tem poder, mas que o usa em favor de seu povo. Não é reconfortante saber que as nossas orações ascendem a um Deus poderoso que “é para nós refúgio e força, uma ajuda encontrada prontamente durante aflições”? — Salmo 46:1.

12. Como Jeová nos ajuda a “vê-lo” em termos que podemos entender?

12 Jeová, que é espírito, fez ainda mais para nos ajudar a conhecê-lo. Como humanos, nossa visão se limita às realidades visíveis, de modo que não podemos ver o domínio espiritual. Se Deus descrevesse a si mesmo para nós usando termos espirituais, seria como tentar explicar detalhes de nossa aparência, como a cor dos olhos ou a existência de sardas, a um cego de nascença. Em vez disso, Jeová bondosamente nos ajuda a “vê-lo” em termos que podemos entender. Às vezes, emprega metáforas e analogias, comparando-se a coisas que conhecemos. Ele até mesmo descreve a si mesmo como tendo certas características humanas. *

13. O que vem à nossa mente quando lemos Isaías 40:11 e como isso afeta você?

13 Note a descrição de Jeová, em Isaías 40:11: “Qual pastor ele pastoreará a sua própria grei. Com o seu braço reunirá os cordeiros; e os carregará ao colo.” Jeová é comparado aqui a um pastor que apanha os cordeiros com o “braço”. Isso denota que Deus pode proteger e apoiar o seu povo, mesmo os mais vulneráveis. Podemos nos sentir seguros nos seus fortes braços, pois, se formos leais, ele jamais nos  abandonará. (Romanos 8:38, 39) O Grandioso Pastor carrega os cordeiros “ao colo” — uma expressão que se refere a folgadas dobras na parte superior da roupa, onde o pastor às vezes carregava um cordeiro recém-nascido. Isso nos assegura de que Jeová nos preza e cuida ternamente de nós. É somente natural querer achegar-se a ele.

‘O Filho está disposto a revelá-lo’

14. Por que se pode dizer que Jeová fornece a mais plena revelação de si mesmo por meio de Jesus?

14 Na sua Palavra, Jeová fornece a mais plena revelação de si mesmo por meio de seu Filho amado, Jesus. Ninguém poderia refletir melhor o modo de pensar e os sentimentos de Deus, ou explicá-lo mais vividamente, do que Jesus. Afinal, esse Filho primogênito existia junto a seu Pai antes de outras criaturas espirituais e o Universo físico serem criados. (Colossenses 1:15) Jesus conhecia muito bem a Jeová. É por isso que podia dizer: “Quem o Filho é, ninguém sabe, exceto o Pai; e quem o Pai é, ninguém sabe exceto o Filho,  e aquele a quem o Filho estiver disposto a revelá-lo.” (Lucas 10:22) Quando esteve na Terra como homem, Jesus revelou seu Pai de duas maneiras importantes.

15, 16. De que duas maneiras Jesus revelou seu Pai?

15 Primeiro, os ensinos de Jesus nos ajudam a conhecer o seu Pai. Jesus descreveu Jeová em termos que tocam o nosso coração. Por exemplo, para explicar que Deus é misericordioso e acolhe de volta pecadores arrependidos, Jesus assemelhou Jeová a um pai perdoador que, de tão comovido que fica ao ver seu filho pródigo voltar, sai correndo e se lança ao pescoço dele, beijando-o ternamente. (Lucas 15:11-24) Jesus também retratou Jeová como Deus que ‘atrai’ pessoas retas porque as ama como indivíduos. (João 6:44) Ele sabe até mesmo quando um pequenino pardal cai ao chão. “Não temais”, Jesus explicou, “vós valeis mais do que muitos pardais”. (Mateus 10:29, 31) Não podemos deixar de nos sentir atraídos a um Deus tão afetuoso.

16 Segundo, o exemplo de Jesus nos mostra como Jeová é. Jesus refletiu seu Pai com tanta perfeição, que podia dizer: “Quem me tem visto, tem visto também o Pai.” (João 14:9) Assim, quando lemos sobre ele nos Evangelhos — os sentimentos que demonstrou e como tratou os outros —, estamos de certa forma vendo um retrato vivo de seu Pai. Jeová não poderia nos ter dado uma revelação mais clara de suas qualidades do que essa. Por quê?

17. Ilustre o que Jeová fez para nos ajudar a entender como ele é.

17 Para ilustrar: imagine tentar explicar o que é bondade. Você poderia defini-la em palavras. Mas, se pudesse apontar alguém realizando um ato bondoso e dizer: “Isso é um exemplo de bondade”, a palavra assumiria maior significado e ficaria mais fácil de entender. Jeová fez algo similar para nos ajudar a entender como ele é. Além de descrever a si mesmo em palavras, forneceu-nos o exemplo vivo de  seu Filho. Em Jesus, as qualidades de Deus são vistas em ação. Por meio dos relatos evangélicos a respeito de Jesus, Jeová está, na realidade, dizendo: “É assim que eu sou.” Como o registro inspirado descreve Jesus quando esteve na Terra?

