As Boas Novas Segundo Marcos 8:1-38

8  Naqueles dias, havia novamente uma grande multidão, e eles não tinham nada para comer. Então ele convocou os discípulos e lhes disse:  “Tenho pena da multidão,+ porque já estão comigo há três dias, e eles não têm nada para comer.+  Se eu os mandar para casa com fome,* desfalecerão na estrada, e alguns deles vieram de longe.”  Mas os seus discípulos lhe responderam: “Onde alguém poderia encontrar neste lugar isolado pão suficiente para satisfazê-los?”  Com isso ele lhes perguntou: “Quantos pães vocês têm?” Disseram: “Sete.”+  E mandou a multidão se sentar no chão. Então pegou os sete pães, deu graças, partiu-os e começou a dá-los aos seus discípulos, para que os servissem, e eles os serviram à multidão.+  Tinham também alguns peixinhos e, depois de dar graças por estes,* disse-lhes que os servissem também.  Assim, comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos grandes, cheios dos pedaços que sobraram.+  Havia cerca de 4.000 homens. Então ele os dispensou. 10  Ele entrou imediatamente no barco com seus discípulos e chegou à região de Dalmanuta.+ 11  Ali os fariseus se aproximaram e começaram a discutir com ele, pedindo-lhe um sinal* do céu, para o porem à prova.+ 12  Então ele suspirou profundamente* e disse: “Por que esta geração busca um sinal?+ Eu lhes digo a verdade: Nenhum sinal será dado a esta geração.”+ 13  Com isso os deixou, embarcou novamente e foi para a margem oposta. 14  No entanto, eles se esqueceram de levar pães e não tinham nada consigo no barco, a não ser um pão.+ 15  E ele lhes advertiu claramente: “Mantenham os olhos abertos; cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes.”+ 16  Então eles começaram a discutir entre si sobre o fato de não terem pães. 17  Notando isso, ele lhes disse: “Por que vocês estão discutindo sobre não terem pães? Ainda não percebem e não entendem? Seu coração ainda está fechado ao entendimento? 18  ‘Embora tenham olhos, não veem; e embora tenham ouvidos, não ouvem?’ Não se lembram 19  de quantos cestos cheios de pedaços vocês recolheram, quando parti os cinco pães+ para os 5.000 homens?” Disseram-lhe: “Doze.”+ 20  “E quando parti os sete pães para os 4.000 homens, quantos cestos grandes, cheios de pedaços, vocês recolheram?” Responderam-lhe: “Sete.”+ 21  Com isso lhes disse: “Vocês ainda não entendem?” 22  Chegaram então a Betsaida. Ali levaram a ele um cego e lhe suplicaram que tocasse nele.+ 23  E ele pegou o cego pela mão e o levou para fora da aldeia. Depois de cuspir nos olhos dele,+ pôs as mãos sobre ele e lhe perguntou: “Vê alguma coisa?” 24  O homem olhou para cima* e disse: “Vejo pessoas, mas elas parecem árvores andando.” 25  Ele pôs de novo as mãos sobre os olhos do homem, e o homem viu claramente. Sua visão foi restabelecida, e ele podia ver tudo nitidamente. 26  Assim, mandou-o para casa, dizendo: “Não entre na aldeia.” 27  Jesus e seus discípulos partiram então para as aldeias de Cesareia de Filipe, e, no caminho, ele perguntou aos seus discípulos: “Quem as pessoas dizem que eu sou?”+ 28  Responderam-lhe: “João Batista;+ mas outros dizem que é Elias;+ e ainda outros, um dos profetas.” 29  E ele lhes perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro lhe respondeu: “O senhor é o Cristo.”+ 30  Então ele lhes ordenou com firmeza que não contassem a ninguém sobre ele.+ 31  Também, ele começou a lhes ensinar que o Filho do Homem tinha de sofrer muitas coisas e ser rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, e que tinha de ser morto+ e ser levantado três dias depois.+ 32  De fato, fez essa declaração abertamente. Mas Pedro o levou à parte e começou a censurá-lo.+ 33  Com isso ele se virou, olhou para os seus discípulos e censurou Pedro, dizendo: “Para trás de mim, Satanás! Porque você não tem os pensamentos de Deus, mas os de homens.”*+ 34  Chamou então a multidão, junto com seus discípulos, e lhes disse: “Se alguém quer ser meu seguidor, negue a si mesmo, apanhe sua estaca de tortura e siga-me sempre.+ 35  Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa e por causa das boas novas a salvará.+ 36  Realmente, de que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida?+ 37  O que, realmente, o homem daria em troca da sua vida?+ 38  Pois quem se envergonhar de mim e das minhas palavras entre esta geração adúltera e pecadora, desse o Filho do Homem também se envergonhará+ quando vier na glória do seu Pai, com os santos anjos.”+

