Levítico 14:1-57

14  E Jeová continuou a falar a Moisés, dizendo:  “Esta se tornará a lei do leproso+ no dia de se efetivar a sua purificação, quando tem de ser levado ao sacerdote.+  E o sacerdote tem de sair para fora do acampamento, e o sacerdote tem de ver; e se a praga da lepra tiver sido curada+ no leproso,  então o sacerdote tem de dar ordem; e, para se purificar, ele* tem de tomar duas aves+ limpas, vivas, e lenha de cedro,+ e fibras carmíneas,+ e hissopo.+  E o sacerdote tem de dar ordem, e uma ave tem de ser morta* num vaso de barro por cima de água corrente.*+  Quanto à ave viva, deve tomá-la, bem como a lenha de cedro, e as fibras carmíneas, e o hissopo, e tem de mergulhá-los, bem como a ave viva, no sangue da ave que foi morta por cima da água corrente.  Então tem de espargi-lo+ sete vezes+ sobre aquele que se purifica da lepra e tem de declará-lo limpo,+ e tem de soltar a ave viva sobre o campo aberto.*+  “E aquele que se purifica tem de lavar suas vestes+ e rapar todo o seu cabelo, e banhar-se+ em água, e ele tem de ser limpo, e depois pode entrar no acampamento. E tem de morar fora da sua tenda por sete dias.+  E tem de acontecer, no sétimo dia, que deve rapar todo o cabelo de sua cabeça+ e de seu queixo, bem como as suas sobrancelhas. Sim, deve rapar todo o seu cabelo, e tem de lavar as suas vestes e banhar sua carne em água; e ele tem de ser limpo. 10  “E no oitavo+ dia tomará dois carneirinhos sadios* e uma cordeira sadia,+ no seu primeiro ano, e três décimos de um efa de flor de farinha como oferta de cereais+ umedecida com azeite, e a medida de um logue* de azeite;+ 11  e o sacerdote que o declarar limpo tem de apresentar o homem* que se purifica, bem como as coisas, perante Jeová, à entrada da tenda de reunião. 12  E o sacerdote tem de tomar um carneirinho e oferecê-lo como oferta pela culpa,+ junto com a medida de um logue+ de azeite, e tem de movê-los para lá e para cá como oferta movida+ perante Jeová. 13  E ele tem de abater o carneirinho no lugar+ onde se abatem regularmente a oferta* pelo pecado e a oferta queimada, num lugar santo,+ porque, igual à oferta pelo pecado, a oferta pela culpa pertence ao sacerdote.+ É algo santíssimo. 14  “E o sacerdote tem de tomar um pouco do sangue da oferta pela culpa, e o sacerdote tem de pô-lo sobre a ponta da orelha direita daquele que se purifica e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o dedo grande do seu pé direito.+ 15  E o sacerdote tem de tomar um pouco do logue+ de azeite e despejá-lo sobre a palma da mão esquerda do sacerdote. 16  E o sacerdote tem de mergulhar o dedo direito no azeite que tem na palma esquerda e com o dedo tem de espargir um pouco do azeite sete vezes+ perante Jeová. 17  E do resto do azeite que tem na palma o sacerdote porá um pouco sobre a ponta da orelha direita daquele que se purifica e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o dedo grande do seu pé direito, por cima do sangue da oferta pela culpa.+ 18  E o que sobrar do azeite que há na palma da mão do sacerdote ele porá sobre a cabeça daquele que se purifica, e o sacerdote tem de fazer expiação+ por ele perante Jeová. 19  “E o sacerdote tem de fazer a oferta pelo pecado+ e fazer expiação por aquele que se purifica de sua impureza, e depois abaterá a oferta queimada. 20  E o sacerdote tem de oferecer sobre o altar a oferta queimada e a oferta de cereais,+ e o sacerdote+ tem de fazer expiação por ele;+ e ele tem de ser limpo.+ 21  “No entanto, se ele for de condição humilde+ e não tiver meios+ suficientes,* então terá de tomar um carneirinho como oferta pela culpa, como oferta movida, a fim de fazer expiação por ele, e um décimo de um efa de flor de farinha umedecida com azeite, como oferta de cereais, e a medida de um logue de azeite, 22  e duas rolas+ ou dois pombos novos,* conforme tiver os meios, e um terá de servir de oferta pelo pecado e o outro de oferta queimada. 23  E no oitavo dia+ terá de trazê-los ao sacerdote, para a efetivação da sua purificação,+ à entrada da tenda de reunião,+ perante Jeová. 24  “E o sacerdote tem de tomar o carneirinho da oferta pela culpa+ e a medida de um logue de azeite, e o sacerdote tem de movê-los para lá e para cá como oferta movida perante Jeová.+ 25  E ele tem de abater o carneirinho da oferta pela culpa, e o sacerdote tem de tomar um pouco do sangue da oferta pela culpa e pô-lo sobre a ponta da orelha direita daquele que se purifica, e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o dedo grande do seu pé direito.+ 26  E o sacerdote despejará um pouco do azeite sobre a palma da mão esquerda+ do sacerdote. 27  E o sacerdote, com o dedo direito, tem de espargir+ um pouco do azeite que tem na palma esquerda sete vezes perante Jeová. 