Eclesiastes 10:1-20

10  Moscas mortas* fazem o óleo do fabricante de ungüento+ cheirar mal, borbulhar. [Assim] faz um pouco de estultícia àquele que é precioso pela sabedoria e pela glória.+  O coração do sábio está à sua direita,+ mas o coração do estúpido está à sua esquerda.+  E também, qualquer que seja o caminho em que o estulto andar,+ seu próprio coração é falto,* e ele certamente diz a todos que é estulto.+  Se o espírito de um governante se levantar contra ti, não deixes o teu próprio lugar,+ pois a própria calma aquieta grandes pecados.+  Existe algo calamitoso que tenho visto debaixo do sol, como quando há um engano+ que se propaga por causa de quem está em poder:+  A estultícia* tem sido posta em muitas posições elevadas,+ mas os próprios ricos continuam morando apenas numa condição rebaixada.  Vi servos sobre cavalos, mas príncipes andando na terra como se fossem servos.+  Quem cava um buraco, cairá nele;+ e quem rompe por um muro de pedras, a este morderá uma serpente.+  Quem extrai pedras, ferir-se-á com elas. Quem racha toras, terá de ter cuidado com elas.+ 10  Se uma ferramenta ficou embotada e alguém não lhe amolou o fio,+ então terá de usar as suas próprias energias vitais. De modo que usar de sabedoria para bom êxito significa uma vantagem.+ 11  Se a serpente morde quando não se produz encantamento,+ então não há vantagem para quem se empenha na língua. 12  As palavras da boca do sábio significam favor,+ mas os lábios do estúpido o engolem.+ 13  O início das palavras da sua boca é estultícia,+ e o fim posterior da sua boca é doidice calamitosa. 14  E o estulto fala muitas palavras.+ O homem* não sabe o que virá a ser; e daquilo que virá a ser após ele, quem o pode informar?+ 15  O trabalho árduo dos estúpidos os fatiga,+ porque ninguém ficou sabendo como ir à cidade.+ 16  O que será de ti, ó terra, quando teu rei é rapaz+ e os teus próprios príncipes continuam a comer até mesmo de manhã? 17  Feliz és, ó terra, quando teu rei é filho de nobres e teus próprios príncipes comem no tempo devido para [ter] potência, não para somente beber.+ 18  Pela grande preguiça arria o vigamento, e pelo abaixamento das mãos a casa tem goteiras.+ 19  O pão* é para o riso dos trabalhadores, e o próprio vinho alegra a vida;+ mas o dinheiro* é o que encontra resposta em todas as coisas.+ 20  Não invoques o mal sobre o próprio rei+ nem mesmo no teu quarto de dormir, e não invoques o mal sobre o rico+ nos quartos interiores, onde te deitas; pois uma criatura voadora dos céus transmitirá o som e o que tem asas contará o assunto.+

Notas de rodapé

Lit.: “Moscas da morte.”
Ou “sua própria boa motivação está faltando”. Hebr.: lib·bóh hha·sér.
“A estultícia”, M; LXXSyVg: “O estulto.”
Lit.: “O homem terreno.” Hebr.: ha·’a·dhám.
Ou “alimento”. Hebr.: lé·hhem.
Lit.: “mas a prata”. Hebr.: wehak·ké·sef.