Mateus 13:1-58

13  Jesus, naquele dia, tendo saído de casa, estava sentado à beira do mar;  e ajuntaram-se a ele grandes multidões, de modo que entrou num barco e se assentou,+ e toda a multidão estava em pé na praia.  Disse-lhes então muitas coisas por meio de ilustrações,* dizendo: “Eis que um semeador saiu a semear;+  e, ao passo que semeava, algumas [sementes] caíram à beira da estrada, e vieram as aves e as comeram.+  Outras caíram em lugares pedregosos, onde não tinham muito solo, e brotaram imediatamente, por não terem profundidade de solo.+  Mas, ao se levantar o sol, ficaram queimadas, e, por não terem raiz, murcharam.+  Outras, também, caíram entre os espinhos, e os espinhos cresceram e as sufocaram.+  Ainda outras caíram em solo excelente e começaram a dar fruto,+ esta cem vezes mais, aquela sessenta vezes mais, outra trinta vezes mais.+  Escute aquele que tem ouvidos.”+ 10  Vieram assim os seus discípulos e lhe disseram: “Por que é que lhes falas usando ilustrações?”+ 11  Em resposta, ele disse: “A vós é concedido entender os segredos sagrados+ do reino dos céus, mas a esses não é concedido.+ 12  Pois a todo aquele que tiver, dar-se-á mais e far-se-á abundar;+ mas a todo o que não tiver, até mesmo o que tiver será tirado dele.+ 13  É por isso que lhes falo usando ilustrações, porque olhando, olham em vão, e ouvindo, ouvem em vão, nem entendem;+ 14  e é neles que tem cumprimento a profecia de Isaías, que diz: ‘Ouvindo ouvireis, mas de modo algum entendereis; e olhando olhareis, mas de modo algum vereis.+ 15  Pois o coração deste povo tem ficado embotado* e seus ouvidos têm ouvido sem reação,* e eles têm fechado os olhos; para que nunca vissem com os olhos, nem ouvissem com os ouvidos, nem entendessem com os corações e se voltassem, e eu os sarasse.’+ 16  “No entanto, felizes são os vossos olhos+ porque observam, e os vossos ouvidos porque ouvem. 17  Pois, deveras, eu vos digo: Muitos profetas+ e homens justos desejaram ver o que vós estais observando e não o viram,+ e ouvir as coisas que vós estais ouvindo e não as ouviram.+ 18  “Escutai, então, a ilustração do homem que semeou.+ 19  Quando alguém ouve a palavra do reino, mas não a entende, vem o iníquo+ e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o semeado à beira da estrada. 20  Quanto ao semeado nos lugares pedregosos, este é o que ouve a palavra e a aceita imediatamente com alegria.+ 21  Contudo, ele não tem raiz em si mesmo, mas continua por algum tempo, e depois de ter surgido tribulação ou perseguição, por causa da palavra, logo tropeça.+ 22  Quanto ao semeado entre os espinhos, este é o que ouve a palavra, mas as ansiedades deste sistema de coisas*+ e o poder enganoso das riquezas* sufocam a palavra, e ele* se torna infrutífero.+ 23  Quanto ao semeado em solo excelente, este é o que ouve a palavra e a entende, que realmente dá fruto e produz, este cem vezes mais, aquele sessenta vezes mais, outro trinta vezes mais.”+ 24  Apresentou-lhes outra ilustração, dizendo: “O reino dos céus tem-se tornado semelhante a um homem que semeou excelente semente no seu campo.+ 25  Enquanto os homens dormiam, veio seu inimigo e semeou por cima joio* entre o trigo, e foi embora. 26  Quando a lâmina cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. 27  Vieram assim os escravos do dono de casa e disseram-lhe: ‘Amo, não semeaste excelente semente no teu campo?+ Donde lhe veio então o joio?’+ 28  Disse-lhes ele: ‘Um inimigo, um homem, fez isso.’+ Disseram-lhe: ‘Queres, pois, que vamos e o reunamos?’ 29  Ele disse: ‘Não; para que não aconteça que, ao reunirdes o joio, desarraigueis também com ele o trigo. 30  Deixai ambos crescer juntos até a colheita; e na época da colheita direi aos ceifeiros: Reuni primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado,+ depois ide ajuntar o trigo ao meu celeiro.’”+ 31  Apresentou-lhes outra ilustração,+ dizendo: “O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda,+ que um homem tomou e plantou no seu campo; 32  o qual, de fato, é a menor de todas as sementes, mas, quando desenvolvida, é a maior das hortaliças e se torna uma árvore, de modo que as aves do céu+ vêm e acham pousada entre os seus ramos.”+ 33  Disse-lhes ainda outra ilustração: “O reino dos céus é semelhante ao fermento+ que certa mulher tomou e escondeu em três grandes medidas* de farinha, até que a massa inteira ficou levedada.” 34  Todas estas coisas falou Jesus às multidões por meio de ilustrações. Deveras, nada lhes falava sem ilustração;+ 35  para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta, que disse: “Abrirei a boca com ilustrações, publicarei as coisas escondidas desde a fundação.”+ 36  Despedindo então as multidões, entrou na casa. E vieram a ele os seus discípulos e disseram: “Explica-nos a ilustração do joio* no campo.” 37  Em resposta, ele disse: “O semeador da semente excelente é o Filho do homem; 38  o campo é o mundo;+ quanto à semente excelente, estes são os filhos do reino; mas o joio são os filhos do iníquo,+ 39  e o inimigo que o semeou é o Diabo.+ A colheita+ é a terminação* dum sistema de coisas*+ e os ceifeiros são os anjos. 40  Portanto, assim como o joio é reunido e queimado no fogo, assim será na terminação do sistema de coisas.+ 41  O Filho do homem enviará os seus anjos, e estes reunirão dentre o seu reino todas as coisas que causam tropeço+ e os que fazem o que é contra a lei, 42  e lançá-los-ão na fornalha ardente.+ Ali é que haverá o [seu] choro e o ranger de [seus] dentes.+ 43  Naquele tempo, os justos brilharão+ tão claramente como o sol,+ no reino de seu Pai. Escute aquele que tem ouvidos.+ 44  “O reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido no campo, que certo homem achou e escondeu; e, na sua alegria, vai e vende+ todas as coisas que tem e compra aquele campo.+ 45  “Novamente, o reino dos céus é semelhante a um comerciante viajante que buscava pérolas excelentes. 46  Ao achar uma pérola de grande valor,+ foi e vendeu prontamente todas as coisas que tinha e a comprou.+ 47  “Novamente, o reino dos céus é semelhante a uma rede de arrasto lançada ao mar e que apanhou [peixes] de toda espécie.+ 48  Quando ela ficou cheia, arrastaram-na para a praia, e, assentando-se, reuniram os excelentes+ em vasos, mas os imprestáveis+ lançaram fora. 49  Assim será na terminação do sistema de coisas:* os anjos sairão e separarão os iníquos+ dos justos,+ 50  e lançá-los-ão na fornalha ardente. Ali é que haverá o [seu] choro e o ranger de [seus] dentes.+ 51  “Compreendestes o sentido de todas estas coisas?” Eles lhe disseram: “Sim.” 52  Então lhes disse: “Sendo este o caso, todo instrutor público,* quando ensinado a respeito do reino dos céus,+ é semelhante a um homem, dono de casa, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas.”+ 53  Terminando Jesus estas ilustrações, foi dali atravessando o país. 54  E, chegando ao seu próprio território,*+ começou a ensiná-los nas sinagogas+ deles, de modo que ficaram assombrados e disseram: “Onde obteve este homem tal sabedoria e tais obras poderosas? 55  Não é este o filho do carpinteiro?+ Não se chama a sua mãe Maria e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas? 56  E suas irmãs, não estão todas elas aqui conosco?+ Onde obteve, então, este homem todas essas coisas?”+ 57  De modo que começaram a tropeçar por causa dele.+ Mas Jesus disse-lhes: “Um profeta não passa sem honra a não ser no seu próprio território e em sua própria casa.”+ 58  E não fez ali muitas obras poderosas, por terem eles falta de fé.+