Notas de rodapé

Ou: “sem comida; em jejum”.
Ou: “de abençoá-los”.
Ou: “uma prova milagrosa”.
Lit.: “suspirou profundamente no seu espírito”.
Ou: “recuperou a visão; voltou a enxergar”.
Ou: “não tem a mente de Deus, mas a de humanos”.

Notas de estudo

sentia pena: O verbo grego splagkhnízomai, usado nessa expressão, está relacionado com a palavra splágkhna, que significa “intestinos”. Por isso, esse verbo indica um sentimento bem profundo, uma emoção intensa. É uma das palavras mais fortes do idioma grego para o sentimento de compaixão.

Tenho pena: Ou: “Tenho compaixão”. — Veja a nota de estudo em Mt 9:36.

cestos: Os cestos mencionados aqui talvez fossem pequenos cestos de vime com uma alça de corda. Esses cestos podiam ser levados em viagens, e acredita-se que tinham a capacidade de aproximadamente 7,5 litros. — Veja as notas de estudo em Mr 8:​19, 20.

cestos grandes: Ou: “cestos de provisões”. A palavra grega usada aqui, sfyrís, parece se referir a um tipo de cesto maior do que aqueles que foram usados quando Jesus alimentou cerca de 5.000 homens. (Veja a nota de estudo em Mr 6:​43.) O texto de At 9:25 (veja a nota de estudo) usa essa mesma palavra grega ao dizer que os discípulos ‘fizeram Paulo descer num cesto por uma abertura na muralha’ para tirá-lo de Damasco.

cerca de 4.000 homens: Apenas o relato paralelo de Mt 15:38 menciona mulheres e crianças ao relatar esse milagre. É possível que nessa ocasião Jesus tenha alimentado mais de 12.000 pessoas.

Magadã: Não se conhece hoje nenhum lugar chamado Magadã na região próxima ao mar da Galileia. Mas alguns pesquisadores acreditam que Magadã seja o mesmo lugar que Magdala, que hoje é a cidade de Migdal, uns 6 quilômetros ao noroeste de Tiberíades. No relato paralelo de Marcos (Mr 8:10), a região é chamada de Dalmanuta. — Veja o Apêndice B10.

Dalmanuta: Esse nome não é mencionado em nenhuma outra parte da Bíblia e também não aparece em fontes não bíblicas, mas foi preservado no Evangelho de Marcos. Não se sabe exatamente onde esse lugar ficava, mas parece que era perto da margem oeste do mar da Galileia, visto que o relato paralelo de Mateus chama a região aonde Jesus chegou de Magadã. (Veja a nota de estudo em Mt 15:39.) Assim, Dalmanuta pode ter sido outro nome da região de Magadã.

suspirou profundamente: Marcos se refere com frequência aos sentimentos de Jesus. Talvez tenha sido Pedro, um homem de fortes sentimentos, quem contou para Marcos como Jesus se sentiu. (Veja a “Introdução a Marcos”.) O verbo grego traduzido como “suspirou profundamente” pode indicar um suspiro ou gemido acompanhado de uma oração silenciosa. Isso mostra a grande compaixão que Jesus sentiu por aquele homem ou até mesmo a dor que Jesus sentiu ao pensar no sofrimento de toda a humanidade. O texto de Ro 8:​22 usa um verbo relacionado ao dizer que toda a criação continua a “gemer”.

suspirou profundamente: Marcos se refere com frequência aos sentimentos e às reações de Jesus. (Mr 3:5; 7:​34; 9:​36; 10:13-​16, 21) Aqui Marcos usa um verbo grego que não é usado em nenhum outro lugar das Escrituras Gregas Cristãs. Esse verbo é uma forma intensificada de um verbo relacionado, usado em Mr 7:​34 (veja a nota de estudo), e expressa uma forte reação emocional. Esse suspiro profundo talvez mostrasse como Jesus estava frustrado com a atitude dos fariseus, que insistiam em pedir um sinal do céu, desconsiderando as claras demonstrações de poder que já tinham visto.

