Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Testemunhas de Jeová

Português

14 DE OUTUBRO DE 2015
RÚSSIA

Especialistas discordam da proibição do JW.ORG na Rússia

SÃO PETERSBURGO, Rússia — Em 21 de julho de 2015, a Rússia proibiu o site oficial das Testemunhas de Jeová, jw.org. Promover esse site no território russo passou a ser considerado crime. A Rússia é o único país que proíbe o jw.org.

Yekaterina Elbakyan, especialista no estudo de religiões e professora universitária na Academia de Trabalho e Relações Sociais em Moscou, diz sobre o jw.org: “Acredito que esse site é necessário porque contém informações que mostram os fatos sobre a organização das Testemunhas de Jeová apresentadas diretamente por elas, não por outras pessoas. . . . Não são apenas os membros dessa religião que se interessam pelo site, mas também pessoas que buscam informações sobre religiões de modo geral. E não falo somente de especialistas em religiões como eu. O site também chama a atenção de jornalistas e outros que escrevem sobre religião.”

“Acredito que esse site é necessário porque contém informações que mostram os fatos sobre a organização das Testemunhas de Jeová apresentadas diretamente por elas” — Yekaterina Elbakyan, professora universitária, Academia de Trabalho e Relações Sociais, Moscou

Lev Levinson, jurista do Instituto dos Direitos Humanos em Moscou, analisou essa proibição à luz do contexto histórico. Ele afirma: “A Rússia do século 21 possui uma constituição que garante a liberdade de religião e a igualdade das organizações religiosas perante a lei. No entanto, por confiscar publicações e proibir sites, a Rússia está voltando a restringir a liberdade de religião, como fez no século 19. E tudo isso está sendo feito por juízes e especialistas jurídicos que, com o pretexto de combater o extremismo, tomam decisões contrárias à lei.”

A proibição do jw.org é o ataque mais recente de uma batalha jurídica que começou em 2013. Em 7 de agosto daquele ano, um tribunal distrital da Rússia realizou um julgamento secreto e declarou o site “extremista”. Um tribunal regional reverteu essa decisão em 22 de janeiro de 2014. Mas um representante da Promotoria Geral da Federação Russa apelou para o Supremo Tribunal, pedindo que a decisão inicial fosse retomada. Em 2 de dezembro de 2014, o Supremo Tribunal ouviu o pedido da acusação sem a presença das Testemunhas de Jeová, que não foram devidamente notificadas sobre a audiência. O Supremo Tribunal admitiu que o site havia retirado tudo o que as autoridades russas consideravam como material proibido. Mesmo assim, restabeleceu a decisão do primeiro julgamento e declarou que todo o conteúdo do site é “extremista”. As Testemunhas de Jeová não concordaram com a decisão e apelaram ao presidente do Supremo Tribunal, mas sem sucesso. Assim, em 21 de julho de 2015, o Ministro da Justiça da Federação Russa colocou o site na Lista Federal de Materiais Extremistas e o proibiu em todo o país.

Yaroslav Sivulskiy, porta-voz das Testemunhas de Jeová na Rússia, fala sobre o impacto dessa proibição: “Estamos decepcionados com a decisão injustificada tomada pelas autoridades russas. A proibição do jw.org restringe a adoração de mais de 170 mil Testemunhas de Jeová no país. Além disso, cerca de 285 mil pessoas na Rússia acessavam o site todos os dias. Assim, fica claro que até mesmo pessoas que não são da nossa religião perderam uma excelente fonte de pesquisa sobre a Bíblia.”

J. R. Brown, porta-voz da sede mundial das Testemunhas de Jeová, em Brooklyn, Nova York, diz: “Nosso site oficial, jw.org, contém vídeos premiados, publicações para o estudo da Bíblia em centenas de idiomas e as duas revistas mais distribuídas do mundo: A Sentinela e Despertai!. O site é apresentado em algumas das maiores feiras de livros do mundo e costuma ser usado até em escolas. Ele traz benefícios a muitas comunidades em todo o mundo e era amplamente usado na Rússia. Com certeza, esse é um site que deveria ser divulgado.”

Contato(s) para a mídia:

Internacional: J. R. Brown, Departamento de Informações ao Público, tel. +1 718 560 5000

Rússia: Yaroslav Sivulskiy, tel. +7 812 702 2691