As Boas Novas Segundo Marcos 4:1-41

4  Ele começou novamente a ensinar à beira do mar, e uma multidão muito grande se reuniu perto dele. Então ele entrou num barco e se sentou, e ficou a certa distância da margem, mas toda a multidão estava em terra, à beira do mar.+  E ele começou a ensinar-lhes muitas coisas com ilustrações.+ Ensinava-lhes dizendo:+  “Escutem: O semeador saiu para semear.+  Ao passo que semeava, algumas sementes caíram à beira da estrada, e vieram as aves e as comeram.+  Outras caíram em solo rochoso, onde não havia muita terra, e brotaram imediatamente porque o solo não era profundo.+  Mas, quando o sol se levantou, ficaram queimadas e murcharam, porque não tinham raiz.  Outras sementes caíram entre os espinhos, e os espinhos cresceram e as sufocaram, e elas não deram fruto.+  Mas outras caíram em solo bom e, depois de brotar e crescer, começaram a dar fruto; e produziram 30, 60 e 100 vezes mais.”+  Ele acrescentou então: “Quem tem ouvidos para escutar, escute.”+ 10  Então, quando ficou sozinho, os que estavam em volta dele vieram com os Doze e começaram a lhe perguntar sobre as ilustrações.+ 11  Ele lhes disse: “A vocês foi dado o segredo sagrado+ do Reino de Deus, mas para os de fora tudo é apresentado em ilustrações,+ 12  para que eles olhem, mas ainda assim não vejam, e ouçam, mas ainda assim não compreendam; e eles jamais darão meia-volta e receberão perdão.”+ 13  Além disso, ele lhes disse: “Vocês não compreendem essa ilustração; portanto, como entenderão todas as outras ilustrações? 14  “O semeador semeia a palavra.+ 15  Então, aquelas sementes à beira da estrada, onde se semeia a palavra, representam os que ouvem a palavra, mas logo vem Satanás+ e tira a palavra que foi semeada neles.+ 16  Do mesmo modo, aquelas semeadas em solo rochoso representam os que ouvem a palavra e logo a aceitam com alegria.+ 17  Contudo, não têm raiz em si mesmos, mas continuam por algum tempo; então, assim que surge dificuldade ou perseguição por causa da palavra, tropeçam. 18  Ainda há outras que são semeadas entre os espinhos. Essas representam os que ouvem a palavra,+ 19  mas as ansiedades+ deste mundo, o poder enganoso das riquezas*+ e os desejos+ de todas as outras coisas interferem e sufocam a palavra, e ela se torna infrutífera. 20  Finalmente, aquelas que foram semeadas em solo bom representam os que escutam a palavra, a aceitam e dão fruto: 30, 60 e 100 vezes mais.”+ 21  Disse-lhes também: “Será que se pega uma lâmpada para colocá-la debaixo de um cesto ou debaixo de uma cama? Não é para colocá-la em cima de um suporte?+ 22  Pois não há nada escondido que não venha a ser exposto; nada cuidadosamente oculto que não venha à tona.+ 23  Escute quem tem ouvidos para escutar.”+ 24  Disse-lhes ainda: “Prestem atenção ao que estão ouvindo.+ A mesma medida com que vocês medem será usada com vocês, e mais lhes será acrescentado. 25  Pois àquele que tem, mais será dado;+ mas daquele que não tem, até mesmo o que tem será tirado.”+ 26  Assim, acrescentou: “Portanto, o Reino de Deus é como quando um homem lança sementes no solo. 27  Ele dorme à noite e se levanta de dia, e as sementes brotam e crescem alto, embora ele não saiba exatamente como. 28  O solo, por si mesmo, dá fruto aos poucos: primeiro a haste, depois a espiga, e finalmente o grão maduro na espiga. 29  Mas, assim que os grãos ficam maduros, ele passa a foice, porque chegou o tempo da colheita.” 30  E acrescentou: “A que podemos comparar o Reino de Deus, ou com que ilustração podemos explicá-lo? 31  É semelhante a um grão de mostarda que, quando é semeado no solo, é a menor de todas as sementes da terra.+ 32  Mas, depois de semeado, cresce e se torna maior do que todas as outras hortaliças e produz grandes ramos, de modo que as aves do céu podem achar abrigo sob a sua sombra.” 33  Com muitas ilustrações+ desse tipo, ele lhes falava a palavra, até onde eram capazes de entender.* 34  Realmente, nada lhes falava sem ilustração, mas explicava tudo em particular aos seus discípulos.+ 35  E naquele dia, ao cair a noite, ele lhes disse: “Passemos para a outra margem.”+ 36  Assim, depois de terem dispensado a multidão, eles o levaram, assim como estava, no barco; e havia outros barcos com ele.+ 37  Levantou-se então uma violenta tempestade, e as ondas se lançavam sobre o barco, de modo que o barco estava ficando inundado.+ 38  Mas ele estava na popa, dormindo sobre o travesseiro. Assim, eles o acordaram e lhe disseram: “Instrutor, o senhor não se importa que estejamos prestes a morrer?” 39  Com isso ele se levantou, censurou o vento e disse ao mar: “Silêncio! Cale-se!”+ E o vento parou, e houve uma grande calmaria.+ 40  Então ele lhes disse: “Por que vocês estão com tanto medo?* Ainda não têm nenhuma fé?” 41  Mas eles sentiram um medo incomum e disseram uns aos outros: “Quem é realmente este homem? Até mesmo o vento e o mar lhe obedecem.”+

