Josué 6:1-27

6  Ora, Jericó estava rigorosamente fechada por causa dos filhos de Israel; ninguém saía e ninguém entrava.+  E Jeová prosseguiu, dizendo a Josué: “Vê, entreguei na tua mão Jericó e seu rei, os valentes poderosos.+  E todos vós, homens de guerra, tendes de marchar em volta da cidade, rodeando* a cidade uma vez. Assim deves fazer por seis dias.  E sete sacerdotes devem carregar sete buzinas de carneiro adiante da Arca, e no sétimo dia deveis marchar sete vezes em volta da cidade e os sacerdotes devem tocar as buzinas.+  E terá de acontecer que, quando fizerem soar o corno de carneiro, quando ouvirdes o som da buzina,* então todo o povo deve dar um grande grito de guerra;+ e a muralha da cidade tem de cair rente ao chão,+ e o povo tem de subir, cada um diretamente na frente de si.”  Por conseguinte, Josué, filho de Num, chamou os sacerdotes+ e disse-lhes: “Levantai a arca do pacto,+ e sete sacerdotes devem carregar sete buzinas de carneiro adiante da arca+ de Jeová.”  E prosseguiu,* dizendo ao povo: “Passai adiante e marchai em volta da cidade, e a força equipada para a guerra+ deve passar adiante da arca de Jeová.”  Aconteceu, pois, assim como Josué dissera ao povo; e sete sacerdotes, carregando sete buzinas de carneiro diante de Jeová, passaram adiante e tocaram as buzinas, e a arca do pacto de Jeová os seguia.  E a força equipada para a guerra ia na frente dos sacerdotes que tocavam as buzinas, ao passo que a retaguarda+ seguia a Arca, tocando-se continuamente* as buzinas. 10  Ora, Josué ordenara ao povo,+ dizendo: “Não deveis nem gritar nem deixar ouvir as vossas vozes, e nenhuma palavra deve sair das vossas bocas até o dia em que eu vos disser: ‘Gritai!’ Então tereis de gritar.”+ 11  E ele fez a arca de Jeová marchar em volta da cidade, rodeando-a uma vez; depois foram ao acampamento e pernoitaram no acampamento. 12  Josué levantou-se então de manhã cedo+ e os sacerdotes foram carregar a arca+ de Jeová, 13  e sete sacerdotes andavam carregando sete buzinas de carneiro adiante da arca de Jeová [e] tocando continuamente as buzinas, e a força equipada para a guerra andava na frente deles, ao passo que a retaguarda seguia a arca de Jeová, tocando-se continuamente as buzinas.+ 14  E no dia seguinte foram marchar uma vez em volta da cidade, retornando depois ao acampamento. Assim fizeram por seis dias.+ 15  E no sétimo dia sucedeu que passaram a levantar-se cedo, assim que subiu a alva, e puseram-se a marchar desta maneira sete vezes em volta da cidade. Só neste dia é que marcharam sete vezes em volta da cidade.+ 16  E sucedeu, na sétima vez, que os sacerdotes tocaram as buzinas e Josué passou a dizer ao povo: “Gritai;+ porque Jeová vos entregou a cidade.+ 17  E a cidade tem de tornar-se algo devotado à destruição;*+ ela com tudo o que há nela pertence a Jeová. Somente Raabe,+ a prostituta, pode continuar a viver, ela e todos os que estiverem com ela na casa, pois escondeu os mensageiros que enviamos.+ 18  Quanto a vós, mantende-vos tão-somente afastados da coisa devotada à destruição,+ para que não fiqueis com desejo*+ e deveras tomeis algo da coisa devotada à destruição+ e deveras torneis o acampamento de Israel algo devotado à destruição, e façais vir o banimento sobre ele.+ 19  Mas toda a prata, e o ouro, e os objetos de cobre e de ferro são algo sagrado para Jeová.+ Deve ir ao tesouro de Jeová.”+ 20  Então, quando passaram a tocar as buzinas, o povo gritou.+ E sucedeu que, assim que o povo ouviu o som da buzina e o povo começou a dar um grande grito de guerra, então a muralha começou a cair rente ao chão.+ Após isso, o povo subiu à cidade, cada um diretamente na frente de si, e capturou a cidade. 21  E a tudo o que havia na cidade, desde o homem até a mulher, desde o moço até o velho, e até o touro, e o ovídeo, e o jumento, devotavam à destruição ao fio da espada.+ 22  E aos dois homens que tinham espionado o país Josué disse: “Entrai na casa da mulher, da prostituta, e de lá trazei para fora tanto a mulher como todos os seus, assim como lhe jurastes.”+ 23  Portanto, os moços que tinham feito a espionagem entraram e trouxeram para fora Raabe e seu pai, e sua mãe, e seus irmãos, e todos os seus, sim, trouxeram para fora todos os que eram da sua família;+ e passaram a situá-los fora do acampamento de Israel. 24  E queimaram a fogo a cidade e tudo o que nela havia.+ Somente a prata e o ouro, e os objetos de cobre e de ferro, entregaram ao tesouro da casa de Jeová.+ 25  E a Raabe, a prostituta, e aos da casa de seu pai e a todos os seus, Josué preservou vivos;+ e ela mora no meio de Israel até o dia de hoje,+ por ter escondido os mensageiros que Josué enviara para espionar Jericó.+ 26  Então, naquele tempo específico, Josué fez proclamar um juramento, dizendo: “Maldito perante Jeová seja o homem que se levantar e reconstruir esta cidade, sim, Jericó. Lance ele os alicerces dela pagando com a perda de seu primogênito e ponha-lhe as portas pagando com a perda de seu [filho] mais jovem.”+ 27  Jeová, pois, mostrou estar com Josué,+ e a sua fama veio a ser [conhecida] em toda a terra.+

Notas de rodapé

“Rodeando.” No hebr., este verbo está no infinitivo absoluto, indefinido quanto ao tempo.
Ou “o shofar”. Hebr.: hash·shoh·fár.
“Prosseguiu”, TSyVg; M: “prosseguiram”.
“Tocando-se continuamente.” No hebr., estas palavras são dois verbos no infinitivo absoluto, indefinidos quanto ao tempo.
Ou “algo condenado”.
“Para que não fiqueis com desejo”, em harmonia com LXX, que reza: “para que, fixando vossa mente [nisso], (vós mesmos não tomeis)”; M: “para que não [o] devoteis à destruição”.