Deuteronômio 22:1-30

22  “Não deves ver o touro de teu irmão ou seu ovídeo extraviar-se e deliberadamente esquivar-te* deles.+ Deves terminantemente conduzi-los de volta ao teu irmão.+  E se teu irmão não estiver perto de ti e não o chegaste a conhecer, então tens de levá-lo para casa, para o meio da tua casa, e tem de ficar contigo até que teu irmão o busque. E tens de devolver-lho.+  Assim farás também com o seu jumento e assim farás com a sua capa, e assim farás com qualquer coisa que teu irmão perdeu, que ele perdeu e que tu achaste. Não se te permitirá esquivar-te.  “Não deves ver o jumento de teu irmão ou seu touro cair na estrada e deliberadamente esquivar-te deles. Deves terminantemente ajudar-lhe a levantá-los.+  “Não se deve pôr vestimenta de varão vigoroso em mulher, nem deve o varão vigoroso usar capa de mulher;+ porque todo aquele que faz tais coisas é algo detestável para Jeová, teu Deus.  “Caso haja um ninho de pássaro diante de ti no caminho, numa árvore ou no chão, com filhotes+ ou ovos, e a mãe estiver agachada sobre os filhotes ou sobre os ovos, não deves tomar a mãe junto com a ninhada.+  Deves terminantemente mandar a mãe embora, mas podes tomar para ti a ninhada; a fim de que te vá bem e deveras prolongues os teus dias.+  “Caso construas uma casa nova, tens de fazer também um parapeito para o teu terraço,+ a fim de que não ponhas culpa de sangue sobre a tua casa porque alguém caindo se precipite dela.  “Não deves semear teu vinhedo com duas espécies de semente,+ para não acontecer que os plenos produtos da semente que semeares e o produto do vinhedo sejam perdidos em proveito do santuário.* 10  “Não deves arar com junta de touro e de jumento.+ 11  “Não deves usar mescla de lã e de linho.+ 12  “Deves fazer para ti borlas nas quatro extremidades do teu vestuário com que te cobres.+ 13  “Caso um homem tome esposa e realmente tenha relações com ela, e venha a odiá-la,+ 14  e ele a tenha acusado de atos notórios e lhe tenha dado má fama,+ e tenha dito: ‘Esta é a mulher que tomei, e passei a chegar-me a ela e não achei nela evidência de virgindade’,+ 15  então o pai da moça e a mãe dela têm de tomar a evidência da virgindade da moça e apresentá-la aos anciãos da cidade, junto ao portão dela;+ 16  e o pai da moça tem de dizer aos anciãos: ‘Dei minha filha a este homem por esposa e ele passou a odiá-la.*+ 17  E eis que a acusa de atos notórios,+ dizendo: “Não achei na tua filha evidência de virgindade.”+ Ora, esta é a evidência da virgindade de minha filha.’ E eles têm de estender a capa diante dos anciãos da cidade. 18  E os anciãos+ daquela cidade têm de tomar o homem e têm de discipliná-lo.+ 19  E têm de multá-lo em cem siclos de prata* e dá-los ao pai da moça, porque deu má fama a uma virgem em Israel;+ e ela continuará a ser sua esposa. Não se lhe permitirá divorciar-se dela* em todos os seus dias. 20  “Se, porém, este assunto se provou verdadeiro, não se achando evidência de virgindade na moça,+ 21  então eles têm de levar a moça para fora, à entrada da casa de seu pai, e os homens da sua cidade têm de matá-la a pedradas e ela tem de morrer, porque cometeu uma ignominiosa insensatez+ em Israel, cometendo prostituição na casa de seu pai.+ Assim tens de eliminar o mal do teu meio.+ 22  “Caso um homem seja encontrado deitado com uma mulher que tenha* dono,+ então ambos têm de morrer juntos, o homem que se deitou com a mulher e a mulher.+ Assim tens de eliminar o mal de Israel.+ 23  “Caso haja uma virgem, noiva dum homem,+ e um homem realmente a achou na cidade e se deitou com ela,+ 24  então tendes de levar ambos para fora ao portão daquela cidade e tendes de matá-los a pedradas, e eles têm de morrer, a moça, por não ter gritado na cidade, e o homem, por ter humilhado a esposa de seu próximo.+ Assim tens de eliminar o mal do teu meio.+ 25  “Se, porém, foi no campo que o homem achou a moça que era noiva, e o homem a agarrou e se deitou com ela, então só o homem que se deitou com ela tem de morrer 26  e não deves fazer nada à moça. A moça não tem pecado que mereça a morte, pois, assim como um homem se levanta contra seu próximo e deveras o assassina,+ sim, uma alma, assim é neste caso. 27  Porque foi no campo que a achou. A moça que era noiva gritou, mas não houve quem a socorresse. 28  “Caso um homem ache uma moça, uma virgem que não é noiva, e ele realmente a pegue e se deite com ela,+ e forem achados,+ 29  então o homem que se deitou com ela tem de dar cinqüenta siclos de prata* ao pai da moça+ e ela se tornará sua esposa devido ao fato de que a humilhou. Não se lhe permitirá divorciar-se dela em todos os seus dias.*+ 30  “Nenhum homem deve tomar a esposa de seu pai, para não descobrir a aba [da veste] de seu pai.*+

Notas de rodapé

Ou “esconder-te”.
“Sejam perdidos em proveito do santuário.” Lit.: “sejam santos”, isto é, venham a ser o quinhão do santuário. Hebr.: tiq·dásh.
Ou “desprezá-la”.
“Siclos de prata”, Vg; MSam: “moedas de prata”; LXX: “siclos”. Para saber o valor, veja Ap. 8A.
Lit.: “mandá-la embora”.
Lit.: “possuída por”, isto é, como esposa.
“Siclos de prata”, Vg; M: “moedas de prata”; LXX: “didracmas de prata”.
MSamLXX terminam aqui o capítulo 22.
Ou “não se deitar com a esposa de seu pai”.