Pular para conteúdo

Pular para sumário

 UMA CONVERSA SOBRE A BÍBLIA

Por que celebrar a morte de Jesus?

Por que celebrar a morte de Jesus?

Leia a seguir uma conversa que uma Testemunha de Jeová pode ter com um morador. Imaginemos que Ana está visitando uma mulher chamada Sandra.

“PERSISTI EM FAZER ISSO EM MEMÓRIA DE MIM”

Ana: Oi, Sandra. Que bom que você foi à Celebração da morte de Jesus Cristo na semana passada. * O que você achou da reunião?

Sandra: Eu gostei, mas não entendi tudo o que foi falado. Eu sei que as pessoas celebram o nascimento de Jesus no Natal e a ressurreição dele na Páscoa, mas nunca ouvi falar de comemorar a morte dele.

Ana: É verdade que o Natal e a Páscoa são celebrações muito comuns no mundo todo. Mas as Testemunhas de Jeová acham importante celebrar a morte de Jesus. Se tiver alguns minutos, eu gostaria de explicar a você o motivo.

Sandra: Sim, eu tenho um tempinho.

Ana: Basicamente, as Testemunhas de Jeová celebram a morte de Jesus porque ele instruiu seus seguidores a fazer isso. Veja o que aconteceu na noite antes da morte de Jesus. Você já ouviu falar de uma refeição especial que ele tomou com seus seguidores fiéis?

Sandra: Você está falando da Santa Ceia?

Ana: Exatamente. Ela também é chamada de Refeição Noturna do Senhor. Durante essa refeição, Jesus deu a seus seguidores instruções específicas. Você gostaria de ler o que ele disse aqui em Lucas 22:19?

Sandra: Sim. “Tomou também um pão, deu graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: ‘Isto significa meu corpo que há de ser dado em vosso benefício. Persisti em fazer isso em memória de mim.’”

Ana: Obrigada. Note o que Jesus disse no final do versículo: “Persisti em fazer isso em memória de mim.” Do que ele estava falando? Poucos momentos antes, ele disse que daria sua vida em favor de seus seguidores. Jesus expressou essa mesma ideia em Mateus 20:28. Aqui diz: “O Filho do homem não veio para que se lhe ministrasse, mas para ministrar e dar a sua alma como resgate em troca de muitos.” É por isso que as Testemunhas de Jeová celebram todos os anos a morte de Jesus: para lembrar o sacrifício de resgate que ele ofereceu. Sua morte pode significar vida para todos os humanos obedientes.

POR QUE FOI NECESSÁRIO UM RESGATE?

Sandra: Eu ouço as pessoas dizerem que Jesus morreu para nos salvar. Mas, para falar a verdade, eu nunca entendi o que isso quer dizer.

Ana: Você não é a única, Sandra. Esse assunto do resgate é mesmo profundo. Mas é também uma das mais belas verdades da Palavra de Deus. A propósito, você ainda tem algum tempo?

Sandra: Sim, tenho mais alguns minutos.

Ana: Ótimo. Eu andei pesquisando sobre esse assunto e vou tentar explicá-lo de uma maneira simples.

 Sandra: Está bem.

Ana: Para entender o resgate, precisamos primeiro entender o que aconteceu quando Adão e Eva pecaram no jardim do Éden. Para nos ajudar a compreender o que estava envolvido, podemos ler Romanos 6:23. Você pode ler esse versículo, por favor?

Sandra: Claro. Aqui diz: “O salário pago pelo pecado é a morte, mas o dom dado por Deus é a vida eterna por Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Ana: Obrigada. Vamos entender essas palavras. Primeiro, veja como começa o versículo: “O salário pago pelo pecado é a morte.” Essa é uma regra simples que Deus estabeleceu no início da história humana — o salário, ou seja, a punição, do pecado é a morte. Naturalmente, no início ninguém tinha cometido pecado. Adão e Eva foram criados perfeitos, e todos os seus filhos nasceriam perfeitos. Não haveria motivos para ninguém morrer. Adão e Eva e toda a sua descendência tinham a perspectiva de viver para sempre em felicidade. Mas, como sabemos, não foi assim que as coisas aconteceram, não é?

Sandra: Não. Adão e Eva comeram o fruto proibido.

Ana: Isso mesmo. E quando fizeram isso — quando Adão e Eva escolheram desobedecer a Deus — eles pecaram. É como se eles tivessem escolhido se tornar imperfeitos, ou pecadores. Essa escolha teria graves consequências não só para Adão e Eva, mas também para toda sua descendência.

Sandra: Como assim?

Ana: Vou tentar ilustrar. Você gosta de cozinhar?

Sandra: Ah, sim! Gosto muito.

Ana: Digamos que você tenha uma fôrma de bolo novinha. Mas, antes de poder usá-la pela primeira vez, ela cai no chão e fica com um amassado. Agora, o que aconteceria com os bolos que você fizesse nessa fôrma? Não ficariam com a mesma marca desse amassado?

Sandra: Sim, ficariam.

