Romanos 7:1-25

7  Será que não sabeis, irmãos, (pois estou falando aos que conhecem lei,) que a Lei domina sobre o homem enquanto ele vive?+  Por exemplo, a mulher casada* está amarrada por lei ao seu marido enquanto ele viver; mas, se o seu marido morrer, ela está exonerada da lei de seu marido.+  Assim, pois, enquanto o seu marido viver, ela seria denominada adúltera* caso se tornasse de outro homem.+ Mas, se o seu marido morrer, ela está livre da lei dele, de modo que não é adúltera caso se tornar de outro homem.+  Assim, meus irmãos, vós também fostes mortos para com a Lei,+ por intermédio do corpo do Cristo, para que vos tornásseis de outro,+ daquele que foi levantado dentre os mortos,+ a fim de que déssemos fruto+ para Deus.  Pois, quando estávamos de acordo com a carne,+ as paixões pecaminosas, incitadas pela Lei, trabalhavam em nossos membros para que produzíssemos fruto para a morte.+  Mas agora fomos exonerados da Lei,+ porque morremos+ para com aquilo que nos segurava, para que fôssemos escravos*+ num novo sentido, pelo espírito,+ e não no velho sentido, pelo código escrito.+  O que diremos, então? É a Lei pecado?+ Que nunca se torne tal! Realmente, eu não teria chegado a conhecer o pecado,+ se não fosse a Lei; e, por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça,+ se a Lei não dissesse: “Não deves cobiçar.”+  Mas o pecado, recebendo induzimento por intermédio do mandamento,+ produziu em mim cobiça de toda sorte, pois, à parte da lei, o pecado estava morto.+  De fato, eu estava uma vez vivo à parte da lei;+ mas, ao chegar o mandamento,+ o pecado passou a viver novamente, mas eu morri.+ 10  E o mandamento que era para a vida,+ este eu achei ser para a morte.+ 11  Pois o pecado, recebendo induzimento por intermédio do mandamento, seduziu-me+ e matou-me por intermédio dele. 12  Por conseguinte, a Lei, da sua parte, é santa,+ e o mandamento é santo, e justo,+ e bom.+ 13  Acaso o bom se tornou morte para mim? Que isso nunca aconteça! Mas o pecado sim, para que se mostrasse como pecado, produzindo para mim a morte por intermédio daquilo que é bom;+ para que o pecado se tornasse muito mais pecaminoso por intermédio do mandamento.+ 14  Pois sabemos que a Lei é espiritual;+ mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.+ 15  Pois não sei o que estou produzindo. Porque aquilo que quero,* isso não pratico; mas aquilo que odeio é o que faço. 16  No entanto, se aquilo que não quero é o que faço,+ estou concordando que a Lei é excelente.+ 17  Mas então, quem o produz não sou mais eu, mas o pecado que reside em mim.+ 18  Pois eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não mora nada bom;+ porque a capacidade de querer+ está presente em mim, mas a capacidade de produzir+ o que é excelente não está [presente]. 19  Pois o bem que quero, não faço,+ mas o mal que não quero, este é o que pratico. 20  Se aquilo que não quero é o que faço, então, quem o produz não sou mais eu, mas o pecado que mora em mim.+ 21  Acho assim a seguinte lei no meu caso: que, quando quero fazer o que é direito,+ está presente em mim aquilo que é mau.+ 22  Eu realmente me deleito+ na lei de Deus segundo o homem+ que sou no íntimo, 23  mas observo em meus membros+ outra lei guerreando+ contra a lei da minha mente+ e levando-me cativo à lei do pecado+ que está nos meus membros. 24  Homem miserável* que eu sou! Quem me resgatará do corpo que é submetido a esta morte?+ 25  Graças a Deus, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor!+ Assim, pois, com a mente, eu mesmo sou escravo da lei de Deus,+ mas com a [minha] carne, [escravo] da lei do pecado.+

Notas de rodapé

Ou “mulher sujeita a um marido”.
“Adúltera.” Lat.: a·dúl·te·ra.
“Fôssemos escravos”, אAB; J18: “fôssemos servos de Jeová”.
Ou “tenciono [fazer]”.
Lit.: “caloso; calejado”.