Pular para conteúdo

O que a Bíblia diz sobre o dízimo?

A resposta da Bíblia

 Os israelitas dos tempos antigos deviam apoiar a adoração verdadeira por dar o dízimo, * ou seja, 10% da sua renda anual. Deus ordenou a eles: “Você deve sem falta dar um décimo [ou “dízimo”, Nova Versão Internacional] de tudo que a sua semente produzir no campo ano após ano.” — Deuteronômio 14:22.

 A ordem de dar o dízimo fazia parte da Lei mosaica, que era um conjunto de leis dado por Deus à antiga nação de Israel. Os cristãos não precisam seguir a Lei mosaica e por isso não são obrigados a dar o dízimo. (Colossenses 2:13, 14) Em vez disso, cada cristão pode contribuir “conforme resolveu no coração, não a contragosto nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria”. — 2 Coríntios 9:7.

 O dízimo no “Velho Testamento”

 O dízimo é mencionado várias vezes na parte da Bíblia que é conhecida como o Velho Testamento. Na maioria das vezes, o dízimo é citado durante o período de tempo em que os israelitas tinham que seguir a Lei mosaica, que Deus deu à nação por meio de Moisés. Mas há também alguns relatos relacionados ao período anterior à Lei.

Antes da Lei mosaica

 A primeira vez que a Bíblia menciona o dízimo é num relato envolvendo Abrão, mais tarde chamado de Abraão. (Gênesis 14:18-20; Hebreus 7:4) O dízimo de Abrão parece ter sido um presente que ele deu apenas uma vez ao rei e sacerdote da cidade de Salém. Não existe nenhuma evidência na Bíblia de que Abraão ou seus filhos tenham dado o dízimo em outra ocasião.

 A segunda pessoa que a Bíblia menciona que deu o dízimo foi Jacó, o neto de Abraão. Jacó prometeu que, se Deus o abençoasse, ele daria a Deus “um décimo de tudo” que ele recebesse. (Gênesis 28:20-22) De acordo com alguns eruditos bíblicos, Jacó provavelmente ofereceu esse dízimo na forma de sacrifícios de animais. Jacó cumpriu com a promessa de dar esse dízimo, mas ele não obrigou ninguém da sua família a fazer o mesmo.

Durante o período da Lei mosaica

 Os israelitas dos tempos antigos receberam a ordem de dar o dízimo como uma maneira de apoiar as atividades religiosas da nação.

  •   O dízimo era dado aos levitas, incluindo os sacerdotes, que se dedicavam às atividades religiosas e que não tinham sua própria terra para cultivar. (Números 18:20, 21) Os levitas que não eram sacerdotes recebiam o dízimo das pessoas e também davam “a décima parte dessas décimas partes” aos sacerdotes. — Números 18:26-29.

  •   Parece que havia um segundo dízimo anual, que era usado em benefício dos levitas e de outras pessoas que não eram levitas. (Deuteronômio 14:22, 23) Esse dízimo era usado durante algumas festividades especiais. Em alguns anos, esse dízimo era compartilhado com pessoas muito pobres, para ajudar no sustento delas. — Deuteronômio 14:28, 29; 26:12.

 Como o dízimo era calculado? Os israelitas deviam dar a décima parte de tudo que a terra produzisse durante o ano. (Levítico 27:30) Se eles escolhessem pagar esse dízimo em dinheiro, eles tinham que acrescentar 20% ao valor do dízimo. (Levítico 27:31) Os israelitas também deviam dar a “décima parte dos bois e das ovelhas”. — Levítico 27:32.

 Os israelitas separavam um de cada dez animais que eles tinham nos seus rebanhos. A Lei dizia que eles não deveriam examinar se o animal era bom ou ruim e nem trocá-lo. Também não poderiam converter esse dízimo em dinheiro. (Levítico 27:32, 33) No caso do segundo dízimo anual, usado nas festividades, esse sim poderia ser convertido em dinheiro. Dessa forma, ficava mais fácil para os israelitas que tinham que viajar longas distâncias ir às festividades. — Deuteronômio 14:25, 26.

 Quando os israelitas davam o dízimo? Os israelitas pagavam o dízimo todos os anos. (Deuteronômio 14:22) Mas havia uma exceção: a cada sete anos os israelitas não cultivavam as terras porque era um ano sabático, de descanso. (Levítico 25:4, 5) Por causa desse ano especial, não era necessário pagar o dízimo na época da colheita. No terceiro e no sexto ano do ciclo sabático de sete anos, os israelitas compartilhavam o segundo dízimo anual com os mais pobres e com os levitas. — Deuteronômio 14:28, 29.

 O que acontecia se a pessoa não pagasse o dízimo? A Lei mosaica não mencionava nenhuma punição para a pessoa que não pagasse o dízimo. Dar o dízimo era uma obrigação moral. Ou seja, os israelitas faziam isso porque sabiam que era o certo a fazer, não porque seriam punidos se não pagassem. Os israelitas tinham que dizer perante Deus que tinham dado o dízimo e pedir para serem abençoados por isso. (Deuteronômio 26:12-15) Para Deus, se alguém não pagasse o dízimo, era como se estivesse roubando algo dele. — Malaquias 3:8, 9.

 Será que pagar o dízimo era algo difícil de cumprir? Não. Deus prometeu aos israelitas que, se eles dessem o dízimo, ele iria abençoar a nação e nunca faltaria nada para eles. (Malaquias 3:10) Por outro lado, era ruim para toda a nação quando eles deixavam de dar o dízimo porque eles perdiam as bênçãos de Deus. Por causa disso, os sacerdotes e os levitas tinham que gastar tempo trabalhando para se manter e não podiam ajudar os israelitas a adorar a Deus. — Neemias 13:10; Malaquias 3:7.

 O dízimo no “Novo Testamento”

 Quando Jesus estava na Terra, o dízimo ainda era um requisito para os que adoravam a Deus. Mas esse requisito deixou de existir depois da morte de Jesus.

Nos dias de Jesus

 No Novo Testamento, a Bíblia mostra que os israelitas ainda davam o dízimo quando Jesus estava na Terra. O próprio Jesus reconheceu que o dízimo era uma obrigação. Mas ele condenou os líderes religiosos que se preocupavam em pagar o dízimo, mas ‘desconsideravam as questões mais importantes da Lei, isto é, a justiça, a misericórdia e a fidelidade’. — Mateus 23:23.

Depois da morte de Jesus

 O dízimo não era mais uma obrigação depois que Jesus morreu. A morte sacrificial de Jesus eliminou a Lei mosaica, incluindo o “mandamento de cobrar dízimos”. — Hebreus 7:5, 18; Efésios 2:13-15; Colossenses 2:13, 14.

^ parágrafo 1 O dízimo é “a décima parte da renda de uma pessoa que ela separa para um uso específico . . . Em geral, o dízimo mencionado na Bíblia tem um objetivo religioso”. — Harper’s Bible Dictionary (Dicionário Bíblico de Harper), página 765.

^ parágrafo 28 Título original: Cyclopedia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature, de McClintock e Strong, Volume X, página 436.