Notas de rodapé

Ou: “a tentação (o prazer enganoso) de ser rico”.
Lit.: “ouvir”.
Ou: “são tão inseguros”.

Notas de estudo

na praia: Existe um lugar na margem do mar da Galileia, perto de Cafarnaum, que forma um anfiteatro natural, pois a praia tem o formato de uma ferradura e o terreno em volta tem uma leve inclinação. Esse formato contribui para que o local tenha boa acústica. Isso permitiria que a multidão ouvisse o que Jesus falava lá do barco.

a certa distância da margem: Veja a nota de estudo em Mt 13:2.

ilustrações: Ou: “parábolas”. A palavra grega parabolé significa literalmente “colocar ao lado (junto)”, e pode se referir a uma parábola, um provérbio ou uma comparação. Jesus muitas vezes explicava uma coisa por ‘colocá-la ao lado’ de algo, ou seja, por compará-la com outra coisa parecida. (Mr 4:30) As ilustrações de Jesus eram curtas, e muitas vezes eram histórias fictícias que ensinavam uma lição de moral ou uma verdade espiritual.

ilustrações: Veja a nota de estudo em Mt 13:3.

solo rochoso: Jesus não estava falando aqui de um terreno com muitas pedras espalhadas. Ele se referia a uma camada de rocha com pouca terra por cima para a semente brotar. O relato paralelo em Lu 8:6 menciona que as sementes “caíram sobre a rocha”. Em terrenos assim, as raízes das sementes não conseguem ir muito fundo no solo. Por isso, não conseguem a umidade que precisam.

em solo rochoso: Veja a nota de estudo em Mt 13:5.

entre os espinhos: Pelo visto, Jesus não estava falando aqui de espinheiros crescidos, mas de plantas daninhas com espinhos que não foram removidas depois de se arar o solo. Quando as plantas daninhas crescessem, sufocariam as sementes que foram plantadas.

entre os espinhos: Veja a nota de estudo em Mt 13:7.

Quem tem ouvidos para escutar, escute: Antes de contar a ilustração do semeador, Jesus disse: “Escutem.” (Mr 4:3) Aqui, no fim da ilustração, ele aconselha novamente seus seguidores a ‘escutar’, mostrando que é muito importante prestar atenção e agir de acordo com o que ele diz. Podemos encontrar frases bem parecidas com essa em Mt 11:15; 13:​9, 43; Mr 4:​23; Lu 8:8; 14:35; Ap 2:​7, 11, 17, 29; 3:​6, 13, 22; 13:9.

mundo: Ou: “sistema de coisas”. A palavra grega usada aqui, aión, tem o sentido básico de “época”. Ela pode se referir também a uma situação existente ou a características marcantes de certo período ou época. Aqui, Jesus mostrou que a vida neste mundo governado pelo Diabo seria cheia de ansiedades e problemas. — Veja o Glossário, “Sistema(s) de coisas”.

uma lâmpada: Nos tempos bíblicos, a lâmpada que as pessoas usavam em casa era um pequeno recipiente de barro. Elas colocavam azeite dentro da lâmpada para alimentar a chama.

um cesto: Usado para medir a quantidade de grãos e de outras mercadorias secas. O tipo de “cesto” (em grego, módios) que Jesus mencionou aqui tinha a capacidade de uns 9 litros.

uma lâmpada: Veja a nota de estudo em 5:15.

um cesto: Veja a nota de estudo em Mt 5:​15.

A mesma medida com que vocês medem: O contexto nos versículos 23 a 25 indica que, se os discípulos dessem pouca atenção e mostrassem falta de interesse, eles tirariam pouco proveito dos ensinos de Jesus. Mas, se dessem a Jesus toda a sua atenção, ele corresponderia dando ainda mais informações e esclarecimentos. Esse entendimento enriqueceria suas vidas, e eles ficariam mais preparados para ensinar outros. Jesus, na sua generosidade, superaria as expectativas deles.