fermento: Ou: “levedo”. A Bíblia muitas vezes usa a palavra “fermento” para representar coisas negativas como o pecado e a maldade, e aqui ela representa a influência e os ensinos prejudiciais das pessoas de quem Jesus estava falando. (Mt 16:​6, 11, 12; 1Co 5:​6-8) A repetição dessa palavra neste versículo indica que o “fermento” dos fariseus era diferente do “fermento” de Herodes e de seus partidários, os herodianos. O grupo dos herodianos era mais político do que religioso. Um exemplo do seu “fermento” está em Mr 12:13-​15, quando eles e os fariseus armaram uma armadilha para Jesus, tentando envolvê-lo na questão política do pagamento de impostos.

Herodes: Alguns manuscritos bem antigos dizem “herodianos”. — Veja o Glossário, “Partidários de Herodes”.

cestos: Os cestos mencionados aqui talvez fossem pequenos cestos de vime com uma alça de corda. Esses cestos podiam ser levados em viagens, e acredita-se que tinham a capacidade de aproximadamente 7,5 litros. — Veja as notas de estudo em Mr 8:​19, 20.

cestos grandes: Ou: “cestos de provisões”. A palavra grega usada aqui, sfyrís, parece se referir a um tipo de cesto maior do que aqueles que foram usados quando Jesus alimentou cerca de 5.000 homens. (Veja a nota de estudo em Mr 6:​43.) O texto de At 9:25 (veja a nota de estudo) usa essa mesma palavra grega ao dizer que os discípulos ‘fizeram Paulo descer num cesto por uma abertura na muralha’ para tirá-lo de Damasco.

cestos grandes: Ou: “cestos de provisões”. — Veja as notas de estudo em Mr 8:​8, 19.

cestos: Ao relatar as duas vezes em que Jesus fez o milagre de alimentar as multidões (veja as notas de estudo em Mr 6:​43; 8:​8, 20 e os relatos paralelos em Mt 14:20; 15:37; 16:​9, 10), os Evangelhos de Mateus e de Marcos descrevem da mesma forma o tipo de cesto que foi usado em cada ocasião. No relato em que Jesus alimentou uns 5.000 homens, tanto Mateus como Marcos usam a palavra grega kófinos (traduzida como “cesto”). No relato em que ele alimentou uns 4.000 homens, os dois Evangelhos usam a palavra grega sfyrís (traduzida como “cesto grande”). Isso indica que Mateus e Marcos estavam presentes nas duas ocasiões ou que souberam desses detalhes por meio de pessoas que presenciaram o milagre.

cestos grandes: Ou: “cestos de provisões”. A palavra grega usada aqui, sfyrís, parece se referir a um tipo de cesto maior do que aqueles que foram usados quando Jesus alimentou cerca de 5.000 homens. (Veja a nota de estudo em Mr 6:​43.) O texto de At 9:25 (veja a nota de estudo) usa essa mesma palavra grega ao dizer que os discípulos ‘fizeram Paulo descer num cesto por uma abertura na muralha’ para tirá-lo de Damasco.

cestos: Ao relatar as duas vezes em que Jesus fez o milagre de alimentar as multidões (veja as notas de estudo em Mr 6:​43; 8:​8, 20 e os relatos paralelos em Mt 14:20; 15:37; 16:​9, 10), os Evangelhos de Mateus e de Marcos descrevem da mesma forma o tipo de cesto que foi usado em cada ocasião. No relato em que Jesus alimentou uns 5.000 homens, tanto Mateus como Marcos usam a palavra grega kófinos (traduzida como “cesto”). No relato em que ele alimentou uns 4.000 homens, os dois Evangelhos usam a palavra grega sfyrís (traduzida como “cesto grande”). Isso indica que Mateus e Marcos estavam presentes nas duas ocasiões ou que souberam desses detalhes por meio de pessoas que presenciaram o milagre.

cestos grandes: Ou: “cestos de provisões”. — Veja as notas de estudo em Mr 8:​8, 19.

um cego: O Evangelho de Marcos é o único que relata que Jesus curou esse cego. — Mr 8:​22-​26.

Cesareia de Filipe: Uma cidade que ficava perto de onde nasce o rio Jordão, a 350 metros de altitude. Ela ficava uns 40 quilômetros ao norte do mar da Galileia, e ao sudoeste do monte Hermom. Foi Filipe, o Tetrarca, (filho de Herodes, o Grande) que deu à cidade o nome de Cesareia para fazer uma homenagem ao imperador de Roma. Ela foi chamada de Cesareia de Filipe para não ser confundida com a outra Cesareia, que ficava na costa do mar Mediterrâneo e tinha um importante porto marítimo. — Veja o Apêndice B10.