28  E o sacerdote tem de pôr um pouco do azeite que tem na palma sobre a ponta da orelha direita daquele que se purifica, e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre o dedo grande do seu pé direito, por cima do lugar do sangue da oferta pela culpa.+ 29  E o que sobrar do azeite que há na palma da mão do sacerdote ele porá sobre a cabeça+ daquele que se purifica, a fim de fazer expiação por ele perante Jeová. 30  “E ele tem de ofertar uma das rolas ou [um] dos pombos novos para os quais tenha os meios,+ 31  um deles, para o qual tenha os meios, como oferta pelo pecado,+ e o outro como oferta queimada,+ junto com a oferta de cereais; e o sacerdote tem de fazer expiação+ por aquele que se purifica perante Jeová. 32  “Esta é a lei para aquele em quem houve a praga da lepra, que não tenha os meios quando efetiva a sua purificação.” 33  E Jeová passou a falar a Moisés e a Arão, dizendo: 34  “Quando entrardes na terra de Canaã,+ que vos dou como propriedade,+ e eu deveras puser a praga da lepra numa casa da terra de vossa propriedade,+ 35  então terá de vir aquele a quem pertence a casa e terá de contá-lo ao sacerdote, dizendo: ‘Apareceu-me na casa algo como uma praga.’ 36  E o sacerdote terá de dar ordens, e eles terão de esvaziar a casa antes de o sacerdote entrar para ver a praga, para que não declare impuro a tudo o que houver na casa; e depois entrará o sacerdote para ver a casa. 37  Tendo visto a praga, então, se a praga estiver nas paredes da casa, com depressões verde-amareladas ou avermelhadas, e tiverem o aspecto de serem mais fundas do que a superfície da parede, 38  então o sacerdote terá de sair da casa à entrada da casa e terá de pôr a casa de quarentena+ por sete dias. 39  “E o sacerdote terá de voltar no sétimo dia e terá de ver;+ e se a praga se tiver espalhado nas paredes da casa, 40  então o sacerdote terá de dar ordens, e eles terão de arrancar+ as pedras em que houver a praga e terão de lançá-las fora da cidade, num lugar impuro. 41  E fará raspar a casa* por dentro, em toda a volta, e o reboco que cortarem* terão de lançar fora da cidade num lugar impuro. 42  E terão de tomar outras pedras e metê-las no lugar das pedras anteriores; e ele* fará que se tome reboco diferente e fará rebocar a casa. 43  “Porém, se a praga voltar e deveras irromper na casa depois de se terem arrancado as pedras e depois de se ter cortado* e rebocado a casa, 44  então o sacerdote+ terá de entrar e ver; e se a praga se tiver espalhado na casa, há lepra maligna+ na casa. É impura. 45  E terá de fazer demolir a casa com as suas pedras e seu madeiramento, e todo o reboco da casa, e terá de fazê-lo levar para fora da cidade a um lugar impuro.+ 46  Mas quem entrar na casa em qualquer dos dias da sua quarentena+ ficará impuro até à noitinha;+ 47  e quem se deitar na casa deve lavar as suas vestes,+ e quem comer na casa deve lavar as suas vestes. 48  “No entanto, se é que o sacerdote vem e deveras vê, e eis que agora a praga não se espalhou na casa, depois de a casa ter sido rebocada, então o sacerdote tem de declarar a casa limpa, porque a praga foi curada.+ 49  E para purificar de pecado a casa, tem de tomar duas aves,+ e lenha de cedro,+ e fibras carmíneas,+ e hissopo. 50  E ele tem de matar uma ave num vaso de barro por cima de água corrente.+ 51  E tem de tomar a lenha de cedro, e o hissopo,+ e as fibras carmíneas, e a ave viva, e mergulhá-los no sangue da ave que foi morta e na água corrente, e tem de espargi-lo+ em direção à casa, sete vezes.+ 52  E ele tem de purificar de pecado a casa com o sangue da ave e a água corrente, e com a ave viva, e a lenha de cedro, e o hissopo, e as fibras carmíneas. 53  E ele tem de soltar a ave viva, fora da cidade, ao campo aberto, e tem de fazer expiação+ pela casa; e ela tem de ser limpa. 54  “Esta é a lei com respeito a qualquer praga de lepra+ e com respeito a qualquer queda anormal do cabelo,+ 55  e com respeito à lepra da veste+ e na casa, 56  e com respeito à erupção, e à escara, e à mancha,+ 57  a fim de se darem instruções+ quando algo é impuro e quando algo é puro.* Esta é a lei a respeito da lepra.”+

Notas de rodapé

“Ele”, MVg; SamLXXSy: “eles”.
Lit.: “e ele tem de matar uma ave”, M; SamLXXSy: “e eles têm de matar uma ave”.
Lit.: “água viva”.
Lit.: “sobre a face do campo”.
SamLXX acrescentam: “de um ano de idade”.
Um logue equivalia a 0,31 l.
Lit.: “tem de postar o homem”.
Lit.: “onde ele abate regularmente a oferta”, M; SamLXX: “onde eles abatem regularmente a oferta”.
Lit.: “e sua mão não [o] estiver alcançando”. Vv. 22, 30-32 têm expressões similares.
Lit.: “filhotes de pombo”.
“E eles rasparão a casa”, SamLXXSy.
“Cortarem”, M; TOSy: “rasparem”.
Isto é, o sacerdote.
“Depois de se ter cortado”, M; TOLXXSy: “depois de se ter raspado”.
Lit.: “no dia do impuro e no dia do puro”.