Portanto, o Reino de Deus é como quando um homem lança sementes: O Evangelho de Marcos é o único que registra a ilustração encontrada nos versículos 26 a 29.

grão de mostarda: Embora existam várias espécies silvestres de pé de mostarda em Israel, a mostarda-preta (Brassica nigra) é a variedade geralmente cultivada na região. A semente da mostarda-preta é redonda, mede entre 1 e 1,6 milímetro e pesa 1 miligrama. Apesar de ser bem pequena, a semente de mostarda pode se tornar uma planta do tamanho de uma árvore. Algumas variedades de pé de mostarda podem chegar a 4,5 metros de altura.

a menor de todas as sementes: Existem outras sementes menores do que a de mostarda, mas parece que a semente de mostarda era a menor semente que os lavradores galileus plantavam e colhiam. Em alguns textos judaicos antigos, a semente de mostarda era usada como figura de linguagem para se referir a algo extremamente pequeno.

grão de mostarda: Veja a nota de estudo em Mt 13:31.

a menor de todas as sementes: Veja a nota de estudo em Mt 13:32.

entender: Ou: “escutar”. A palavra grega para “escutar” pode passar a ideia de “prestar atenção por escutar” ou de “entender (compreender)”. — Compare com as notas de estudo em At 9:7; 22:9.

a outra margem: Ou seja, a margem leste do mar da Galileia.

a outra margem: Veja a nota de estudo em Mt 8:18.

grande tempestade: Grandes tempestades são comuns no mar da Galileia. A superfície desse lago (veja a nota de estudo em Mt 4:18) fica uns 210 metros abaixo do nível do mar. O ar sobre ele é mais quente do que o ar das planícies e montes que ficam em volta. Essa diferença de temperatura causa perturbações atmosféricas e ventos fortes que, de uma hora para outra, podem começar a levantar grandes ondas.

uma violenta tempestade: Essa expressão traduz três palavras gregas que poderiam ser traduzidas literalmente como “um grande furacão de vento”. (Veja a nota de estudo em Mt 8:​24.) Visto que Marcos não estava presente naquela ocasião, essa descrição da força da tempestade e outros detalhes mencionados nesse relato talvez indiquem que foi Pedro quem contou para Marcos o que aconteceu. — Para mais informações sobre a contribuição de Pedro para o Evangelho de Marcos, veja a “Introdução a Marcos”.

o travesseiro: Ou: “a almofada”. Esta é a única ocorrência dessa palavra grega nas Escrituras Gregas Cristãs. Aqui foi usado o artigo definido em grego, o que talvez indique que o travesseiro era um item específico que fazia parte do equipamento do barco. Talvez fosse um saco de areia que ficava debaixo do convés da popa para dar estabilidade, um assento revestido de couro para o timoneiro, ou uma almofada ou um velo de lã onde um remador podia sentar.

Mídia

Suporte para lâmpada
Suporte para lâmpada

O suporte para lâmpada mostrado aqui (1) foi desenhado com base em peças do século 1 d.C., encontradas em Éfeso e na Itália. Esse tipo de suporte provavelmente era usado em casas de pessoas ricas. Em casas mais pobres, a lâmpada ficava numa abertura na parede (2), era pendurada no teto ou era colocada em cima de um suporte simples de barro ou madeira.

Barco de pesca do século 1 d.C.
Barco de pesca do século 1 d.C.

Este desenho se baseia em duas fontes. A primeira são os restos de um barco de pesca do século 1 d.C. que foi encontrado enterrado na lama perto de uma das margens do mar da Galileia. A segunda fonte é um mosaico encontrado numa casa do século 1 d.C., na cidade costeira de Migdal. Esse tipo de barco talvez tivesse um mastro e uma vela (ou velas), e sua tripulação talvez fosse de cinco pessoas — quatro remadores e um timoneiro, que ficava de pé num pequeno convés na popa. O casco do barco tinha aproximadamente 1,25 metro de altura, 8 metros de comprimento e 2,5 metros de largura. Parece que podia transportar 13 homens ou mais. O quadro à direita ajuda a visualizar o tamanho do barco.

Restos de um barco de pesca da Galileia
Restos de um barco de pesca da Galileia

Uma seca nos anos de 1985 e 1986 fez com que o nível da água do mar da Galileia baixasse. Isso deixou exposta uma parte do casco de um antigo barco que estava enterrado na lama. Os restos do barco podem ser vistos num museu em Israel. Eles têm 8,2 metros de comprimento, 2,3 metros de largura e 1,3 metro de altura na parte mais alta. Arqueólogos dizem que o barco foi construído entre o século 1 a.C. e o século 1 d.C. Esta animação reconstrói o barco, mostrando como ele talvez fosse quando atravessava o mar da Galileia uns 2.000 anos atrás.