Cesareia de Filipe: Veja a nota de estudo em Mt 16:13.

João: Esse nome em português equivale aos nomes hebraicos Jeoanã ou Joanã, que significam “Jeová mostrou favor” ou “Jeová foi bondoso”.

Batista: Ou: “o Imersor; o Mergulhador”. Em Mr 1:4 e 6:14, 24, ele é chamado de “o Batizador”. Pelo visto, João ficou bem conhecido por batizar, ou mergulhar, pessoas na água, e por isso começaram a chamá-lo de “Batista”, como um tipo de sobrenome. Ao falar sobre João, o historiador judeu Flávio Josefo o chamou de “João, cognominado [que tinha o sobrenome] Batista”.

o Batizador: Ou: “o Imersor; o Mergulhador”. A palavra traduzida como “Batizador” aqui e em Mr 6:​14, 24 é um verbo grego no particípio. Essa forma do verbo também poderia ser traduzida como “aquele que batiza”. Ela é um pouco diferente do substantivo grego Baptistés, que foi traduzido como “Batista” em Mr 6:​25; 8:​28, em Mateus e em Lucas. Tanto “Batizador” como “Batista” são usados para se referir a João em Mr 6:​24, 25. — Veja a nota de estudo em Mt 3:1.

Elias: Nome de origem hebraica que significa “meu Deus é Jeová”.

João Batista: Veja as notas de estudo em Mt 3:1; Mr 1:4.

Elias: Veja a nota de estudo em Mt 11:14.

o Cristo: Pedro diz que Jesus é “o Cristo” (em grego, ho Khristós), um título que equivale a “o Messias” (que vem do hebraico Mashíahh). Tanto “Cristo” como “Messias” significam “ungido”. Mateus provavelmente usou o artigo definido em grego antes do título “Cristo” para destacar o papel de Jesus como o Messias. — Veja as notas de estudo em Mt 1:1; 2:4.

o Cristo: Veja a nota de estudo em Mt 16:16.

Filho do Homem: Ou: “Filho de um Humano”. Essa expressão aparece umas 80 vezes nos Evangelhos, e Jesus a usava para se referir a ele mesmo. Pelo visto, ele queria destacar que era realmente um humano, nascido de uma mulher, e que era um equivalente perfeito de Adão. Assim, ele poderia dar a sua vida para livrar a humanidade do pecado e da morte. (Ro 5:12, 14, 15) A expressão também mostrava que Jesus era o Messias, ou o Cristo. — Da 7:13, 14; veja o Glossário.

anciãos: Lit.: “homens idosos”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25; At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. Neste versículo, a palavra “anciãos” se refere a homens de autoridade entre os judeus. Muitas vezes eles são mencionados junto com outros dois grupos: os principais sacerdotes e os escribas. O Sinédrio era formado por homens desses três grupos. — Mt 21:23; 26:3, 47, 57; 27:1, 41; 28:12; veja o Glossário, “Ancião; Homem idoso”.

principais sacerdotes: Quando a palavra grega aparece no singular e se refere ao principal representante do povo diante de Deus, ela é traduzida como “sumo sacerdote”. Aqui, a palavra grega aparece no plural e se refere aos homens mais importantes do sacerdócio, incluindo ex-sumos sacerdotes e, possivelmente, os cabeças das 24 turmas de sacerdotes.

escribas: Inicialmente, essa palavra era usada para se referir aos copistas das Escrituras. Na época de Jesus, a palavra era usada para se referir a homens que eram peritos na Lei mosaica e que a ensinavam a outros.

