Pular para conteúdo

O que é a Torá?

A resposta da Bíblia

 A palavra em português Torá vem da palavra hebraica tohráh, que pode ser traduzida como “instrução”, “ensinamentos” ou “lei”. * (Provérbios 1:8; 3:1; 28:4) Os exemplos abaixo mostram como essa palavra hebraica é usada na Bíblia.

  •   Tohráh muitas vezes se refere aos cinco primeiros livros da Bíblia — Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Esses livros também são chamados de Pentateuco, que vem de uma palavra grega que significa “volume de cinco partes”. A Torá foi escrita por Moisés, por isso é chamada de “livro da Lei de Moisés”. (Josué 8:31; Neemias 8:1) Tudo indica que ela foi escrita como um só livro. Mas, para ficar mais fácil de usar a Torá, depois ela foi dividida em cinco partes.

  •   Tohráh também é uma palavra usada para falar das leis dadas a Israel sobre um assunto específico. Por exemplo, é usada para falar sobre “a lei [tohráh] da oferta pelo pecado”, “a lei para a lepra” e “a lei a respeito do nazireu”. — Levítico 6:25; 14:57; Números 6:13.

  •   Tohráh às vezes se refere a instrução e ensinamento dos pais, dos sábios ou do próprio Deus. — Provérbios 1:8; 3:1; 13:14; Isaías 2:3, nota.

Qual é o conteúdo da Torá, também chamada de Pentateuco?

  •   A história de como Deus tratou os humanos desde a criação até a morte de Moisés. — Gênesis 1:27, 28; Deuteronômio 34:5.

  •   O conjunto de regras da Lei de Moisés. (Êxodo 24:3) A Lei tem mais de 600 regulamentos. O mais conhecido deles é a Shema ou confissão judaica de fé. Um trecho da Shema diz: “Ame a Jeová, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de toda a sua força.” (Deuteronômio 6:4-9) Jesus disse que “esse é o maior e primeiro mandamento”. — Mateus 22:36-38.

  •   O nome Jeová, que aparece umas 1.800 vezes. A Torá não proíbe usar o nome de Deus. Pelo contrário, ela tem mandamentos que exigiam que o povo de Deus falasse seu nome. — Números 6:22-27; Deuteronômio 6:13; 10:8; 21:5.

Mitos sobre a Torá

 Mito: As leis da Torá são eternas, nunca vão ser anuladas.

 Fato: Algumas Bíblias realmente falam que regulamentos específicos da Torá são ‘perpétuos’ ou “para sempre”. Por exemplo, isso acontece com os regulamentos sobre o sábado, o sacerdócio e o Dia da Expiação. (Êxodo 31:16; 40:15; Levítico 16:33, 34, Centro Bíblico Católico) Mas a palavra hebraica usada nesses versículos também pode significar um futuro indeterminado, não necessariamente sem fim. * O pacto da Lei de Moisés estava em vigor fazia uns 900 anos quando Deus profetizou que trocaria esse pacto por “um novo pacto”. (Jeremias 31:31-33) “Ao dizer ‘um novo pacto’, [Deus] tornou ultrapassado o [pacto] anterior.” (Hebreus 8:7-13) Uns 2 mil anos atrás a Lei foi substituída. A morte de Jesus Cristo tornou isso possível. — Efésios 2:15.

 Mito: As tradições orais judaicas e o Talmude têm o mesmo peso da lei escrita da Torá.

 Fato: A Bíblia não diz que Deus deu para Moisés uma lei oral junto com a lei escrita da Torá. Em vez disso, a Bíblia declara: “Jeová disse ainda a Moisés: ‘Você deve escrever essas palavras.’” (Êxodo 34:27) A lei oral são tradições judaicas que começaram com os fariseus. A lei oral depois foi escrita e ficou conhecida como Míxena e, por fim, foi ampliada e se tornou o Talmude. Essas tradições judaicas muitas vezes entravam em choque com a Torá. Por isso, Jesus disse para os fariseus: “Vocês invalidaram a palavra de Deus por causa da sua tradição.” — Mateus 15:1-9.

 Mito: É proibido ensinar a Torá para as mulheres.

 Fato: Na Lei existia um regulamento que dizia que a Lei inteira tinha de ser lida para todo o povo de Israel, incluindo mulheres e crianças. Por quê? A Lei dizia: “Para que escutem, aprendam sobre Jeová, seu Deus, e o temam, e para que tenham o cuidado de cumprir todas as palavras desta Lei.” — Deuteronômio 31:10-12. *

 Mito: Na Torá existem mensagens ocultas.

 Fato: Moisés escreveu a Torá e disse que a mensagem dela era clara e que todos podiam ler e entender. Ela não estava escondida atrás de um código. (Deuteronômio 30:11-14) A teoria de que existem mensagens ocultas na Torá vem da cabala, ou misticismo judaico tradicional, que usa maneiras “engenhosamente inventadas” para interpretar as Escrituras. * — 2 Pedro 1:16.

^ parágrafo 1 Veja a edição revisada do livro The Strongest Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible, entrada 8451 na seção “Hebrew-Aramaic Dictionary-Index to the Old Testament”.

^ parágrafo 9 Veja o Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, página 1126.

^ parágrafo 13 A tradição judaica ensina o contrário da Lei de Moisés quando muitas vezes proíbe as mulheres de estudar a Torá. Por exemplo, segundo a Míxena, o rabino Eliezer ben Hyrcanus disse: “Qualquer um que ensina a Lei para sua filha, é como se ensinasse coisas obscenas.” (Sotah 3:4) O Talmude de Jerusalém inclui esta declaração: “É melhor queimar as palavras da Lei no fogo do que dar às mulheres.” — Sotah 3:19a.

^ parágrafo 15 Por exemplo, a Encyclopaedia Judaica mostra qual é a visão da cabala sobre a Torá: “A Torá não tem exatamente um significado específico, mas, na verdade, significa muitas coisas diferentes em muitos níveis diferentes.” — Segunda edição, volume 11, página 659.