Pular para conteúdo

Pular para sumário

Você Sabia?

Você Sabia?

 Você Sabia?

O que era o portão da cidade muitas vezes mencionado nos relatos da Bíblia?

▪ Nos tempos bíblicos, a maioria das cidades era cercada de muralhas. Dentro de muitos portões havia áreas livres onde as pessoas se juntavam para conversar, fazer negócios e contar as novidades. Ali também se davam anúncios públicos e podiam se ouvir as mensagens de profetas. (Jeremias 17:19, 20) A obra The Land and the Book (A Terra e o Livro) diz que “praticamente todas as transações públicas eram realizadas no portão da cidade ou perto dele”. No Israel antigo, os portões das cidades eram como os centros comunitários dos dias atuais.

Abraão, por exemplo, comprou de Efrom uma propriedade como local de enterro para a família “diante dos olhos dos filhos de Hete, entre todos os que entravam pelo portão de sua cidade”. (Gênesis 23:7-18) E Boaz pediu a dez anciãos de Belém que ficassem sentados perto do portão da cidade enquanto ele, na sua frente, tomava medidas para garantir a herança de Rute e de seu marido falecido, segundo a lei sobre o casamento levirato. (Rute 4:1, 2) Quando os homens mais velhos de uma cidade atuavam como juízes, eles sentavam na área do portão da cidade para ouvir os casos, tomar decisões e fazer julgamentos. — Deuteronômio 21:19.

Onde ficava Ofir, o lugar que a Bíblia diz ter sido uma fonte de ouro de qualidade superior?

O livro de Jó é o primeiro a comparar o “ouro de Ofir” com “ouro puro”. (Jó 28:15, 16) Uns 600 anos depois dos dias de Jó, o Rei Davi juntou “ouro de Ofir” para a construção do templo de Jeová em Jerusalém. Seu filho Salomão também importou ouro de Ofir. — 1 Crônicas 29:3, 4; 1 Reis 9:28.

Segundo as Escrituras, Salomão mandou construir uma frota de navios em Eziom-Géber, no mar Vermelho, para trazer ouro de Ofir. (1 Reis 9:26) Há eruditos que dizem que Eziom-Géber está localizada no golfo de Aqaba na área onde hoje fica Elat ou Aqaba. Dali, os navios podiam chegar a qualquer parte do mar Vermelho ou a postos mercantis mais distantes na costa da África ou da Índia, possíveis localizações de Ofir. Havia também quem dissesse que Ofir ficava na Arábia, onde foram encontradas antigas minas de ouro e onde há depósitos explorados até nos tempos modernos.

Sobre se as minas de ouro de Salomão são apenas uma lenda, como muitos dizem, o egiptólogo Kenneth A. Kitchen escreve: “Ofir em si mesma não é mito. Existe um óstraco [ou, fragmento de cerâmica] hebraico, talvez do oitavo século [AEC], que tem uma inscrição com uma nota breve, mas clara, que registra o seguinte: ‘Ouro de Ofir para Bete-Horom — 30 siclos.’ Vemos que Ofir era uma fonte real de ouro, assim como acontece com o ‘Ouro de ‛Amau’, o ‘Ouro de Punt’ ou o ‘Ouro de Kush’ em textos egípcios — em cada caso o ouro ou é proveniente do lugar mencionado ou é daquela qualidade ou tipo.”

[Foto na página 15]

Abraão no portão da cidade, comprando um terreno

[Foto na página 15]

Óstraco hebraico com inscrição que menciona Ofir

[Crédito]

Coleção de Israel Antiquities Authority, Foto © The Israel Museum, Jerusalém