Pular para conteúdo

Pular para sumário

 MATÉRIA DE CAPA | JESUS SALVA — COMO?

A morte e a ressurreição de Jesus — o que significam para você

A morte e a ressurreição de Jesus — o que significam para você

“Crê no Senhor Jesus e serás salvo.” — Atos 16:31.

Essas notáveis palavras foram ditas pelo apóstolo Paulo e por Silas a um carcereiro na cidade macedônia de Filipos. O que elas significam? Para entender o que a crença em Jesus tem a ver com sermos salvos da morte, precisamos primeiro entender por que morremos. Veja o que a Bíblia diz.

Os humanos não foram feitos para morrer

“Jeová Deus passou a tomar o homem e a estabelecê-lo no jardim do Éden, para que o cultivasse e tomasse conta dele. E Jeová Deus deu também esta ordem ao homem: ‘De toda árvore do jardim podes comer à vontade. Mas, quanto à árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau, não deves comer dela, porque no dia em que dela comeres, positivamente morrerás.’” — Gênesis 2:15-17.

Deus colocou o primeiro homem, Adão, no jardim do Éden, um paraíso terrestre com muitos animais e bela vegetação. Lá havia árvores frutíferas das quais Adão podia comer à vontade. No entanto, Jeová Deus foi claro ao dizer que Adão não devia comer o fruto de certa árvore e que, se fizesse isso, morreria.

Adão entendeu essa proibição? Ele sabia o que era a morte; ele via os animais morrerem. Se Adão tivesse sido criado para morrer um dia, o aviso de Deus não faria sentido. Em vez disso, Adão entendeu que, se obedecesse a Deus e não comesse daquela árvore, viveria para sempre — ele não morreria.

Alguns acreditam que aquela árvore simbolizava as relações sexuais, mas esse não poderia ser o caso. Afinal, Jeová queria que Adão e sua esposa, Eva, ‘fossem fecundos e se tornassem muitos’ e ‘enchessem a terra e a sujeitassem’. (Gênesis 1:28) A proibição se referia a uma árvore literal. Jeová a chamou de a “árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau” porque ela representava seu direito de determinar o que era certo ou errado para os humanos. Se não comesse o fruto daquela árvore, Adão demonstraria não apenas sua obediência, mas também sua gratidão por Aquele que o havia criado e abençoado muito.

 Adão morreu porque desobedeceu a Deus

“A Adão [Deus] disse: ‘Porque . . . foste comer da árvore a respeito da qual te ordenei, . . . no suor do teu rosto comerás pão, até que voltes ao solo, pois dele foste tomado. Porque tu és pó e ao pó voltarás.’” — Gênesis 3:17, 19.

Adão comeu da árvore que lhe tinha sido proibida. Esse ato de desobediência era algo muito grave. Era uma rebelião, um grande desprezo por tudo o que Jeová havia feito por ele. Ao comer aquele fruto, Adão rejeitou a Jeová, escolhendo ser independente, o que resultou em trágicas consequências.

Como Jeová havia predito, com o tempo Adão morreu. Deus o havia formado “do pó do solo” e lhe disse que ele ‘voltaria ao solo’. Adão não passou a viver com outro corpo ou em um domínio espiritual. Ao morrer, ele ficou tão sem vida quanto o pó do qual ele havia sido formado. — Gênesis 2:7; Eclesiastes 9:5, 10.

Morremos porque viemos de Adão

“Por intermédio de um só homem entrou o pecado no mundo, e a morte por intermédio do pecado, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos tinham pecado.” — Romanos 5:12.

A desobediência — ou pecado — de Adão teve consequências de longo alcance. Ao pecar, ele perdeu não apenas uma vida comum de 70 ou 80 anos, mas a perspectiva de uma vida eterna. Além disso, com seu pecado, ele se tornou imperfeito e só podia transmitir imperfeição a todos os seus descendentes.

