Pular para conteúdo

O que quer dizer “olho por olho”?

A resposta da Bíblia

A regra do “olho por olho” fazia parte da Lei que Deus deu ao antigo Israel por meio de Moisés (Lei mosaica). Jesus também falou sobre essa regra no Sermão do Monte. (Mateus 5:38; Êxodo 21:24, 25; Deuteronômio 19:21) Segundo essa regra, a punição de criminosos teria que corresponder ao crime cometido. *

Essa regra era aplicada quando uma pessoa feria outra de propósito. A Lei mosaica diz o que devia acontecer com quem fizesse isso: “Fratura por fratura, olho por olho, dente por dente; o mesmo tipo de ferimento que ele causar é o que se deve causar a ele.” — Levítico 24:20.

 Para que servia a regra do “olho por olho”?

A regra do “olho por olho” não permitia que as pessoas fizessem justiça com as próprias mãos. Em vez disso, ela ajudava os juízes a dar a punição apropriada, que não fosse nem muito dura nem muito leve.

Essa regra também servia para impedir que alguém prejudicasse uma pessoa de propósito ou planejasse fazer isso. A Lei dizia: “Os que restarem [ou seja, aqueles que vissem a justiça de Deus sendo feita] ouvirão e ficarão com medo, e nunca mais farão uma maldade como essa no seu meio.” — Deuteronômio 19:20.

 Será que os cristãos devem seguir a regra do “olho por olho”?

Não, essa regra não é para os cristãos. Ela era parte da Lei mosaica, mas essa Lei foi eliminada quando Jesus deu sua vida como sacrifício. — Romanos 10:4.

Mesmo assim, essa regra revela muita coisa sobre o modo como Deus pensa. Por exemplo, ela mostra que Deus dá valor à justiça. (Salmo 89:14) Também mostra qual o seu padrão de justiça: de que as pessoas que fazem algo errado devem ser disciplinadas “no devido grau”. — Jeremias 30:11.

 Mitos sobre a regra do “olho por olho”

Mito: A regra do “olho por olho” era muito severa.

Fato: A regra não autorizava fazer justiça de forma dura e cruel. Para ela ser bem aplicada, juízes qualificados tinham que analisar as circunstâncias e ver até que ponto a infração foi proposital. Só depois disso eles podiam exigir uma retribuição pelo crime. (Êxodo 21:28-30; Números 35:22-25) Assim, a regra do “olho por olho” servia para impedir punições severas demais.

Mito: A regra do “olho por olho” permitia um ciclo de vinganças sem fim.

Fato: A Lei que Deus deu a Moisés dizia: “Não se vingue dos filhos do seu povo nem guarde ressentimento deles.” (Levítico 19:18) Em vez de incentivar o povo a se vingar, a Lei incentivava as pessoas a confiar em Deus e no sistema jurídico que ele tinha autorizado para corrigir o que estivesse errado. — Deuteronômio 32:35.

^ parágrafo 1 Esse princípio jurídico, às vezes chamado de “lei de talião”, também estava presente no sistema de leis de outras sociedades antigas.