Pular para conteúdo

O que a cronologia bíblica indica sobre o ano de 1914?

A resposta da Bíblia

 A cronologia bíblica indica que o Reino de Deus foi estabelecido nos céus em 1914. Uma profecia registrada no capítulo 4 do livro de Daniel mostra isso.

 Visão geral. Deus fez o Rei Nabucodonosor ter um sonho profético a respeito de uma árvore enorme que foi derrubada. O toco dela foi impedido de crescer novamente por “sete tempos”, e após esse período a árvore nasceria outra vez. — Daniel 4:1, 10-16.

 Cumprimento inicial. A enorme árvore representava o próprio Rei Nabucodonosor. (Daniel 4:20-22) Ele foi ‘derrubado’ em sentido figurado quando perdeu temporariamente a sanidade e o reinado por sete anos. (Daniel 4:25). Quando Deus o curou, Nabucodonosor recuperou seu trono e reconheceu a soberania de Deus. — Daniel 4:34-36.

 Evidências de um cumprimento maior. Essa profecia foi feita “para que os viventes saibam que o Altíssimo é Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem quiser, e estabelece nele até mesmo o mais humilde da humanidade”. (Daniel 4:17) Será que Deus escolheria o orgulhoso Nabucodonosor para ser o rei de Seu reino? Não, pois em outro sonho profético dado a Nabucodonosor, Deus já havia dito que nenhum governante político teria essa função. Em vez disso, é o próprio Deus quem “estabelecerá um reino que jamais será arruinado”. — Daniel 2:31-44.

 Deus havia anteriormente estabelecido a antiga nação de Israel para representar seu governo na Terra. Deus permitiu que esse reino fosse ‘arruinado’ porque seus líderes haviam se tornado infiéis, e predisse que daria o seu reino para “aquele que tem o direito legal”. (Ezequiel 21:25-27) De acordo com a Bíblia, o único legalmente autorizado a receber esse reino eterno é Jesus Cristo. (Lucas 1:30-33) Ao contrário de Nabucodonosor, Jesus é “humilde de coração”, exatamente como foi profetizado. — Mateus 11:29.

 O que a árvore de Daniel, capítulo 4, representa? Às vezes, a Bíblia usa árvores para representar governos. (Ezequiel 17:22-24; 31:2-5) No cumprimento maior da profecia de Daniel, capítulo 4, a imensa árvore simboliza o governo de Deus.

 O que representa ‘derrubar a árvore’? Assim como a derrubada da árvore representou uma interrupção no reinado de Nabucodonosor, ela também representou uma interrupção no governo de Deus na Terra. Isso aconteceu quando Nabucodonosor destruiu Jerusalém, o lugar onde os reis de Israel se sentavam no “trono de Jeová” como representantes do próprio Deus. — 1 Crônicas 29:23.

 O que são os “sete tempos”? Os “sete tempos” representam o período que as nações governaram sobre a Terra sem qualquer interferência do governo de Deus. De acordo com a cronologia bíblica, os “sete tempos” começaram em outubro de 607 AEC, quando Jerusalém foi destruída pelos babilônios. *2 Reis 25:1, 8-10.

 Qual é a duração dos “sete tempos”? Não é possível que sejam apenas sete anos, como foi no caso de Nabucodonosor. Jesus indicou a resposta quando disse que ‘Jerusalém [símbolo do governo de Deus] seria pisada pelas nações, até se cumprirem os tempos designados das nações’. (Lucas 21:24) “Os tempos designados das nações”, o período que Deus permitiu que seu governo fosse ‘pisado’, são os mesmos “sete tempos” de Daniel, capítulo 4. Isso quer dizer que os “sete tempos” ainda estavam em andamento quando Jesus esteve na Terra.

 A Bíblia ajuda a determinar a duração desses “sete tempos” proféticos. Ela diz que três “tempos” e meio equivalem a 1.260 dias. Assim, “sete tempos” equivalem ao dobro disso, 2.520 dias. (Apocalipse 12:6, 14) Aplicando a regra profética de “um dia por um ano”, os 2.520 dias representam 2.520 anos. Desse modo, os “sete tempos”, ou 2.520 anos, terminaram em outubro de 1914. — Números 14:34; Ezequiel 4:6.

^ parágrafo 8 Para mais detalhes sobre por que se usa o ano 607 AEC, veja os artigos “Quando a Jerusalém antiga foi destruída? — Parte um”, em A Sentinela de 1.º de outubro de 2011, páginas 26-31, e “Quando a Jerusalém antiga foi destruída? — Parte dois”, em A Sentinela de 1.º de novembro de 2011, páginas 22-28.