Todos nós somos descendentes de Adão. Sem poder fazer nada a respeito, herdamos dele um corpo imperfeito com a tendência de pecar e condenado à morte. Paulo descreveu bem nossa situação. Ele escreveu: “Eu sou carnal, vendido sob o pecado. Homem miserável que eu sou! Quem me resgatará do corpo que é submetido a esta morte?” Ele mesmo dá a resposta: “Graças a Deus, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor!” — Romanos 7:14, 24, 25.

 Jesus morreu para que vivêssemos para sempre

“O Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo.” — 1 João 4:14.

Jeová Deus tomou providências para que os efeitos do pecado fossem anulados e nos livrássemos da condenação à morte eterna. Como? Ele enviou do céu seu amado Filho para nascer como humano perfeito assim como Adão. Mas, diferentemente de Adão, Jesus “não cometeu pecado”. (1 Pedro 2:22) Como humano perfeito, ele não estava condenado à morte e poderia viver para sempre.

No entanto, Jeová permitiu que Jesus fosse morto por seus inimigos. Três dias depois, Jeová o ressuscitou como um espírito para que por fim retornasse ao céu. Ali, Jesus apresentou a Deus o valor de sua vida humana perfeita para resgatar o que Adão havia perdido para si mesmo e para sua descendência. Jeová aceitou esse sacrifício, tornando possível que aqueles que exercessem fé em Jesus recebessem vida eterna. — Romanos 3:23, 24; 1 João 2:2.

Dessa forma, Jesus recuperou o que Adão havia perdido. Ele morreu por nós para que vivêssemos para sempre. A Bíblia diz que ‘Jesus sofreu a morte, para que, pela benignidade imerecida de Deus, provasse a morte por todo homem’. — Hebreus 2:9.

Essa provisão nos ensina muito sobre Jeová. Seu alto padrão de justiça tornou possível que humanos imperfeitos se redimissem. No entanto, seu amor e misericórdia o motivaram a satisfazer seus próprios requisitos a um enorme custo para si mesmo — dar seu próprio Filho para pagar o resgate. — Romanos 5:6-8.

Jesus foi ressuscitado, e outros também serão

“Cristo tem sido levantado dentre os mortos, as primícias dos que adormeceram na morte. Pois, visto que a morte é por intermédio dum homem, também a ressurreição dos mortos é por intermédio dum homem. Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos serão vivificados.” — 1 Coríntios 15:20-22.

Não há dúvida de que Jesus viveu e morreu. Mas que evidência há de que ele foi ressuscitado? Uma das mais fortes evidências é o fato de que, após sua ressurreição, Jesus apareceu a muitas pessoas em diferentes ocasiões e em diferentes lugares. Em uma delas, ele apareceu a mais de 500 pessoas. O apóstolo Paulo escreveu sobre isso em sua carta aos coríntios e destacou que algumas daquelas testemunhas ainda estavam vivas, sugerindo assim que elas poderiam comprovar o que tinham visto e ouvido. — 1 Coríntios 15:3-8.

É interessante que, quando escreveu que Cristo era “as primícias” dos levantados dentre os mortos, Paulo estava indicando que mais tarde outros também seriam ressuscitados. O próprio Jesus disse que chegaria a hora em que ‘todos os que estivessem nos túmulos memoriais sairiam’. — João 5:28, 29.

 Para viver para sempre, precisamos exercer fé em Jesus

“Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” — João 3:16.

As páginas iniciais da Bíblia falam de quando a morte passou a existir e o Paraíso foi perdido. As páginas finais falam de quando Deus eliminará a morte e restaurará o Paraíso na Terra. Então as pessoas poderão ter uma vida feliz e produtiva para sempre. Revelação (Apocalipse) 21:4 diz: “Não haverá mais morte.” Destacando a certeza dessa promessa, o versículo 5 declara: “Estas palavras são fiéis e verdadeiras.” Jeová é plenamente capaz de fazer tudo o que promete.

Você acredita que “estas palavras são fiéis e verdadeiras”? Então, aprenda mais sobre Jesus Cristo e exerça fé nele. Se fizer isso, você terá a aprovação de Jeová. Você não só receberá muitas bênçãos agora, mas também terá a esperança de viver para sempre no Paraíso terrestre, onde “não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor”.