18. Como Jesus expressou as qualidades de poder, justiça e sabedoria?

18 Jesus expressou muito bem as quatro qualidades principais de Deus. Ele tinha poder sobre as doenças, a fome e até mesmo a morte. No entanto, ao contrário de homens egoístas que abusam do poder, Jesus jamais usou o poder milagroso em benefício próprio, ou para prejudicar outros. (Mateus 4:2-4) Ele amava a justiça. Seu coração encheu-se de indignação justa ao ver vendedores inescrupulosos explorando o povo. (Mateus 21:12, 13) Ele tratou os pobres e os oprimidos com imparcialidade, ajudando-os a ‘achar revigoramento’ para a sua alma. (Mateus 11:4, 5, 28-30) Havia inigualável sabedoria nos ensinos de Jesus, que era “maior do que Salomão”. (Mateus 12:42) Mas Jesus jamais fez uso exibicionista de sua sabedoria. Suas palavras tocavam o coração das pessoas comuns, pois seus ensinos eram claros, simples e práticos.

19, 20. (a) De que maneira Jesus foi um exemplo notável de amor? (b) Ao lermos e refletirmos a respeito do exemplo de Jesus, o que temos de ter em mente?

19 Jesus foi um exemplo notável de amor. Durante todo o seu ministério, ele demonstrou amor em suas muitas facetas, incluindo a empatia e a compaixão. Ele não deixava de sentir pena ao ver o sofrimento alheio. Vez após vez, essa sensibilidade induziu-o à ação. (Mateus 14:14) Embora curasse doentes e alimentasse famintos, Jesus mostrou compaixão de um modo muito mais vital. Ele ajudou outros a conhecer, a aceitar e a amar a verdade a respeito do Reino de Deus, que trará bênçãos eternas à humanidade. (Marcos 6:34; Lucas 4:43) Acima de tudo, Jesus mostrou amor  abnegado por entregar voluntariamente a sua vida em favor de outros. — João 15:13.

20 É de admirar que pessoas de todas as idades e formações se sentissem atraídas a esse homem tão caloroso e de sentimentos tão profundos? (Marcos 10:13-16) Ao lermos e refletirmos a respeito do exemplo vivo de Jesus, porém, tenhamos sempre em mente que nesse Filho vemos um reflexo claro de seu Pai. — Hebreus 1:3.

Um compêndio que nos ajuda

21, 22. O que está envolvido em buscar a Jeová, e o que este livro contém para nos ajudar nesse esforço?

21 Por revelar a si mesmo tão claramente na sua Palavra, Jeová não deixa dúvidas de que deseja que nos acheguemos a ele. Ao mesmo tempo, ele não nos obriga a procurar uma relação aprovada com ele. Cabe a nós buscarmos a Jeová “enquanto pode ser achado”. (Isaías 55:6) Isso envolve vir a conhecer as suas qualidades e o seu modo de agir, revelados na Bíblia. O livro que você está lendo foi produzido para ajudá-lo nesse sentido.

22 Verá que este livro é dividido em seções correspondentes às quatro qualidades principais de Jeová: poder, justiça,  sabedoria e amor. Cada seção começa com um resumo da respectiva qualidade. Os capítulos seguintes da seção abordam como Jeová manifesta essa qualidade, em seus vários aspectos. Cada seção contém também um capítulo que mostra como Jesus exemplificou a qualidade e outro que examina como podemos refleti-la na nossa vida.

23, 24. (a) Explique a parte especial “Perguntas para Meditação”. (b) Como a meditação nos ajudará a nos achegar ainda mais a Deus?

23 Começando neste capítulo, há uma parte especial chamada “Perguntas para Meditação”. Como exemplo, veja o quadro na página 24. Os textos e as perguntas não foram preparados para servir como recapitulação do capítulo. Antes, seu objetivo é ajudar você a refletir sobre outros aspectos importantes do assunto. Como poderá usar bem essa parte? Procure todos os textos citados e leia-os atentamente. Daí, tente responder à pergunta que acompanha cada citação. Medite nas respostas. Talvez possa fazer pesquisas. Faça a si mesmo perguntas adicionais: ‘O que essa informação me diz a respeito de Jeová? Como afeta a minha vida? Como posso usar isso para ajudar outros?’

24 Essa meditação nos ajudará a nos achegarmos ainda mais a Jeová. Por quê? A Bíblia associa a meditação com o coração. (Salmo 19:14) Quando refletimos com apreço sobre o que aprendemos a respeito de Deus, as informações se infiltram no nosso coração simbólico, onde afetam o nosso modo de pensar, estimulam os sentimentos e, por fim, nos movem à ação. O nosso amor a Deus se aprofunda e esse amor, por sua vez, nos move a desejar agradá-lo como nosso Amigo mais querido. (1 João 5:3) Para chegar a essa relação, temos de conhecer as qualidades e o modo de Jeová agir. Primeiro, no entanto, vamos considerar um aspecto da natureza de Deus que nos impele a nos achegar a ele — a santidade.

^ parágrafo 3 É interessante que a palavra hebraica traduzida por “intimidade” é usada em Amós 3:7, que diz que o Soberano Senhor Jeová revela seu “assunto confidencial” aos seus servos, comunicando-lhes com antecedência o que pretende fazer.

^ parágrafo 12 Por exemplo, a Bíblia fala da face, olhos, ouvidos, narinas, boca, braços e pés de Deus. (Salmo 18:15; 27:8; 44:3; Isaías 60:13; Mateus 4:4; 1 Pedro 3:12) Tais expressões, assim como as referências a Jeová como “Rocha” ou “escudo”, não devem ser entendidas literalmente. — Deuteronômio 32:4; Salmo 84:11.

Saiba mais

A SENTINELA

Jeová se importa com você?

Acha difícil acreditar que Deus se importa com você? As palavras de Jesus em João 6:44 nos dão a certeza de que Deus se preocupa com cada um de nós.