Filho do Homem: Veja a nota de estudo em Mt 8:​20.

anciãos: Lit.: “homens idosos”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25 e At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. Neste versículo, a palavra “anciãos” se refere a homens de autoridade entre os judeus. Muitas vezes eles são mencionados junto com outros dois grupos: os principais sacerdotes e os escribas. O Sinédrio era formado por homens desses três grupos. — Mr 11:27; 14:43, 53; 15:1; veja a nota de estudo em Mt 16:21 e o Glossário, “Ancião; Homem idoso”.

principais sacerdotes: Veja a nota de estudo em Mt 2:4 e o Glossário.

escribas: Veja a nota de estudo em Mt 2:4 e o Glossário.

pedras de tropeço: Estudiosos acreditam que a palavra grega skándalon, traduzida como “pedra de tropeço”, se referia originalmente a uma armadilha. Alguns acham que se referia mais especificamente à parte da armadilha em que a isca fica presa. Com o tempo, essa palavra grega começou a ser usada para se referir a qualquer obstáculo que fizesse alguém tropeçar ou cair em sentido literal. Em sentido figurado, skándalon se refere a uma ação ou situação que leva uma pessoa a fazer algo inapropriado, tropeçar em sentido moral ou até mesmo cair no pecado. Mt 18:8, 9 usa um verbo relacionado (skandalízo), que é traduzido como “fazer tropeçar”. Ele poderia ser traduzido também como “se tornar uma armadilha; levar ao pecado”.

Satanás: A palavra hebraica satán significa “opositor”. Pelo visto, quando Jesus chamou Pedro de “Satanás”, ele queria dizer que Pedro estava agindo como um opositor. Jesus talvez quisesse dar a entender que, naquele momento, Pedro se deixou influenciar por Satanás.

Para trás de mim: De acordo com o relato paralelo em Mt 16:23, Jesus disse também: “Você é uma pedra de tropeço para mim.” (Veja a nota de estudo em Mt 18:7.) Com essas palavras, Jesus censurou Pedro de modo firme. Jesus não aceitaria que nada o impedisse de cumprir a vontade de seu Pai. Essas palavras também podem ter lembrado Pedro de que, como seguidor de Jesus, ele devia apoiá-lo.

Satanás: Veja a nota de estudo em Mt 16:23.

estaca de tortura: Ou: “estaca de execução”. No grego clássico, staurós se refere principalmente a uma estaca ou poste. Quando essa palavra é usada em sentido figurado, pode significar o que uma pessoa enfrenta por ser um discípulo de Cristo: sofrimento, vergonha, tortura ou até mesmo a morte. — Veja o Glossário.

negue a si mesmo: Ou: “renuncie seus direitos sobre si mesmo”. A expressão grega usada aqui indica que a pessoa deve estar disposta a abrir mão completamente de sua vontade e entregar o controle de sua vida a Deus. Essa expressão também pode ser traduzida como “diga não a si mesmo”, porque seguir a Cristo pode envolver dizer não a desejos pessoais, ambições ou preferências. (2Co 5:14, 15) Mateus usa o mesmo verbo grego traduzido como “negar” quando fala sobre Pedro negar que conhecia Jesus. — Mr 14:30, 31, 72.

estaca de tortura: Veja a nota de estudo em Mt 16:24.

vida: Ou: “alma”. — Veja o Glossário, “Alma”.

vida: Ou: “alma”. — Veja o Glossário, “Alma”.

vida: Ou: “alma”. — Veja o Glossário, “Alma”.

adúltera: Ou: “infiel”. Assim como uma esposa que é infiel ao marido é considerada adúltera, uma pessoa que está num pacto com Deus, mas é infiel, é considerada adúltera em sentido espiritual. Os israelitas eram culpados de adultério espiritual porque violaram o pacto da Lei, misturando a religião falsa com a adoração de Jeová. (Je 3:​8, 9; 5:​7, 8; 9:2; 13:27; 23:10; Os 7:4) Por motivos parecidos, Jesus chamou de adúltera a geração de judeus de seus dias. (Mt 12:39; 16:4) Se um cristão que faz parte do novo pacto se contaminar com este mundo, ele estará cometendo adultério em sentido espiritual. De certa forma, isso também se aplica a todos os que se dedicaram a Jeová. — Tg 4:4.

Mídia

Moeda produzida por Herodes Antipas
Moeda produzida por Herodes Antipas

Estas fotos mostram os dois lados de uma moeda de liga de cobre produzida por volta da época do ministério de Jesus. Quem mandou produzir a moeda foi Herodes Antipas, que era o tetrarca (governador distrital) da Galileia e da Pereia. É provável que Jesus estivesse passando pela Pereia para ir a Jerusalém quando os fariseus disseram a ele que Herodes queria matá-lo. Jesus respondeu chamando Herodes de ‘aquela raposa’. (Veja a nota de estudo em Lu 13:32.) A maioria dos súditos de Herodes eram judeus. Por isso ele produziu moedas com imagens que não ofendessem os judeus, como uma folha de palmeira (1) e uma grinalda (2).