Notas de rodapé

Ou “em parábolas”. Gr.: en pa·ra·bo·laís; lat.: in pa·rá·bo·lis; J17,18,22(hebr.): bim·sha·lím.
Lit.: “foi tornado grosso (gordo)”.
Ou “de má vontade”.
Ou “ordem de coisas”. Gr.: ai·ó·nos; lat.: saé·cu·li; J17,18,22(hebr.): ha·‛oh·lám, “a ordem de coisas”.
Ou “e o prazer enganoso de ser rico”.
Ou “ela”, isto é, a “palavra”.
Ou “cizânia”. Veja v. 36 n.
“Grandes medidas.” Ou “seás”. Gr.: sá·ta. Um seá equivalia a 7,33 l.
Ou “cizânia”. Gr.: zi·za·ní·on; J17,22(hebr.): zu·néh. Uma espécie das gramíneas, cujas sementes têm propriedades venenosas, supostamente provenientes dum fungo que se desenvolve nelas.
Ou “fim conjunto; fim conjugado; consumação”. Gr.: συντέλεια (syn·té·lei·a); lat.: con·sum·má·ti·o. Veja Da 12:4 n.: “fim”.
Ou “duma ordem de coisas”. Gr.: ai·ó·nos; lat.: saé·cu·li; J1-14,16-18,22(hebr.): ha·‛oh·lám, “da ordem de coisas”.
Veja v. 39 n.
Ou “toda pessoa instruída”.
Ou “cidade”.