Ana: De maneira similar, quando Adão e Eva escolheram desobedecer a Deus, eles ficaram como que marcados pelo pecado e a imperfeição. E como eles se tornaram pecadores antes de ter filhos, toda sua descendência nasceu com essa mesma marca. Todos nasceram numa condição pecaminosa. Na Bíblia, a palavra “pecado” se refere não apenas ao ato de pecar, mas também à condição que nós herdamos. E o resultado é que, mesmo que eu e você não tenhamos feito nada de errado — até porque nem éramos nascidas naquela época —, Adão e Eva condenaram a descendência deles e a todos nós a uma vida de imperfeição e de pecado que leva à morte. Como lemos em Romanos 6:23, a punição pelo pecado é a morte.

Sandra: Isso não é justo. Por que todos os humanos devem sofrer para sempre pelo pecado de Adão e Eva?

Ana: Você tem razão — não parece justo. Mas há algo mais envolvido nisso. Em sua justiça perfeita, Deus determinou que Adão e Eva morressem pelos seus pecados. Mas nós, como seus descendentes, não ficamos sem esperança. Deus providenciou um meio de nos livrar dessa situação. É aí que entra o sacrifício de resgate de Jesus. Veja novamente Romanos 6:23. Depois de mencionar que “o salário pago pelo pecado é a morte”, o versículo diz: “Mas o dom dado por Deus é a vida eterna por Cristo Jesus, nosso Senhor.” Assim, é a morte de Jesus que torna possível nos livrarmos do pecado e da morte. *

 O RESGATE — O MAIOR PRESENTE DE DEUS

Ana: Há outro detalhe nesse versículo que eu gostaria de destacar.

Sandra: Qual?

Ana: Note que o versículo diz: “O dom dado por Deus é a vida eterna por Cristo Jesus, nosso Senhor.” Agora, se foi Jesus quem sofreu e morreu por nós, dando sua vida em nosso benefício, por que o versículo diz que o resgate é “o dom dado por Deus”, e não: “o dom dado por Jesus”? *

Sandra: Hum. Não sei.

Ana: Bem, Deus criou Adão e Eva, e foi contra ele que eles pecaram quando o desobedeceram no jardim do Éden. Ele deve ter ficado muito magoado quando seus dois primeiros filhos humanos se rebelaram contra ele. Mas na mesma hora Jeová providenciou uma solução. * Ele decidiu que uma de suas criaturas espirituais viria à Terra, viveria como humano perfeito e daí ofereceria sua vida como sacrifício de resgate. Então, na realidade, toda a provisão do resgate foi um presente de Deus. O resgate foi um presente de Deus também de outra maneira. Você alguma vez imaginou o que Deus deve ter sentido quando Jesus foi morto?

Sandra: Para falar a verdade, não.

Ana: Estou vendo alguns brinquedos por aqui. Você tem filhos?

Sandra: Sim, tenho dois — um menino e uma menina.

Ana: Como mãe, imagine o que o Pai de Jesus, Jeová Deus, deve ter sentido no dia em que seu Filho morreu. Como ele deve ter se sentido ao ver lá do céu seu querido Filho ser preso, ridicularizado e espancado? E quando viu seu Filho ser pregado num poste de madeira e ser deixado lá para sofrer uma morte lenta e agonizante?

Sandra: Nunca parei para pensar nisso. Deve ter sido horrível!

Ana: É claro que não podemos dizer exatamente como Deus se sentiu naquele dia. Mas sabemos que ele tem sentimentos, e também sabemos por que ele permitiu que tudo isso acontecesse. O motivo é descrito aqui no belo texto de João 3:16. Você poderia ler?

Sandra: Posso. Diz: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.”

O sacrifício de resgate é a maior expressão de amor que já existiu

Ana: Obrigada. Veja de novo o início do versículo. Ele diz: “Deus amou tanto o mundo.” Esse é o ponto — o amor. O amor motivou Deus a enviar seu Filho à Terra para morrer por nós. Realmente, o sacrifício de resgate é a maior expressão de amor que já existiu. E é por isso que as Testemunhas de Jeová se reúnem todo ano para lembrar a morte de Jesus. E então, o que consideramos aqui ajudou você a entender melhor esse assunto?

Sandra: Sim. Obrigada por tirar tempo para me explicar tudo isso.

Você tem alguma pergunta sobre um assunto bíblico específico? Quer saber mais sobre as crenças ou as práticas religiosas das Testemunhas de Jeová? Então, fique à vontade para perguntar a uma delas. Será um prazer considerar esses assuntos com você.

^ parágrafo 5 Uma vez por ano as Testemunhas de Jeová se reúnem para celebrar a morte de Jesus em memória de seu sacrifício. Este ano, a data dessa celebração cai numa sexta-feira, 3 de abril.

^ parágrafo 32 Um futuro artigo desta série explicará como o sacrifício de resgate de Jesus provê o livramento do pecado, bem como o que devemos fazer para nos beneficiar do resgate.

^ parágrafo 36 De acordo com a Bíblia, Deus e Jesus são duas pessoas diferentes. Para mais informações, veja o capítulo 4 do livro O Que a Bíblia Realmente Ensina?, publicado pelas Testemunhas de Jeová.